CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

PALAVRA DE RONALDO

No Campeonato Paulista de 2009, nos acréscimos do segundo tempo de um clássico contra o Palmeiras em Presidente Prudente, Ronaldo marcou seu primeiro gol pelo Corinthians. Escanteio do lado direito, segunda trave, gol de cabeça, alambrado quebrado. Você lembra.

O time estava no vestiário quando o presidente do Corinthians, Andres Sanchez, entrou, com lágrimas nos olhos. Foi direto abraçar Ronaldo, responsável pelo empate quando a derrota já doía. Mais do que cumprimentar o atacante, Sanchez o agradeceu. E ouviu algo que, naquele dia, tinha pouca relação com o mundo real.

“Presidente, quando eu for embora daqui, o senhor vai ter títulos, vai ter construído o seu centro de treinamentos e o seu estádio”, prometeu Ronaldo.

Lembre-se, estamos falando de março de 2009. Era apenas o segundo jogo de Ronaldo pelo Corinthians. Eram enormes as dúvidas a respeito de seu retorno ao futebol. Era fácil rotular sua chegada ao clube como “apenas” uma jogada de marketing. Quem ouviu a promessa de Ronaldo ao presidente do Corinthians naquela tarde (talvez até mesmo o próprio Sanchez), provavelmente depositou a declaração na gaveta das coisas que são ditas num momento de euforia. Hoje, na semana em que o clube completa um século de existência, a frase parece profética.

Num 2010 que, mesmo que termine com um título, terminará sem “o” título, o anúncio de que o Corinthians realizará o sonho da casa própria é o principal troféu para o torcedor. E para quem presta atenção, o fim do aluguel no orçamento do clube não surpreende.

Foi o mesmo Ronaldo quem disse, em participação no “Bem Amigos” do SporTV, em julho de 2009, que o presidente Lula estava interessado no projeto do estádio corintiano. “Ele está dando alguns contatos de empreiteiras que podem nos ajudar”, contou. Talvez a variedade de maquetes e pilantras interessados em lucrar com a construção da casa alvinegra tenham alimentado a desconfiança geral, mas a informação do envolvimento do presidente (encontre algo que Lula quis fazer e não conseguiu) deveria chamar a atenção.

Durante a Copa do Mundo, quando os boatos sobre o “Piritubão” apareceram como alternativa para a sede paulista do Mundial de 2014, quase ninguém acreditou quando Sanchez disse que “isso aí não tem nada a ver com o Corinthians”. Era verdade. E é só juntar os pontos para chegar a Itaquera.

Curioso. Vivemos reclamando que nossos estádios são latas de lixo gigantes. Quando aparece um projeto que promete não morder verba pública, decidimos imediatamente que é mentira. Verifiquemos, cada um na sua, o que é verdade e o que não é. Perguntemos, por exemplo, por que outros dois estádios da mesma construtora estão orçados em valores muito maiores.

A inclusão do estádio do Corinthians na Copa de 2014 é outra história. E não estava na promessa de Ronaldo.



  • Edouard Dardenne

    Se eu compreendi bem, você também entende que o problema dos orçamentos está no custo dos demais estádios, e não no do Corinthians. Desde o princípio, me parece claro que a resistência do Clube à injeção de verbas pública não tem nada a ver com um acesso de moralidade. Tem a ver com a preocupação de que se o estádio for pago às custas da viúva, muita gente vai querer levar o seu, encarecendo a obra; e tem a ver com o indesejável controle do TCU sobre os custos da construção.
    Você fez uma boa análise da situação, embora eu deseje discordar quando diz que não há nada que Sua Excelência o Presidente da República tenha pretendido e não tenha conseguido.
    Ele quis expulsar o jornalista Larry Rother, sem sucesso. Quis humanizar o ditador Mahmoud Ahmadinejad, sem sucesso. Quis amordaçar a imprensa com um suposto “controle social”, sem sucesso. Naturalmente, ele conseguiu fazer mais do que esperávamos (saiu ileso do mensalão, dos aloprados, etc.), mas felizmente nem tudo, amigo, nem tudo…
    Um abraço.

    AK: Claro, nem tudo. Sobre o custo do estádio, também tem a ver com o fato de não ser uma arena projetada, inicialmente, para ser usada na Copa do Mundo. Terei uma coluna amanhã no Lance! com números e comparações com outros projetos. Um abraço.

  • Paulo Sergio

    Pôxa André, parabéns pelo comentário. Também sou contra a tudo que estão comentando sobre verbas públicas em obras particulares, etc, etc, mas tem uma parte da imprensa que só sabe ver coisa ruim em tudo, só decem o cacete. Até agora, or tudo que li e ouvi, o projeto como um todo, parece legal e sem agredir ética ou boas práticas, mas neguinho já tá especulando o que pode acontecer, a sacanagem, os valores serão muito maiores que o orçado, bal bla bla…..Se a CBF armou p/ o São Paulo, não temos nada a ver com isso. Se a copa será no Fielzão, também não é a preocupação do torcedor do Timão. O que queremos é o nosso estádio de forma limpa, o resto faz parte do jogo, a vida é assim. G

    AK: É importante não confundir uso de verba pública com financiamento no BNDES. Ainda que eu entenda válido discutir se o BNDES deve ou não emprestar dinheiro para a construção de estádios, é muito difícil encontrar obras desse porte, no Brasil, sem empréstimos feitos junto ao banco de fomento. Há até uma linha especial de crédito já aprovada, para estádios da Copa. E outras possibilidades, um pouco diferentes no prazo e nos juros, para obras como shoppings e hotéis. Mais sobre esse assunto, amanhã no Lance!. Um abraço.

  • Willian Ifanger

    André, apesar de ser declarado que a obra será bancada por uma empresa privada, sabemos que é uma empresa enraizada com o poder. Você não acha que, indiretamente, haverá uma troca de favores/favorecimentos futura(o) e que isso de alguma maneira não envolve o poder público? Até mesmo em questões democráticas (qualquer favorecimento público fere a Democracia)?

    Não sei se consegui me fazer entender.

    Mas eu não sou nada contra novas arenas. Se tudo acabar bem feito, mais empresas vão querer vincular seu nome aos rivais…..pode ser que acabe sendo muito bom para todos. Resta saber o que será do Pacaembú.

    AK: Tudo indica que houve a participação do presidente da República. Mas eu não diria que esse episódio marca o início do relacionamento de uma construtora com o governo, no Brasil. Além disso, são várias as histórias de movimentações políticas (concessões de terrenos, liberações de licenças, e por aí vai) para a construção de CTs e estádios de futebol em nosso país. Um abraço.

  • Beto

    A sua opinião é, como sempre ponderada e muito bem sustentada.
    Eu, como palestrino, questiono apenas uma coisa: por que das duas obras dos estádios (de Palmeiras e Corinthians), somente a do palmeiras parece encontrar demasiada burocracia para a liberação da obra?
    Sei que parece teoria da conspiração, mas uma obra aprovada com a facilidade que foi o Fielzão (aliás, acho que tinha que ser outro nome, como “Estádio Sócrates”, ou algo assim) é no mínimo desrespeitoso, pois a arena palestra encontra, a cada dia, mais burocracias tolas para o início das obras.
    Você saberia me dizer qual é a diferença entre os dois projetos, para que um encontre tamanha dificuldade e outro não?
    De resto, seria ótimo que o morumbi também fosse reformado, assim como o pacaembú e todos os outros estádios. Já passou da hora de termos condições decentes de assistir aos jogos. Né?

    AK: Eu não saberia te dizer quais são as diferenças burocráticas entre uma obra e outra. Mas também estranho a demora para a liberação das obras do estádio do Palmeiras. Um abraço.

  • Willian Ifanger

    Na verdade, até acho que nesse caso a empreiteira em questão já tem um envolvimento antigo com o poder público. Pelo menos sempre vi ligado o nome dela ligado há obras governamentais.

    Mas nada contra o Estado oferecer terrenos e benefícios para alguém propagar o desenvolvimento de uma região. Aliás, é sempre válido apoiar iniciativas que tentem desenvolver regiões carentes ou ávidas por progresso (seja lá o que for isso).

    O que me incomoda é que aqui no Brasil absolutamente tudo que envolva uma quantia razoável de investimento, tem que ter um (ou vários) político(s) por trás. Aí sempre dá aquela impressão de maracutaia.

  • Leandro Azevedo

    Andre,

    O preco orcado e divulgado na imprensa jah inclui as obras de uma expansao para 65 mil torcedores ou isso teria que ser reavaliado a colocaria o projeto mais “em linha” com a Fonte Nova, por exemplo?

    Abraco

    AK: A ampliação não está no orçamento de R$ 350 milhões. Um abraço.

  • BASILIO77

    Antes de mais nada, acho que finaciamento BNDES e isenção de impostos É USO de dinheiro público.

    Bem, pra mim estava claro desde o início a briga nos bastidores entre SPFC e SCCP. Para o SPFC a construção do estádio do SCCP, ou de qualquer outra alternativa que acabasse com o “monopolio” do Morumbi, seria um prejuizo. Fosse para 45 ou 65 mil pessoas, do SCCP ou da SEP. E lutou contra. Para o SPFC o ideal é que as coisas continuassem como estavam.
    Quase conseguiu, ou melhor, PARECE que não conseguiu…custo a acreditar que o clube mais influente politicamente no Brasil(minha opinião) se dê mal nessa historia toda. Vamos aguardar…

    Afirmar que a decisão pelo SCCP foi “só política” cheira a clubismo ou ANTIclubismo. A decisão seria política em QUALQUER caso. Morumbi também. Há bons argumentos técnicos nos dois lados. O desempate seria político mesmo.

    Do ponto de vista do “gasto de dinheiro público” na construção de estádios para a copa, voce
    não acha que os casos mais condenáveis são os de Brasilia, Natal e Cuiabá, praças onde não haverá público para o uso contínuo e justificável desse equipamentos após a copa?
    Cito apenas esses casos, mas poderia citar outros tantos…no mínimo discutíveis…
    O último impasse era o da cidade de São Paulo…o resto já estáva definido ha muito tempo. Aparentemente aceito pela mídia e sociedade…estava tudo em paz.

    Então porque, SÓ agora, após a indicação do estádio novo do SCCP para a abertura da Copa, ouço os “gritos” contra os gastos públicos NESTE CASO? Isso não deveria valer para TODOS os casos?

    Então nós Corinthianos somos levados a crer que o que está por trás da discussão toda não é o uso do dinheiro público mas sim à quem ele vai ser destinado. POUCO IMPORTANDO a saúde dos cofres públicos ou se existem outras prioridades sociais.
    Pode dar verba pra todo mundo, para o SCCP não!
    Apenas um exemplo, o Colorado fará a reforma com financiamento especial do BNDES + isenção de impostos. É dinheiro público…mas não é manchete. Há pouco tempo soube que São Januário será reformado para ser a sede do Rugby na Olimpiada 2016. Aí pode!

    Portanto, apesar das negativas dos que se “indignaram”, só posso dizer que se tratam de terríveis ataques de ANTICORINTHIANISMO e/ou da exploração dele. Isso vende!

    A copa não deveria ser aqui….a organização não deveria ser assim…mas vai.

    AK, voce não teme ser demitido por não estar fazendo parte do time dos “estilingues” nesse caso do estádio do SCCP? A moda é essa…atirar…perguntar depois.
    Abraço.

