À ESPERA DE UM JOGAÇO



E aqui estamos, no centro de imprensa do estádio Moses Mabhida, um dos mais belos da Copa.

Durban tem tempo nublado e temperatura mais baixa do que se espera da cidade “mais quente do Mundial”, como se denomina.

Quando chegamos, há cerca de meia hora, estava até garoando.

É muito diferente (e, em alguns aspectos, muito melhor) cobrir um jogo em que a Seleção Brasileira não está envolvida. Não se tem a preocupação constante com absolutamente tudo que pode ser notícia, aproveita-se melhor a satisfação de estar sentado num estádio de futebol, diante de uma semifinal de Copa do Mundo.

Alemanha x Espanha é um atraente duelo de estilos, que traduz perfeitamente a essência do futebol: um time tentando impor ao outro sua forma de jogar.

Os espanhóis, mais talentosos, cerebrais, viciados na posse de bola. Um jogo de cadência, paciência, que pretende vencer o adversário pela superioridade técnica.

Os alemães, mais fortes, mais rápidos, ótimos na bola parada e sempre armados para o contra-ataque. Um sistema cujo objetivo é superar o oponente pela supremacia física.

Mas esse time alemão tem algo mais: certos jogadores, como Bastian Schweinsteiger e Mesut Ozil, são muito, mas muito bons tecnicamente. Por isso, e por ter demolido ingleses e argentinos, a Alemanha é o “time da Copa” até agora.

Não acho exagero ver os alemães com um pequeno favoritismo, mas eles ainda não enfrentaram um time como a Espanha. Não exatamente a Espanha que vimos até aqui, mas a Espanha que sabemos que existe.

Ela pode aparecer hoje à noite aqui em Durban, o que  faria deste jogo um espetáculo.

Se Xavi, Iniesta e Villa estiverem “naqueles dias”, e os alemães não conseguirem encontrá-los em campo, a Espanha jogará no domingo em Joanesburgo.

______

Alguns dados realmente impressionantes sobre a Alemanha:

Em 17 Copas (contando essa), o time está entre os quatro melhores pela décima-segunda vez.

Nunca ficou cinco Copas sem ganhar uma. Essa é a quinta depois do último título (Itália, 1990).



  • Hey André!

    Que beleza hein!

    E sobre a Alemanha, mais um número impressiona: mesmo não tendo participado de todas as Copas, ela é a seleção com o maior número de jogos.

    Clique aqui para se divertir mais. Belo levantamento!

    Abraço!

  • Anna

    O time espanhol é fantástico no papel e meu jogador favorito, Fernando Torres, não joga, porque não está bem. Mas fazendo uma analogia com seu título e com o futebol plástico e belíssimo da Alemanha, estou à espera de um milagre, ou… à espera de um jogaço! 3 a 2 pra Espanha!

  • Edouard Dardenne

    A primeira Copa africana verá o primeiro título de Espanha ou Holanda, também o primeiro de um país europeu fora da Europa, ganho na primeira final em que não estará presente ao menos um dos gigantes do futebol (Brasil, Argentina, Itália e Alemanha). No caminho, a Holanda chega pela primeira vez com uma séria invicta tão grande e contra uma Espanha que deixa a Alemanha pela primeira vez sem ganhar uma Copa em 5 disputadas (94, 98, 2002,2006 e 2010).
    É a primeira vez que vejo isso…
    Um abraço.

  • yuri

    O André,
    Eu sei que existem os fanáticos por táticas futebolística, estratégias de defesa, analistas de joanete de jogadores etc, que vão dizer que o jogo de hoje foi bom. Dirão que foi um “jogo de xadrez”, ou uma “guerra de escolas” e por ai vai.
    Mas para mim, a melhor definição para o jogo veio do meu pai, que não perde uma partida de copa desde 58: “o joguinho sem vergonha!”. Foi isso aí, um joguinho sem vergonha. Tá, não foi ruim ao ponto de entrar para a minha seleta lista de Top 10 Calo Na Vista. Mas para semi-final de copa do mundo, foi sim muito sem vergonha.
    Vamos ver esta final.
    um abraco e está acabando,
    yuri

  • Marcos Vinícius

    Vc tem acompanhado as notícias do futebol brasileiro?Soube do que o Bruno (Flamengo) está sendo acusado?

    AK: Sim. História terrível. Um abraço.

  • Anna

    Não foi o jogaço que esperávamos, principalmente o primeiro tempo, que foi sonolento, mas deu Espanha. E o bacana é a final inédita, de dois países que nunca foram campeões. No segundo tempo a Espanha dominou o jogo e neutralizou a Alemanha que já é favorita a ganhar a Copa de 2014. E o Puyol, hein? Salvou! Xavi e Iniesta destruiram. Estou bem feliz!

MaisRecentes

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo