CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

EU SOU A LENDA

Em 21 de março de 2009, aqui no Lance!, minha coluna com o título “Neymarantes do Nascimento” terminou assim:

“Neste mundo em que jogadores de futebol se confundem (em alguns casos, propositalmente) com celebridades, e o mesmo ocorre entre a mídia do esporte e a da fofoca, um “futuro craque” de 17 anos precisa de um pacote: bola, estrutura familiar e bons exemplos.

Se Neymar não tem esse pacote agora, não o terá em um, cinco ou dez anos. Portanto, seu lugar é no campo. Não há por que esperar.

O Barcelona não esperou com Messi. O Internacional não esperou com Pato. E o mundo já era esse.

Que Neymar seja tudo o que ele quiser.”

Neymar tinha feito sua estreia como titular do Santos, e seu primeiro gol como profissional, naquela semana. O então técnico do time, Vagner Mancini, tinha dúvidas sobre a escalação do garoto no jogo seguinte, clássico contra o Corinthians. O texto (cujo título era um jogo de palavras, nada mais) argumentava que “proteger Neymar para não estragá-lo” era inútil, uma vez que só o campo nos mostraria o que realmente existia por trás da fumaça e das luzes.

Quase 20 meses depois, voltemos ao tal pacote mencionado na coluna. Neymar tem bola? Sério, alguém ainda está indeciso sobre a quantidade de talento dele? Alguém ainda permite que uma certa antipatia interfira na avaliação de seu futebol? Isso seria equivalente a um árbitro resolver que não  marcará faltas no rapaz, só porque ele provoca os adversários.

Estrutura familiar? Bem, temos visto Neymar pai presente e atuante nas diversas situações que envolvem o filho. Desde as reuniões sobre a oferta do Chelsea até o uso do Twitter. À distância, a impressão é que a influência de pai para filho é positiva.

Já os bons exemplos são mais difíceis de detectar. Dependem de companhia, de admiração, de afinidade. Tomara que eles estejam por perto, mas, em noites como a de ontem, não parece que estão.

É claro que o aprendizado do “futuro craque” está na fase inicial. Neymar ainda não passa de um projeto ambicioso, mas já se incomoda com tudo e até se diz cansado. Pensa e age como o novo milionário que é. Caso clássico de profecia auto-realizável.

Pense num garoto chamado de craque desde os 12 anos. Bem remunerado antes da adolescência. Badalado por toda parte. Pense que o começo da vida profissional se deu num time encantador, que logo conquistou títulos. Pense na proposta milionária da Europa, recusada. Pense na Seleção. E pense que tudo aconteceu num piscar de olhos. Será que é fácil processar? Quem viveu isso que o diga. Mas daí a desconhecer a autoridade de seu técnico e se comportar como um maluquinho em campo é um outro departamento.

A última frase da coluna de março do ano passado não era para ser tomada ao pé da letra. Neymar tomou. Que pena.



  • Daniel

    André,

    É possível detectar, ou presumir, má influência do Robinho durante a convivência no Santos no comportamento do Neymáscara?

    Já que Robinho é hors concours em se achar melhor do que é – apesar de parecer ter aprendido a chegar em um clube sem a ladainha narcisista do “serei o melhor do mundo”, pois já deve ter se tocado…

    abs!

  • André,

    Vendo os acontecimentos dos últimos dias (os atos de Neymar e as reações que provocou), e apesar de concordar com óbvio (a qualidade extraordinária dele como jogador), temo, como santista, que o clube cometa o mesmo erro da época do surgimento da dupla Diego-Robinho. Qual? Focou-se no jogador errado. Ainda hoje acho que se Diego tivesse sido melhor “trabalhado” e prestigiado, os resultados poderiam ter sido substancialmente maiores do que os obtidos com Robinho.

    Ganso é o cara, e nele que os principais esforços devem se concentrar.
    Neymar é uma jóia, mas é o Ganso que pode levar o clube (e a seleção) a inúmeros triunfos.

    Pra terminar, e pensando na reação do Renê Simões (que eu penso ser um pouco superestimado por uma parte da mídia), uma frase que li estes dias sobre um outro assunto: “Falta de educação é esporte de contato.”

  • Anna

    É uma pena, mesmo. Achei o título e a frase final muito oportunas, perfeitas. Não há outra palavra, desculpe se exagero, mas sinto isso. O pai dele, Neymar Senior, deveria mostrar a sua coluna, do Benja e já que ele é fissurado em internet, o Blog Jogo Aberto, do Ledio Carmona, para fixar bem, para ele ver o que os admiradores de seu futebol e jornalistas pensam. Fica a dica! Bom final de semana, Anna

  • BASILIO77

    Acho que o time do SFC foi “mal acostumado” por todos no primeiro semestre desse ano. A imprensa/torcida supervalorizando goleadas em cima de adversários fraquissimos que mais demonstraram uma “humilhação coletiva” de todo o time do peixe, que mesmo depois de estar com 5×0 não tirava o pé como a quase a totalidade dos times faz, evitando uma goleada ainda maior, a humilhação total do adversário. Todos bateram palmas.

    Os juizes de certa forma “blindaram” o time no paulista…causando a impressão aos jogadores do peixe de que eram intocáveis…mesmo sendo fisicamente mais fracos que os adversários e o futebol de hoje sendo mais aceito como “esporte de contato”. Agora, se não marcar falta em TODOS os tombos dos caras, eles ficam bravos. Se o adversário é que tira onda quando estão em vantagem, eles não aguentam. Vide o jogo contra o Ceará.
    Prova de que não é só Neymar que “está se achando” foi a NÃO COMEMORAÇÃO do Madson após marcar um gol importante contra o AT/GO diante da propria torcida. Vejam a imagem.

    Neymar em particular, acho um craque. Ainda acho ele melhor do que o Ganso, mais decisivo. E o proprio Ganso não saindo de campo quando o Dorival pediu na final do paulista, embora muitos dissessem que foi “mostra de personalidade”, pra mim foi indisciplina pura…deu tudo certo …o time foi campeão…então tudo bem.

    Neymar tem 18 anos e uma personalidade que se fosse aquela que todos nós quereremos…talvez ele não jogasse o que joga. Acho que ele é uma espécie de Edmundo, com reações menos violentas, mas que não se pode e nem deve domar…sob o risco de que ele não jogue tudo o que sabe.
    Acho que ele vai melhorar. Não na essencia, pois isso não muda…mas esses chiliques públicos não mais aparecerão. Eventuais discussões de campo ainda vão aparecer, que será normal.
    Estamos diante de um processo de aprendizagem pública de um talento ímpar do futebol.
    Abraço.

  • Rodrigo

    Tenho, a cada dia que passa, mais certeza de que a sociedade trata os jovens como se fossem débeis mentais, quando estes fazem algo de errado. Neymar já tem 18 anos, e muitos dizem que a “pouca idade” é a responsável pelos seus erros. Se o jogador xinga o técnico, é porque é inexperiente. Se faz graça na frente de zagueiro, sem necessidade, relevemos, pois o guri é novo ainda. Vi o começo da carreira de craques como Ronaldo, Ronaldinho, Kaká e afins, e nenhum agia assim, apesar do talento – e não lembro de nenhum deles ter desafetos no futebol por essas épocas. Sem querer jogar mais lenha na fogueira (mesmo porque isso gera um debate muito maior), acho que está na hora de acabar com tanta hipocrisia de achar que os jovens são pobres coitados. Não são, nunca foram. Tem muito moleque de 15 anos que sabe muito bem o que faz, é maior que 90% das pessoas mais velhas que eles, e tocam o terror por onde passam. Se é culpa do governo, da situação econômica, da família, etc, eu não sei, mas o fato é que temos que começar a olhar tudo isso de maneira diferente.

  • Luiz Felipe

    Quero ver ano que vem, na libertadores, se vai ter firula quando ele for jogar contra grandes times da argentina, uruguai e paraguai lá no campo deles.

  • Rejane

    É uma pena, o Neymar ter dito palavras de baixo calão para o técnico que sempre o defendeu. O técnico Dorival Júnior não merecia isso. Espero que com tantas críticas, o Neymar aprenda controlar-se!

  • Poxa, fala sério! O Neymar errou, assim como Romário já errou, como o Ronaldo já errou, como todo mundo erra. Acho que o pedido de desculpa deve ser levado em consideração. O cara errou, é verdade. Mas se começarem a tratá-lo como um caso perdido, não vai ajudar.

    Com todo o respeito ao René Simões, o Neymar tá longe de ser um monstro. Só porque ele bateu boca com o técnico? ele deve ser punido como os outros jogadores. E não é isso que está acontecendo. Ele tá tendo uma punição muito mais elevada.

  • Thiago Luiz

    Em um documentário transmitido pela ESPN Brasil antes da Copa de 2006, o narrador afirmava que os jogadores da Holanda (especialmente Johan Cruijif), que deveriam estar em 1978 na Argentina, viveram uma fase em que se acharam mais importantes que o clube e, quiçá, o futebol. Há 30 anos atrás. Isso foi controlado na Europa? Não posso afirmar; acredito que somente quem mora lá e vocês, especializados no assunto, poderiam dizer. Mas algo parece certo: HOJE, o jogador (acima da média) de futebol brasileiro se vê acima do clube, do futebol, e muito acima da torcida. Esta última evidenciada na patética discussão via Twitter dos jogadores santistas com torcedores.

    Louva-se a tentativa de clubes de repatriar estrelas, como Ronaldo, Adriano, Vagner Love, Fred, entre outros, mas não impuseram limites a si mesmos. Chamaram-no a qualquer custo. Como se, sem a presença deles, não houvesse futebol no país. O que aconteceu? Chegaram achando que, sem eles, não há futebol no país. Baladas acobertadas pelo clube, escândalos, jogador jogando quando quer e pronto. Esquece que ele vai passar, como todos os outros passaram. O clube vai ficar. O futebol vai ficar. A TORCIDA vai ficar. Ele pode demorar 20 anos, mas vai passar. E cairá no esquecimento, com espaçadas homenagens por isso ou por aquilo.

    Como você bem disse, André, jogadores são celebridades. Eles precisam, então, entender que o mundo das celebridades é uma máquina de moer gente.

    Precisam entender que o clube nada mais é do que uma instituição, uma empresa. Ele? Um funcionário. Proletário.

  • Marcos Vinícius

    André,sei que vc defende a multa imposta pelo Santos a Neymar.Mas fica a questão:Não é a primeira vez que Neymar apronta.Na primeira,passaram a mão na cabeça do menino.Nesta agora impuseram a ele uma situação,me desculpe,mas ridícula!Ele não estava nem um pouco a fim de pedir desculpas,estava visivelmente constrangido,e o que a diretoria do Peixe tentou foi colocar panos quentes no assunto.Não creio que o afastamento de Neymar,como pediu Dorival,vá penalizar o time,como alguns dizem.O que vai fazer é mostrar que tem comando,que tem hierarquia,que não é cada um fazer o que quiser e depois se desculpar.Multa?O Santos diz que multa,mas não multa.Diz que pune,mas não pune.Em comentário recente,defendi Dorival,dizendo que ele exerce o poder que lhe é permitido,e teve gente que discordou de mim.Agora digo:Muito bem,Dorival Júnior!Vc está certíssimo!Está na hora de acabar com aquilo que começou no segundo jogo da final do Paulistão,onde um jogador disse que não iria sair,não saiu e pronto.Ficou tudo bem pq o Santos ganhou,mas já imaginou se aquela bola que bateu na trave aos 44 do segundo tempo entra?Ninguém iria dizer que o Ganso agiu bem,que foi homem em não sair.O que aconteceu no Santos é que os bons resultados mascaravam o péssimo clima formado por um bando de deslumbrados,que acham que pq jogam bola,estão na mídia,podem tudo.Ou se põe limites agora ou então depois é só juntar os estragos causados por falta de liderança,como vimos recentemente,por exemplo,no Flamengo,guardadas as devidas considerações.

    E se Neymar aprontar mais uma vez?E se o fato de passarem a mão na cabeça do rapaz,”apenas” impondo uma multa pra quem disse que “é milionário” virar rotina e o menino não conhecer limites?

    Afastem ele da mídia,façam com que ele deixe de ser o centro das atenções,todo mundo sabe que adolescente gosta de aparecer,e Neymar ainda é um adolescente,um adolescente deslumbrado e bom de bola,que tem o mundo a sua frente,uma vida cheia de perspectivas e oportunidades.Afastem ele da bola,mostrem que tem comando.Aquele Santos de 2002,de Robinho,Diego,Elano,Paulo Almeida e Renato,todos garotos, tinha tanta qualidade quanto o atual,mas não desandou pq o comandante era Emerson Leão,um cara linha duríssima.

    Nada de multa.Pro bem do Neymar.

    Abraço.

  • Não podemos negar que Neymar tem um talento fora do comum. É um jogador rápido, versátil, goleador, driblador, craque dentro de campo e que sabe jogar bola. Mas, as vezes, parece que a cabeça de Neymar entra em parafuso. Desde a provável ida ao Chelsea (o que não aconteceu) e divulgar aos quatro mundo que ama e vai ficar no Santos, Neymar viu seu mundo virar de cabeça para baixo.

    O camisa 11 do Santos já não tem a mesma regularidade do primeiro semestre e vem alternando bons e maus jogos pelo time santista. Mas o que acontece com a cabeça de Neymar? Será o deslumbre de ser o mais famoso jogador brasileiro da atualidade? Será que a fama já subiu a cabeça do atacante? Será que a realidade de Neymar é outra?

    Em menos de 15 dias, o atacante santista já provocou 3 atitudes provocativas e que irritaram seus adversários e até quem trabalha com ele. Se não vejamos: no jogo contra o Avai, na Vila, os jogadores do time catarinense reclamaram da atitude do jogador que em certo momento do jogo humilhava seus adversários dizendo que era milionário.

    Depois, no jogo contra o Ceará, após ser caçado o jogo inteiro pelos zagueiros do time nordestino, Neymar se irritou e começou a provocar os adversários. Resultado: no fim do jogo, muita confusão com a policia agredindo seu companheiro de equipe: Marquinhos.

    Agora, a mais grave atitude do jogador. Depois de ser alertado de que seu companheiro Marcel iria cobrar o penalti no jogo contra o Atlético, Neymar discutiu com o treinador e até com os próprios jogadores dentro de campo e até nos vestiários e depois saiu de campo sem dar entrevistas a ninguém.

    Pergunto eu: até quando Neymar vai continuar fazendo isso? Haverá novas rebeldias? Dificil responder. Acho que depois desse episódio, Neymar vai continuar a ser visado dentro e fora de campo. Dorival Junior pediu punição exemplar ao jogador e ameaçou abandonar o clube. Veja só o que uma atitude irresponsável pode ocasionar na história do clube e do jogador, que já está carregando uma fama de badboy, coisa que ele não é.

    Neymar é gente boa, mas precisa cuidar da sua cabeça e ter em mente que tem uma enorme carreira pela frente e que sucesso e fracasso andam lado a lado. É muito bom estar no topo o mais dificil é se manter nele.

  • Weslley

    Já que a pouca idade é a desculpa principal…faz-se necessario lembrar que um certo fenomeno, aos 17 anos (menos idade que a atual estrela do futebol brasileiro) já era campeão do mundo. Aos 20 anos já tinha ganho o titulo de MELHOR jogador do planeta. E ainda assim, nunca se viu esse rompante de estrelismo. Outro grande craque (atual companheiro dá “má influencia” do neymar) sempre humilhou adversarios com dribles mais do que desconcertantes sem nunca ter sido ameaçado de quebra-lhe as pernas. Exemplo maior essa semana, deu um drible “vergonhoso” no adversario e foi cumprimentado pela habilidade segundos depois. Resumindo, o proprio neymar deve buscar esse respeito.. afinal dribles são do futebol, palavras não.. um zagueiro aguenta um drible, mas não aguenta desrespeito pessoal. Esse grande projeto de craque deve buscar jogar seu futebol, não rebaixar seu adversario com palavras,,, sinceramente, pelo que vemos, é dificil disso acontecer…

  • Hipolito Piva

    Prezados,
    sei que as críticas serão expressivas, pela comparação extrema, mas aí vai:
    o que levou o ex-goleiro Bruno a ordenar um homicídio difere apenas em gradação da visão do Neymar sobre a vida.
    Explico-me, ou ao menos tento. A inversão de valores ou a adoção de um código moral particular não se dá instantaneamente. São necessários anos de bajulação, de vistas grossas para os excessos, da sensação de poder e do poder do dinheiro (“posso porque sou miliionário”) para que algo grave aconteça. As pessoas não nascem boas ou más, nem permanecem assim, porque já o foram algum dia. Nós vamos sendo moldados por nossas atitudes, por nossa visão de mundo. Quantos meninos sensacionais transformam-se em monstros e quantos bandidos regeneram-se, a partir de uma mudança na perspectiva que têm do mundo? A desculpa do “ele errou, mas é bom” significa que quem é bom permanecerá bom para sempre, não importa o que faça. A visão oposta, de que o bandido é mau e não tem salvação é seu complemento simétrico. Tudo isso é besteira. São os somatórios de nossos atos que constroem DIARIAMENTE nossa personalidade, por toda vida. Não importa se temos 8 ou 80 anos, são nossos pensamentos e atos que demonstram quem somos HOJE e não quem fomos um dia.
    Com isso não quero dizer que o Neymar se perdeu (seria um contrasenso), mas que seus últimos atos indicam que um caminho está sendo escolhido e que quem REALMENTE gosta dele, deve alertá-lo para o ponto de chegada, ou o destino final desta trilha. Está na hora de firmeza, orientação e seriedade. O que aconteceu não é fato isolado ou obra do acaso. É um sinal de alerta. Caso ele se confirme como craque, como jogador sensacional, a ausência de valores em seu comportamento somente irá piorar e, então, ele não ouvirá ninguém, pois estará ofuscado por seu endeusamento como celebridade internacional. A hora é agora. Ele precisa de multas, afastamento, repúdio dos fãs, suspensão, enfim PRECISA entender que o caminho não é este e se sentir forte o suficiente para JAMAIS retornar por ali. Abraços.

  • Marcos Vinícius

    Venceu Dorival,e Neymar foi afastado pela diretoria do Santos.Bom sinal.

  • Olá André vejo que és profeta, tenho uma pergunta simples.
    Uma pessoa com 18 anos pode ser tratado como menino? Como infantil? Como projeto de homem?
    O mundo do futebol é realmente estranho, é só andar um pouco por São Paulo e verá muitos jovens com 18 anos que são muito homens e mulheres.

    18 anos não é criança. Não são meninos da vila, e o que fazem não é jogar bolinha de gude.
    Posso estar errado.

  • Anna

    André, eu achava que Neymar deveria ser punido com afastamento e multa, mas não achei que foi bem conduzido, por mais que eu adore o Dorival por tudo que fez ao Vasco. Tinha que partir da Diretoria do Santos a punição e não acabar por ser uma “forçação” de barra por parte dele. E penso que ele querendo ser diplomático e não querer magoar o pai do Neymar, ao não chama o rapaz de mal-educado, pressionou dos bastidores. Deveria ter dito o que sentia, de cara, com jeito, que era a favor da punição, na frente das câmeras , por mais que não quisesse aumentar a confusão ou promover ruído na comunicação. Temo que a maneira que foi feita azede ainda mais o relacionamento com Neymar e acabe prejudicando o Santos. Minha esperança é que o jogador reflita sobre isso e não guarde rancor. E que ele realmente queira amadurecer para o bem de si mesmo e de seu futebol.

MaisRecentes

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo

Troféu



Continue Lendo