    AK: Não fiz isso no caso da nova arena do Palmeiras, nem em relação aos projetos de reforma do Morumbi. Sobre dinheiro público e BNDES: há estádios sendo construídos com recursos estaduais e municipais. E há estádios sendo erguidos e/ou reformados por construtoras que buscam linhas de crédito no BNDES. Empréstimos que devem ser pagos, não são doações. Um abraço.

  • Leandro Azevedo

    Acabei de ler no Blog do Paulinho:

    “Modificações no projeto já estariam agendadas, além de outras obras não orçadas, entre elas a terraplanagem. Além disso, a explicação de que o clube colocaria arquibancadas retráteis para atender exigências da FIFA é conversa pra boi dormir. Recentemente a entidade vetou obra semelhante no projeto apresentado pelo Tricolor. Em resumo, o estádio do Corinthians não sairá do papel – se sair – por menos de R$ 800 milhões. Este é apenas o calculo inicial, podendo, segundo informações, ultrapassar a casa de R$ 1 bilhão.”

    A pergunta que realmente fica, caso o projeto chegue realmente a esses valores, eh como a Odebrecht vai recuperar o investimento vendendo naming rights no Brasil? Se usarmos como comparativo a NFL, o Cowboys Stadium e o New Meadolands Stadium tinham um plano similar e ate hj nada de nome corporativo pro estadio.

    E quanto a Arena Palestra, o problema parece estar na obtencao de credito da WTorre para financiar alguns projetos, inclusive o estadio, e se a capitalizacao nao acontecer ate o dia 16 de Setembro, o projeto corre riscos grandes.

    Abraco

    AK: Como escrevi em outros comentários, terei números e comparações em minha coluna de amanhã, no Lance!. Um abraço.

  • Nilton

    Beto, pelo o que li pela Net, as diferenças entre os dois projetos esta em:

    01- que o do Palmeira foi apresentados e analisados pelas autoridades competentes, já do Timão não teve uma analise mais profunda por parte dos técnicos que geralmente detecta as falha nos projetos.

    02- O palestra Italia esta em uma região já desenvolvida, aonde todos os moradores busca seu direito e acaba trazendo mas entraves aos projetos (como do ultimo que seria a poluição sonora), no Estadio do Timão não há estes problemas pois a região é carente de infra-estrutura e tudo que for oferecido será aceito sem maiores questionamento (talvez apenas o duto da Petrobras atrapalhe as obras).

    03- o Projeto do Timão foi apresentado como solução para a participação do Estado de Sp para Copa o que não é o caso da Arena do Palmeiras. Sendo que o projeto tem que ser analisado pela FIFA para pode receber jogos da Copa, aonde pode sofre questionamento e até mudança no projeto. Já que a palavra final sobre se um Estadio pode receber jogos da Copa não é do Sr. Ricardo e sim da FIFA.

    Deve existir existir outros motivos, e quem lembra pode postar para termos uma comparação melhor entre os dois projetos. Concorda André?

  • felipe

    mais de 10 anos em isencoes fiscais em outros lugares e mais financiamento do bndes nao conta como morder o dinhero publico…. tratamendo bem diferente o senhor deu qd o sp anunciou q precisaria do bndes pra bancar sua obra…

    q estranho neh …..

    mais o pau q bate em chico vai bater em francisco… e como agora o francisco sao vcs, vcs tentam emcobrir todas as falcaturas q ocorrerram e vao ocorrer, pelo sonho da casa propria, parabens….

    AK: O fanatismo está te deixando um pouco confuso: “tratamendo bem diferente o senhor deu qd o sp anunciou q precisaria do bndes pra bancar sua obra”. Tente me explicar o que você quer dizer com isso. Um abraço.

  • André, sei que a presença do presidente na negociação pode ser tida como tráfico de influência. Porém, não é de se louvar que um político se movimente para que um estádio seja construído sem uso de verbas públicas?

    Não sei se estou sendo muito ingênuo. Mas prefiro mil vezes que a Odebrech construa o estádio de abertura sem usar verba pública, do que se ergua um Piritubão com dinheiro público.

    O fato do estádio ter sido escolhido para abrir a Copa, como você disse, é outra história. Porém, se é para aproveitar a Copa para impulsionar o desenvolvimento local, não é melhor que a abertura seja em uma região mais carente como Itaquera, do que em uma região rica como o Morumbi?

    Abraços e parabéns pela matéria. você realmente faz JORNALISMO esportivo.

  • Vinicius Lemos

    A desconfiança e o estranhamento sobre os valores é que nao foram mostradas as garantias e nem a viabilidade do negocio. É mais uma maquete, mas com o respaldo politico do Lula e da CBF.

    Mas, não vejo garantia de que seja com dinheiro privado, até pelas relações escandalosas do Sanches, um presidente a favor do Kia.

    AK: Na nota oficial divulgada pelo clube, e na entrevista coletiva conjunta entre clube e construtora, foi divulgado que quem custeará a obra é a Odebrecht. Um abraço.

  • Teobaldo

    “Perguntemos, por exemplo, por que outros dois estádios da mesma construtora estão orçados em valores muito maiores” (retirado do post do AK). Para quem sabe ler, o pingo é pingo mesmo e não letra. Concluo que a conta é muito simples: 2 estádios X 2 (custo superfaturado, por baixo) = 4 estádios. Estão recebendo 4 e fazendo 3, sendo que o custo do terceiro será financiado pelo próprio BNDES. A Odebrecht vai explorar o estádio durante algum tempo, antes de entregá-lo definitivamente o Corinthians? Melhor ainda, pois vai pagar (?) o empréstimo com dinheiro do torcedor. Construção de estádio sem verba pública… sei…

    AK: A Odebrecht não vai explorar o estádio, ela tem os direitos sobre a venda do nome do estádio. Uma das explicações sobre o orçamento menor, em relação a outros dois projetos para a Copa do Mundo, é o fato do estádio não ser planejado para o Mundial. Por isso a necessidade de mais cerca de R$ 150 milhões para adequá-lo. Um abraço.

  • Dionisio

    Eu nunca vou esquecer esse jogo. Os jogadores do Palmeiras ” deixaram ” o Ronaldo marcar o gol.
    É isso mesmo. Basta rever o tape e verificar que ninguém subiu com ele. Marmelada ! Combinado !
    No futebol tem disso sim.

  • Luiz Felipe

    “There’s no such thing as a free lunch”.

  • Alexandre

    Qualquer opinião sobre o uso deste estádio na Copa-2014 é, ainda, precipitada. A viabilidade técnica ainda não foi seriamente analisada e o custo apresentado é para um estádio com capacidade inferior à necessária para a partida de abertura. Certamente este custo ainda será várias vezes revisto, como foi feito no caso da reforma do Morumbi. Talvez em alguns meses tenhamos uma ligeira idéia do custo real do mesmo e se recursos privados serão mesmo suficientes para bancá-lo, o que acho pouco provável.

  • Márcio

    Eu só acho que Andrés Sanches e Lula (principalmente), não passam de lobos em pele de cordeiro. Como pode um estádio inteiro custar R$ 350 milhões e uma reforma do Maracanâ custar R$ 700 milhões ?, entre outras reformas pelo Brasil que custam muito mais que isso, inclusive com a participação da mesma construtora.
    Não acha que tem algo errado nisso ?
    A idéia do estádio é ótima, é muito legal saber que finalmente meu time vai ter um estádio, mas no geral, essa conversa não me enche os olhos de lágrimas.
    Abraços

    AK: O estádio novo do Grêmio vai custar cerca de 400 milhões. O Engenhão, com todos os seus mistérios, custou cerca de 400 milhôes. Não é o caso de perguntar por que a reforma do Maracanã será tão cara? Um abraço.

  • Scandelai

    Boa noite…
    Sou palmeirense e tenho que admitir que nos faz feliz o Corinthians “também” ter sua Arena.. sério mesmo… e por vários motivos…
    Para nós, não existe maior adversário, mesmo quando não está em boa fase é bom jogar e ganhar deles…
    Se o Palmeiras é grande hoje, como é o Corinthians, muito se deve a essa rivalidade, muito se deve ao Derby…
    Um quer ser sempre melhor que o outro… sendo assim… enquanto um cresce, a tendência é o outro querer ser maior… nenhum dos dois perdem nessa rivalidade.
    Mas, o PRINCIPAL MOTIVO de deixar contente, nós, palmeirenses, com o fato do Corinthians ter sua “Casa” é que depois de tanto tempo, teremos nossa PRIMEIRA VITÓRIA DENTRO DA CASA DELES…
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Isso vai ser SENSACIONAL….
    Abraços…

  • felipe

    somente peço q trate o provavel financiamento do fielzao pelo bndes do mesmo jeito q tratou qd o sp e plameiras acenaram com essa possibilidade. falando q era imoral e desfalque nos cofres publicos….

    AK: Aí é que está. Você deve estar me confundindo com outra pessoa. Um abraço.

  • marina

    Acredito que Ronaldo de todos os jogadores que passaram pelo Corínthians seja aquele que mais deu ao Clube o que nenhum outro conseguiu.Apesar de não estar jogando,ele reergueu o Clube juntamente com o Andrés Sanches e uma equipe que montou um esquema jamais visto em Clubes brasileiros,um homem só Ronaldo,com sua imagem que vale milhões trouxe muito dinheiro e credibilidade,e com isso vieram um CT belíssimo e o tão sonhado estádio.Além de um campeonato Paulista ,uma Copa do Brasil e ainda creio um campeonato brasileiro.Portanto,Ronaldo merece todas as homenagens dos torcedores,está focado novamente em emagrecer e treina como nunca.Não entendo como algumas pessoas e até jornalistas(não é o seu caso),detonam Ronaldo,como se pudessem apagar sua bela história nos campos mundo afora e aqui também.Parabéns Corínthians e sua bela torcida e obrigada Ronaldo por nos trazer nossos sonhos.Com Ronaldo não se brinca o homem é do bem e cumpre sua palavra.

  • Vinicius Lemos

    Sobre a Odebrecht reitero a preocupação politica de todos que mesmo com esse anuncio veem por trás. Por que está entrando numa obra não rentavel? A venda do nome será de 100 milhoes e os outros 250? Por isso, que tenho quase certeza de obra pública ou de lobby público que é a mesma coisa.

    O Morumbi teve um tratamento complicado pela imprensa, e apresentou garantias economicas palpaveis de 260 milhoes. Essa obra não teve garantia ainda, há um anuncio geral, mal explicado.
    E ainda o Sanches, amigo do Kia, diz que se for pra abertura, para 68 mil lugares, terá que ter dinheiro publico.

  • Rita

    O tadinho do SCCP, tão somente pelo amor de sua imensa torcida e do poder de um craque conseguirá construir seu estádio sem qq influência política, sem um centavo de dinheiro público ou sem estreito relacionamento com o todo-poderoso RT.

    Nada contra a construção da casa própria corinthiana,
    daí ser abertura da Copa sem as vistorias de praxe da Fifa, é brincadeira!!!

    Mas, só o São Paulo pertence ao lado obscuro do poder político.
    O São Paulo sim, usaria dinheiro público para reforma de seu estádio, como já usou na construção dele, o SCCP jamais!
    O São Paulo, a propósito, era o principal responsável pelo rival em cem anos de vida não ter sua casa ainda.
    A fome no mundo também é culpa do São Paulo.

    Eita vidão!!!

    AK: Como está no texto, a inclusão do estádio do Corinthians na Copa é uma outra conversa. Um abraço.

MaisRecentes

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo

Inglaterra 0 x 0 Brasil



Continue Lendo