COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

NEGÓCIO DE RISCO

Apostar em jovens jogadores de futebol é muito mais difícil do que encontrar um adversário para a Seleção Brasileira em data-Fifa. Negócio imprevisível, coisa para quem sabe lidar com o risco e está preparado para se dar mal. Mas quando o menino talentoso vira um projeto de craque, não há “mercadoria” mais lucrativa. Lembremos de Ramires, só para citar um exemplo. O Cruzeiro pagou cerca de R$ 400 mil por ele, em 2007. O Chelsea pagou 22 milhões de euros, dez dias atrás. A calculadora informa que a valorização é de 12.500% (não sei se acredito) em 3 anos. Ainda não inventaram nada melhor.

Mas clubes não existem (apenas) para ganhar dinheiro, como o Santos ensinou anteontem. A história a seguir mostra que, mesmo quando todos os elementos parecem estar no lugar certo, oportunidades são perdidas por diferenças de planejamento, de opinião. Ou até por falta de atenção.

No final do primeiro semestre de 2008, a Traffic promoveu uma reunião para apresentar o técnico Vanderlei Luxemburgo (então no Palmeiras) a torcedores dispostos a adquirir cotas da “cesta de atletas” administrada pela empresa. Participação nos direitos econômicos de jogadores em troca de recursos. Uma espécie de bolsa de valores em que as ações são frações do que vale um jogador de futebol.

Além de mostrar o projeto (uma tentativa de convivência entre o lucro esportivo desejado pelo clube e o lucro financeiro que a empresa procura), a ideia da reunião era estabelecer um relacionamento entre o técnico do Palmeiras e os abnegados que poderiam ajudar a trazer reforços para o time.

Um dos presentes perguntou se seria possível repatriar Alex, do Fenerbahce. “Difícil”, disse o representante da empresa, “mas fiquem tranqüilos porque o próximo camisa 10 do Palmeiras já esta a caminho”, completou. Obviamente, perguntaram de quem se tratava. “É o meia do Paraná Clube, está com 18 anos e os direitos dele são nossos”, foi a resposta.

Em 2008, o Paraná disputou a Série B do Campeonato Brasileiro. Ninguém na reunião pareceu se animar com a possibilidade de um jovem meia de um time da segunda divisão ser um jogador que faria diferença no Palmeiras. Nem Luxemburgo, conhecido pelo bom olho para talentos. A menção ao nome do garoto não levantou sobrancelhas na sala, apesar da insistência do executivo da Traffic. “Acreditem, ele é muito bom”, repetiu.

“Naquele momento, estávamos procurando jogadores mais experientes, porque a ideia era montar um time para ganhar o Campeonato Brasileiro”, contou Gilberto Cipullo, vice-presidente de futebol do Palmeiras, em conversa telefônica com a coluna ontem pela manhã. “Eu estava na reunião e me lembro que esse jogador realmente foi citado, mas o perfil que queríamos era outro”, explicou o dirigente.

O craque precoce acabou negociado com o Internacional, porque o meia colorado Alex estava indo para a Rússia. Jogou um Campeonato Sul-Americano e um Mundial pela Seleção Brasileira Sub-20. Na última quarta-feira, marcou um golaço na final da Copa Libertadores.

Seu nome é Giuliano.



  • Marcos Vinícius

    André,sem romantismo.

    Futebol é negócio,sim.Visa dinheiro,lucro para investidores,sim.Neymar ficou no Santos pq existe uma estratégia de markenting quase nos moldes da parceria Ronaldo/Corinthians,e,principalmente,porque é muito mais fácil para ele desfilar todo seu talento nos campos tupiniquins,onde árbitros coibem o contato físico,coisa que não acontece na Premier League.Logo,dentro de aproximadamente dois,três anos,sua valorização será maior.Acho,até,pouco provável que outro clube ofereça o que o Chelsea ofereceu,mas se o negócio não fosse bom para ambos,Neymar não ficaria.Sem essa história de amor à camisa,de valorização de raízes,sem essa balela que os boleiros usam pra jogar pra galera,pra dizerem que não foram embora pq essa é a sua casa,onde eles sentem-se bem.Nada disso,o negócio é o negócio,com o perdão da redundância,mas a parada é dinheiro,e Neymar ficou pq aqui vai ganhar,vai estar perto dos olhos da comissão técnica da seleção brasileira,e seu futebol sobressairá muito mais aqui que no Velho Continente.E ponto.

    Quanto ao assunto do post,a contratação de Giuliano por parte de um grupo de investidores,vc há de convir que é um negócio arriscado vc depositar dinheiro em um “ilustre desconhecido”.Não podemos culpar quem não quis investir no rapaz.Vc tem noção de quantos meninos surgem como “grandes promessas” e não vingam?Deixa eu lembrar de alguns:Felipe Gabriel (Botafogo),Paulo Sérgio (Flamengo) Zezinho (Juventude,hoje no Santos),e mais uma penca de jovens craques que,por esta ou aquela razão,somem no meio de um monte de jogadores com empresário de nome,que muitas vezes têm mais talento para vender seus pupilos do que os próprios pupilos dentro de campo.O grande vencedor desse “embate”foi o Inter,que teve visão e planejamento para lançar Giuliano na ocasião e no tempo certo.Na visão de quem não quis investir ne rapaz,era um investimento de altíssimo risco.Se ele não vingasse no Inter,quem iria culpar o Colorado?

    Abraço.

  • Pedro Valadares

    André, Giuliano é um excelente jogador, mas o fato do D`Ale ser o titular e permitir que o Giuliano entre em momentos mais confortáveis não faz diferença?

    Será que se fosse depositado sobre ele toda a expectativa de ser o craque do Palmeiras ele se desenvolveria tão bem? Vale lembra rque ele não titular do Inter.

    Abraço!

  • Diogo

    Eu tenho a impressão que o Marcos não entendeu a coluna…

  • Marcos Vinícius

    Tenho a impressão de que alguém não consegue entender uma opinião diferente da sua.

  • Mauricio

    O grande negócio do futebol brasileiro é esse: apostar em novos talentos. E, em face aos valores das transações internacionais, é um negócio menos arriscado do que parece. Menos arriscado, mas trabalhoso. É aí que muitos clubes correm. Vejamos, com o salário de um mês de um Ronaldo é possível ter os direitos federativos de uma dezena de boas promessas. Se bem trabalhados, mesmo jogadores que venham a se revelar como medianos darão bons retornos futuros. Ou seja, mesmo que eu não revele nenhum craque, se eu trabalhar direito vou recuperar meu investimento inicial em algumas vezes, e em pouco tempo. O que não dá para entender é como times de massa não se estruturam por aí. O Corinthians, o maior de todos, por exemplo, perde um tempo absurdo, uma oportunidade de ouro. É relativamente barato montar centros de treinamento para formar atletas, a marca Corinthians irá atrair milhares de garotos, o resto é saber trabalhar em cima do reconhecimento e desenvolvimento dos talentos, algo que a ciência do esporte está aí para fazer. Na pior das hipóteses o clube irá recuperar seu investimento inicial em algumas vezes, na melhor revela um fora de série e monta na grana.

  • BASILIO77

    Alguns anos atrás o Inter foi ao PSJ e pagou a multa rescisória de 500 mil reais de um jovem jogador do SCCP que começava a frequentar a equipe principal, provocando a furia da direção alvinegra. Seu nome: Ji Paraná.
    Não é fácil.
    Uma curiosidade…Giuliano é do Inter ou do Sondas(DIS)?
    Abraço.

    AK: O Inter pagou 3 milhões de euros por 50% dos direitos de Juliano que eram da Traffic. Não tenho certeza, vou checar, mas creio que a outra metade já era do clube. Um abraço.

  • Marcos Vinícius

    Maurício,uma divergência:

    O salário de Ronaldo no Corinthians não é grande coisa para o padrão de um jogador como ele,se não me enagano tá na casa dos 300 mil.A fortuna que ele ganha no Corinthians vem de patrocínio ,direito de imagem, e participação em outras áreas.Só do Panamericano,por exemplo,cerca de 60% é dele.

  • Paulo sp

    Que sorte teve esse Giuliano!!!
    Quanto aos possíveis talentos desperdiçados, não tem jeito…
    Aqui isso sempre vai acontecer.

  • alex

    André, você comparou bem esse negócio com a bolsa…. o risco é tão alto, que quem não está acostumado ou não tem muita “bala” pra apostar a risco 100% acaba não ganhando quando o negócio dá certo. E o SPFC que dispensou Ronaldo porque ele era fransino demais????

    Acho que não dá pra culpar ninguém, mas por outro lado os olheiros tem que melhorar seus olhos para buscar mais talento do que força ou disposição tática nos novos atletas.

    abraço,

  • Márcio

    O INter compra os jogadores, não faz contratos malucos como outros times. O FLU tem dinheiro para trazer um monte de estrelas, mas a não segurou a sua ultima revelação, MARINHO, que também está no Inter, na espreita; por exemplo.
    O giuliano é 100% do Inter, assim como vários outros jogadores.
    Abraço

  • BASILIO77

    Sério? é uma boa grana pelos 50%, não digo que seja uma mal negocio pois deverão ter o retorno…mas é preciso ter “bala na agulha”…
    Duro foi ver meu time pagando 5 mi dolares no “futuro messi”…
    Abraço.

  • Pedro Valadares, não acompanhaste a campanha do Inter na Libertadores, né? O Giuliano não entrou em momentos mais confortáveis. Ele entrou e resolveu contra o Estudiantes, quando o Inter precisava de um gol para seguir na competição, ele marcou aos 43min do segundo tempo.

    O guri é bom, muito importante no grupo colorado.

  • Luiz Felipe

    Basilio e AK,

    O giuliano é 100% do inter, que já tinha 50% do passe e comprou a outra metade da traffic. Hoje estava sendo especulando na rádio que seria oferecida uma parte do seu passe ao sonda em troca da manutençao do Kléber até o mundial da fifa.

    Não tenho nenhuma dúvida que ele não sentiria nenhuma pressão em ser o 10 do palmeiras. Ano passado ele era o nosso 10 (d’ale em má fase) e gastava a pelota. Aliás, entre tantos, fez um gol antológico no Palestra, driblando dois jogadores em um curto espaço e mandando um balaço na gaveta.

    Como disse o Rubens acima, o Giuliano só entrou em ROUBADA na liberadores e sempre resolveu a parada. Vide o gol no estudiantes, no finalzinho do jogo LÁ na argentina, o gol contra o SPFC no beira-rio, contra o chivas no méxico, etc.

    E mesmo assim nunca fez bico, embora estejano banco pelo carteiraço do tinga. O guri é muito bom de grupo e vai muito longe. Tenho certeza que sai direto para um clube de ponta da Europa, sem escalas em clubes menores.

  • Pedro Valadares

    Rubens, acompanhei sim o Inter.Mas o Giuliano entrou no esquema ” qualquer coisa que eu fizer é lucro”. Ninguém cobrou que ele decidisse jogos. Quando isso passar a acontecer, veremos se ele tem estrutura para aguentar a cobrança que fazem sobre os jovens craques.

    O que eu quis dizer é que essa espectativa no Inter estava depositada no D`Ale e não no Giuliano. Giuliano foi só o amoleto. Apesar de ter feito grandes jogos, jogou sem responsabilidade de decidir.

    Abraços!

  • Ricardo Barbosa

    Acho que essa história do Giuliano no Palmeiras está mal contada . O Inter comprou metade do Giuliano que pertencia ao Paraná (e não à Traffic) e ficou com metade do “passe” do jogador . A Traffic detinha a outra metade . A Traffic tinha uma cláusula no contrato que obrigava ao Paraná ou seu sucessor nos direitos do jogador a vender sua parte caso houvesse uma proposta do exterior pelo jogador .Essa proposta apareceu e o Inter teve que investir cerca de R$ 9 milhões (!!!) para ficar com 100% do jogador . Essa é a história . O resto vocês já sabem .

    AK: A história está bem contada. Um abraço.

  • Adriano S.

    É aquele velho papo da história contada pelos vencedores.
    Porque dá medo relembrar que o Inter escapou no começo do ano querendo contratar o Luxemburgo e sua equipe de aspones pra ficar armando negocinhos e perdendo títulos por dois longos anos. Coitado do mineiro que ao contrário do Inter vai pro BI-Rebaixamento.

  • Palmeiras sempre deixa escapar bons jogadores. E somando ao comentário do Marcus Vinicius aponto Lulinha, ex-jogador do Corinthians. Foi o maior “não craque” que já surgiu. E não adianta falarem que ele entrou no time em hora errada, pois Dentinho veio junto com ele. Olha no que deu.

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo