CAMISA 12



(publicada ontem, no Lance!)

LEMBRANÇAS

A seleção de futebol da África do Sul dançando no túnel do Soccer City, antes da estreia contra o México. Maneira simbólica de mostrar ao mundo que a Copa de 2010 seria diferente.

O atacante norte-coreano Jong Tae Se chorando durante a execução de seu hino nacional, antes do jogo contra o Brasil. Expressão de uma emoção que não se pode entender, medir, apenas admirar.

O gol mal anulado de Frank Lampard, contra a Alemanha. Incrível coincidência histórica. Erro aceitável 44 anos atrás, jamais agora. Prejuízo ao jogo que evidencia a necessidade da arbitragem eletrônica.

A defesa do atacante Luis Suárez, nos segundos finais do segundo tempo da prorrogação do jogo contra Gana. Desespero, instinto, sacrifício. Lance que define a trajetória surpreendente do Uruguai no Mundial. Trajetória que tem, literalmente, as impressões digitais dele.

A emocionante entrada de Nelson Mandela no Soccer City, durante a cerimônia de encerramento. Surpresa que fechou uma Copa que tocará, para sempre, quem esteve na África do Sul. Oportunidade única de ver a olho nu, mesmo que de longe, um ser humano como nenhum outro.

O choro do capitão espanhol, Iker Casillas, ajoelhado, após o gol de Andrés Iniesta contra a Holanda. Prova de que apesar dos salários estratosféricos, dos direitos de imagem, das transações milionárias e dos comportamentos deletérios, o futebol produz sentimentos puros e irresistíveis. Sentimentos que são exatamente como a gente imagina.

A expressão perdida de Arjen Robben, sentado no gramado após o apito final da decisão, tentando entender como a Copa do Mundo lhe escapou num chute que raspou no pé do goleiro. A diferença entre perdedor e vencedor pode ter sido um centímetro.

O gol de Luís Fabiano contra a Costa do Marfim. Recurso, reflexo, talento. Um gol que se desenrolou lentamente, que desafiou e depois presenteou quem teve o privilégio de vê-lo.

O gol de David Villa contra Honduras. Exibição das habilidades de um atacante formidável, tão responsável quanto Casillas pela primeira Copa conquistada pela Espanha.

O gol de Carlos Tévez  (o segundo, claro) contra o México. Violência e precisão em doses complementares, para a galeria de um artilheiro que faz gols de todos os jeitos.

O gol de Giovanni van Bronckhorst contra o Uruguai. Estupendo, inacreditável, o mais belo da Copa.

O contra-ataque da Alemanha, a objetividade (até a final) da Holanda, o controle da bola da Espanha, o descontrole do Brasil.

Marcas de um Mundial que foi melhor do que se imaginava, sob quase todos os ângulos. E que, no aspecto estrutural, serve de exemplo para a Copa que pretendemos realizar em 2014.



  • leonardo atleticano

    André, as atuações do Forlan me surpreenderam muito, não esperava a regularidade, foi bem em todas partidas que disputou. O goleiro da holanda por ser desconhecido para mim, me surpreendeu. Achei uma boa copa, os africanos foram bem demais, muita alegria, muita festa. Me pareceu um povo bastante simpático e agradecido pela oportunidade de organizar um evento de tamanha magnitude.

  • Rejane

    Ainda bem que esses grandes eventos esportivos deixam marcados momentos como esses! Emocionantes e arrepiantes! Em 2012 serão as Olimpíadas que iremos desfrutar.

  • Jane

    Muito bacana esse texto. Na medida em que ia lendo me vinha à mente, como um flashback, todas as cenas que você citou. Gostei. E para ser sincera o mais legal dessa Copa foi ter conhecido o seu blog. Você escreve de um jeito muito parecido com o meu e espero um dia escrever tão bem quanto você… são textos simples e gostosos de ler. Parabéns.

  • Roberto Carlos

    André
    O Felipão estava na Africa quando anunciou a volta ao Palmeiras, como foi a repercussão junto aos jornalistas estrangeiros? acharam normal ou deixou a imagem de um certo fracasso pois se esperava um grande clube europeu?
    Abraços

  • Marcos Nowosad

    Faltou mencionar que o gol do Luis Fabiano foi mais ilegal (2 toques de mao/braco) do que realmente bonito…

  • Pedro Valadares

    André, todos falam do progresso que a Copa traz. Você já conseguiu perceber os benefícios trazidos pelo campeonato para a África do Sul? Ou você acha que é algo para o longo tempo? As pessoas que moram lá acharam que o país está melhor?

    Abraços,

  • Rita

    A Copa foi massa e deixou saudades.
    O Suarez chorando pra depois sorrir, correr e vibrar loucamente também foi um momento inesquecível.

    André, não obtive sucesso antes, mas volto a pedir…
    Fala aí do aspecto estrutural vai…

  • Marcos Vinícius

    Eu acrescentaria a esses fatos a bela cena de Maradona beijando seus jogadores após a eliminação para a Alemanha.Gostando ou não dele,temos que admitir que foi tocante.

    André,Mr.Blatter disse que aceita discutir a bola com chip.sempre concordei com esse recurso,como já disse outras vezes.Na reunião da IB que acontecerá em setembro o assunto será discutido.Blatter disse,também,que o uso de outros recursos eletrônicos estão,por ora,completamente descartados.Também já disse que concordo com ele,até no motivo citado por ele:o fator humano.

    Vc acha que será aprovado?

  • seu texto deixou os fatos ainda mais imteressantes.

  • Eric J. Hobsbawm

    “no aspecto estrutural, serve de exemplo para a Copa que pretendemos realizar em 2014.” Não dá para concordar com afirmações como essa. Segundo José Trajano, a Africa do Sul conseguiu construir dois estádios enormes próximos um do outro(não lembro quais) e que não devem ter nenhuma utilização relevante ,agora que a Copa acabou. Já Dudu Monsanto mostrou um estádio que foi todo reformado e depois descartado, não servindo nem como campo de treino para as seleções. Calçade declarou que as arenas na Africa do Sul tem a “casca” muito bonita mas, por dentro, os estádios estão longe de ser excepcionais. Juca Kfouri comentou que não há transporte coletivo de qualidade ligando as áreas mais pobres às mais desenvolvidas. Mendel bydlowski fez a melhor reportagem sobre o evento. Revelou que as pessoas removidas de suas casas por causa das obras da Copa foram confinadas em desumanas cidades de lata. Se não bastasse isso, usaram fartamente recursos públicos para preparar essa “fabulosa” estrutura e estouraram em muito a previsão orçamentária inicial. Espero,sinceramente, que nós não sigamos esse exemplo em 2014,apesar de seus desejos…

    AK: De todos os “exemplos” que você mencionou, só um tem a ver com estrutura: o que você disse que o Calçade disse. De toda forma, a Copa da África do Sul teve 4 estádios excepcionais. Soccer City, Moses Mabhida, Green Point e Nelson Mandela Bay. Não acredito que teremos arenas como essas no Brasil. Os aeroportos, especialmente o de Joanesburgo, fazem os nossos parecerem rodoviárias. As estradas são boas. Isso é estrutura. Por último, não tenho “desejos” sobre a Copa de 2014. Tenho opiniões sobre o que vi na de 2010. Um abraço.

  • Rodrigo Neves

    André,

    Você tem o link da seleção sul africana dançando no túnel do Soccer City?

    Não encontrei em lugar nenhum.

    AK: http://www.youtube.com/watch?v=ZkBBlcbng38&feature=related

    Um abraço.

  • Anna

    Só pra me corrigir: escrevi interessante errado pq usava um smartfone e o teclado é touchscreen. Estou tão desanimada com o Vasco e o BR-10 que é possível que dê uma sumida, mas continuarei lendo o blog. 😉

MaisRecentes

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo