COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

PATÊ DE FÍGADO

Sim, esta é mais uma coluna sobre Paulo Henrique Ganso. Mas adianto uma promessa: é a última vez que falo nele. Já deu (ou melhor, não deu). A partir de hoje, sempre que o assunto aqui for a Seleção Brasileira, não citarei o nome de alguém que não está na lista final dos 23. A não ser, é lógico, que PHG apareça.

Quem perde tempo com esta página aos sábados, já leu inúmeros elogios ao desempenho do Brasil sob o comando de Dunga. Já leu que a importante missão de construir um ambiente em que os jogadores queiram estar, e gostem de estar, foi completada com sucesso. Já leu que a Seleção Brasileira é hoje, provavelmente, o time mais competitivo do mundo. E que, sob a ótica dos resultados, esta segunda “Era Dunga” é inatacável.

Escrevi e acredito em tudo isso, assim como acredito que nenhuma outra seleção (nem a Espanha) chegará à África do Sul com melhores chances teóricas de sair de lá campeã. Porque ninguém se defende e contra-ataca como o Brasil. Do Dunga. O raciocínio inverso também vale: o sistema do time é tão coletivo, tão independente de brilhantismos individuais momentâneos, que a chance do Armagedon é menor.

Menor, mas existe. Especialmente num torneio curto, influenciável por tantas circunstâncias, como a Copa do Mundo. A convocação anunciada na última terça-feira, uma das mais contestadas da história da Seleção Brasileira em Copas, tem um grande trunfo: produzirá o time mais “cascudo” dos últimos tempos, no sentido da força mental, da noção de grupo, do suor deixado na camisa. Some isso à qualidade tradicional do jogador brasileiro, e você terá percorrido metade, ou até um pouco mais, do caminho. O ponto é que dava para ser melhor.

Nesse aspecto, já falamos de Ronaldinho Gaúcho e de Neymar. A ideia é basicamente a mesma. O diferente, o imprevisível, o lance inesperado que pode mudar um jogo. Há vários argumentos contra a presença deles, todos usados na entrevista coletiva pós-convocação. Contra Ganso, pesam duas “verdades”: a inexperiência e a necessidade de excluir alguém que, aos olhos da comissão técnica, merece mais.

É necessário respeitar a formação de um grupo, os relacionamentos que se constroem e fazem a força de um time de futebol. Isso não se discute, e ficou claro na entrevista que Lucio, o capitão do time, deu recentemente a este Lance!. Ao dizer que o lobby por Neymar era ruim para o astro santista, Lucio avisou que ninguém seria convocado “de fora para dentro”. Neymar é extrovertido, saliente, tem pose de craque internacional. Talvez não se encaixasse.

Ganso? Ganso pouco fala, aparece menos ainda. Mas tem personalidade suficiente para tomar atitudes limítrofes como a cutucada em Ronaldo e a recusa a sair de campo. Tem maturidade para liderar seu time em momentos de pressão, para jogar o que jogou contra o Grêmio, no dia seguinte ao não de Dunga. Como reagiu à decepção? Colocando a bola no peito de Robinho, aos 38 do segundo tempo, na jogada do gol que tirou o Santos do buraco na Copa do Brasil. Ganso é um jovem jogador pronto.

Não, ele nunca jogou na Seleção principal. Não, não podemos prever como responderia em plena Copa. Mas a questão é: por que um técnico iniciante, cuja carreira começou pelo topo da pirâmide, usou o argumento da inexperiência para não convocar PHG?



  • Anna

    Gostei do título e do texto. Se Dunga olhasse onde está, nao usaria como critério a falta de experiencia de Paulo Henrique Ganso. Enfim, foi mais uma desculpa, acredito. Esfarrapada. Mas ele estar entre a lsita dos 30, já é um avanço. E Ronaldinho Gaúcho que deu um show ontem na vitória do Milan sobre a Juventus? Também deu um tapa com luva de pelica em Dunga que jamais deveria prescindir de um jogador de talento como ele em prol da escolinha do professor Dunga de bom comportamento e comprometimento. É isso! Abraço e bom domingo, Anna

  • Muito bom o Texto!

  • Matheus Reis

    Olá, André.

    Gostei bastante da coluna. Não consegui acompanhar a entrevista coletiva do Dunga na íntegra mas pelo que vi e ouvi, parecia mais um sábado de aleluia do que outra coisa.

    Essa seria uma pergunta pertinente ao Dunga. Como um técnico que teve que enfrentar e vencer a desconfiança da inexperiência não é solidário a um jogador inexperiente.

    Como foi pertinente a pergunta do Cícero Melo a respeito de uma possível interferência do Ricardo Teixeira na ausência de Adriano.

    Mas confesso que fiquei chateado com a segunda pergunta (?) do Cícero. Dizer que ainda bem que o Dunga não era técnico da seleção em 58 foi uma demonstração de descontrole. Talvez a frustração pela seleção não-ideal, a sacanagem do Paiva que não deixou o Cícero fazer a segunda pergunta tenham ajudado. Mas o modo como foi dito, não foi pergunta, foi ataque. Comparável ao momento Milton Neves da coletiva.

    Digo isso porque sou fã de todos na ESPN, mas esse fato me incomodou bastante. Não pude acompanhar se esse episódio específico repercutiu na ESPN. Se foi, desconsidere.

    Um grande abraço.

    Ps: Vi ontem a transmissão na íntegra de Palmeiras 1 x 2 Cruzeiro na Copa do Brasil de 1996 com você e Calçade na reportagem. Não sei se sabe, mas está disponível aqui: http://video.google.com/videoplay?docid=737453465782344216#

  • Marcos Vinícius

    Respondendo,do meu ponto de vista,a sua pergunta que fechou o comentário:
    Pq Dunga,enquanto jogador,provou ter experiência e maturidade para liderar,e tinha conhecimento técnico.
    Não sei se vc lembra,mas na copa de 98,na França,após ser derrotado pelo Brasil nas oitavas,o treinador do Chile (não lembro quem era) disse que perdeu o jogo pq não tinha o Dunga do seu lado,alguém que conseguia ler a partida,além de ser um líder nato e,taticamente falando,um jogador completo.

    Também discordo que a convocação tenha sido a mais contestada.Todos sabiam quem iria e quem não iria à Copa,o suspense ficou apenas por conta de Adriano.A mais contestada,na minha opinião,foi a de 2002,quando Felipão bancou Luisão e excluiu Romário,apesar do clamor popular em prol do Baixinho.
    E Ganso,quem é mesmo?Ganhou o que?em quais clubes jogou?quais suas experiências internacionais?
    Pra jogar na seleçlão do Dunga,tem que ter muito mais que bola.Se fosse assim,Grafite não iria,pois,bola por bola,o Adriano tem muito mais que ele.

  • Ricardo Medeiros

    André, vim falar aqui sobre o Lebron James. Acho que ele foi muito criticado (inclusive pela dupla Everaldo Marques/Ze Boquinha) pela performance no ultimo jogo contra os Celtics. Na minha opinião injustamente criticado. Num esporte coletivo não tem como um jogador ganhar sozinho, isso não existe. Embora diante de grandes atuações individuais a imprensa e a torcida costumem dizer “fulano ganhou sozinho”, isso não é verdade. O craque pode ser a principal peça da engrenagem, e Lebron é, e foi naquele jogo o principal jogador. O cara fez um triplo-duplo com quase 20 rebotes e mais de 25 pontos (salvo engano). Não dá pra fazer muito melhor que isso. O problema é que o time não ajuda!!! O Cleveland é muito fraco e pior, é mentalmente fraco. Em alguns momentos a marcação dobrava no Lebron, ele passava pra alguém livre, e esse alguém perdia a jogada. Shaquille é um ex jogador em atividade. E assim, nem Michael Jordan dá jeito. Tire Pau Gasol dos Lakers, pra ver se o Kobe ganha o campeonato sozinho. Ele penou durante anos desde o Shaq saiu de lá, e só conseguiu ser campeão qnd chegou um cara de peso como Gasol. Outro exemplo disso, e que me dá pena, é o Miami Heat. Coitado do Dwayne Wade (pra mim é o jogador mais espetacular da liga), joga sozinho! Faz grandes números e perde. É uma pena mesmo. Então, esse blábláblá todo é pra dizer que o Lebron continua sendo um dos caras na NBA e não é amarelão, agora em esporte coletivos, uma andorinha só não faz verão.

  • Klaus

    Ao contrário da lista de Dunga, o texto é irrepreensível! E é disso que depende o emprego de um jornalista. Um abraço.

  • Pedro Valadares

    E Dunga,quem era mesmo como técnico? Tinha ganhado o quê? Quais clubes treinou? Quais eram as experiências internacionais?

    E mais, o título mundial que Dunga tem em seu currículo deve-se a um fora de série chamado Romário. Que, aliás, pelos critérios de Dunga, nunca teria sido convocado.

    Então, eu pergunto, Marcos: como você pode dizer que Dunga entende tanto de tática, se ele não foi capaz de enxergar que o título de 94 dependeu de um fora série, que estava longe de ser um exemplo fora de campo?

  • Sanchotene

    Por favor, André, desconsidere as mensagens anteriores. Aprove apenas esta. Obrigado.

    O argumento de Dunga para a não-convocação de Ganso não me pareceu “imaturidade”; mas “tempo”. Visto desse prisma, o fato de Dunga ser “um técnico iniciante, cuja carreira começou pelo topo da pirâmide” se torna irrelevante. Afinal, Dunga já tem três anos à frente da Seleção, com Eliminatórias, Copa América e Copa das Confederações no currículo.

    O fato é que, para Dunga, Ganso estourou tarde demais. Tivesse jogado um pouco antes (uma ou duas convocações atrás) o que vem jogando agora, e possivelmente Ganso teria relacionado entre os 23. Ao menos, teria sido testado, como foram outros expoentes, tipo Hulk, Afonso, Filipe Luís, Fábio Aurélio, Dudu Cearense, Morais, Lincoln, etc. (Não se pode acusar Dunga de ser “fechado a novidades”.) Ganso ainda poderia ter ido à Copa caso Dunga tivesse optado por trabalhar com todos os jogadores durante a fase de preparação e esperar para fazer os cortes às vésperas da competição. Porém, como Dunga preferiu fechar com 23 desde o início, Ganso sobrou.

    Em suma, o que faltou ao Ganso foi uma oportunidade de trabalhar com Dunga ANTES da convocação final. Nada mais.

  • Daniel

    Na mosca, André!

    Comentário no meu Facebook desde quarta: “… está um pouco confuso: experiência é critério necessário para jogador mas não para técnico da seleção?”

    abraço!

  • Lucas

    Excelente o texto, sobretudo a forma da sua exposição de ideias. Só um ponto a discordar respeitosamente… Concordo que PHG está em boa fase só que não creio que Dunga (tão criticado) esteja errado em não levá-lo e não irei culpá-lo ou responsabilizá-lo de nenhuma forma em função desta atitude, se o Brasil não conseguir o sexto título mundial lá na África do Sul. Ganso vestiu uma vez a camisa da seleção brasileira “aspirante”, sub 17 ou sub 20, se não me engano, e não foi bem, decepcionou, não vibrou! Não pode ser convocado na base da pressão popular, da imprensa ou qualquer outra maneira de pressão. Além de tudo, não acho bacana culturamos jogadores que peitam seus treinadores. É um péssimo exemplo. É inexperiente sim e deve aguardar pacientemente a sua convocação que virá de toda forma, talvez com o próximo treinador da equipe mais burocrática do mundo: a Seleção Brasileira de Futebol. É burocrática fora de campo! É política… Não é o time do povo e nem da classe trabalhadora! Faz parte de um jogo de interesses internacional, de empresários de jogadores (que atuam lá fora, etc)… Não é do Povo! E não falemos mais do Ganso, heim? Até 2014, ou se alguém se machucar e ele tiver deste modo chulo, a sua “grande chance”!

  • Felipe Ribeiro

    Bom dia André,

    Ótimo texto, como sempre. Só colocaria, humildemente, uma ressalva. Na minha opinião, a história de Dunga como técnico da seleção não é tão “inatacável” assim. E a derrota humilhante nas Olimpiadas?? Na minha visão esse foi o campeonato mais importante que ele disputou à frente da seleção, afinal não é esse o único titulo que nos falta? O time jogou mal, assim como jogou mal toda a Copa América. Com a única diferença que nesse último torneio tivemos um lampejo de bom futebol na final, já nas olimpiadas fracassamos do começo ao fim.
    Por que ninguém lembra das olimpiadas??

    AK: Refiro-me à Seleção principal. Quanto à Olímpica, o fato de ser o título que falta, ou seja, de nenhum técnico ter conseguido sucesso, até alivia o que houve em Pequim. Um abraço.

  • Luiz Fernando

    André, independentemente da opinião de que se deve ou não levar o PHG para a copa (até por que eu acho q deveria), você não acha que ele está exagerando nas declarações pós convocação, contestando a opinião do Dunga? Enquanto o Neymar em suas declarações mostra que aceitou e respeita a convocação. Será que esse clamor nacional não subiu para a cabeça?

  • Sanchotene

    Re Luiz Fernando

    Bem que poderia “descer para o pé”, e ele não jogar nada contra o Grêmio…

  • Osvaldo

    O tecnico vem sendo “testado” a 4 anos, não vai estrear na seleção já em um jogo de Copa do Mundo…..

    AK: É, mas alguém apostou nele…

  • Marcos Vinícius

    Quando a CBF elaborou o perfil do treinador que iria substituir C.A.Parreira,procurou alguém que tivesse uma carreira vencedora,que entendesse de tática,que fosse disciplinador e que conseguisse administrar egos de um conjunto de jogadores que,em sua maioria,são os melhores do mundo em suas posições.

    Dunga sempre foi um técnico.Mas o era dentro das quatro linhas.Dunga era a voz do treinador em campo.Lazzaroni em 90,Parreira em 94,Zagallo em 98.A seleção mudou de treinador,mas Dunga sempre foi unanimidade,independente do treinador Dunga era imprescindível a seleção.Experiente,líder nato,disciplinado dentro e fora de campo.Dunga nunca disse para o treinador:”Não vou sair!Tira outro!”Dunga nunca esteve no centro de oba-oba algum.Em 94 Romário só foi Romário pq Parreira teve discernimento o sufuciente para colocar como parceiro de quarto do Baixinho alguém que fosse sua presença quando ausente.Sei lá da sua idade,Pedro,mas talvez vc não saiba que foi unanimidade entre os que acompanharam a seleção do tetra que,se não houvesse Dunga,não haveria Romário.

    Agora,amigo,me responda:

    O que seu comentário tem a ver com a convocação ou não de PH Ganso?

    Se tem algo,deve estar muito,muito,muito subliminar.

  • Marcos Vinícius

    Em suma, o que faltou ao Ganso foi uma oportunidade de trabalhar com Dunga ANTES da convocação final. Nada mais.

    Prezado(a)(não dá pra definir se é homem ou mulher.Logo,me desculpe por não defini-lo(a))

    Concordo plenamente!Bola o garoto tem,o que lhe faltou foi oportunidade.E Dunga não seria incoerente a ponte de levar alguém a quem nunca tinha convocado antes.

    Na mosca!

  • Marcos Vinícius

    Ah,Pedro,mais uma coisinha:

    Compre uma gramática e aprenda a usar verbos de forma coerente.

  • Márcio

    Porque cabe a ele dicidir, e ponto.

    AK: Não diga… sério?

  • Leonardo

    Prezado André, excelente colocação sobre a inexperiência do Dunga. Na lista não temos jogadores canhotos como o PHG, o Alex, o Zé Roberto, temos o Julio Cesar. Os Laterais esquerdo, jogam de meia em seus times e o provavel titular joga de meia direita. Os atacantes nenhum canhotos, os meias idem. Só rezando nesta copa!!
    Fiz uma seleção brasileira que não foram convocados.
    1- Marcos ou Rogerio ou Felipe
    2- Jonatas (Cruzeiro)
    3- Alex Silva
    4- Miranda
    6- Roberto Carlos
    5- Zé Roberto
    8- Hernanes
    10- PHG
    11 – Ronaldinho Gaucho
    7- Neymar
    9- Ronaldo ou Fred ou Kleber ou Adriano

    O que vc acha desta seleção??

    Abraços

  • Miguel Renato

    Caro André, é a primeira vez que leio sua coluna e quero dizer que vc faz jus ao sobrenome. Dito isto, faço duas observações pontuais:
    1ª) Afirmar que Dunga era inexperiente como técnico de futebol não é uma verdade absoluta, haja visto que como jogador ele teve oportunidade de aprender com os melhores, uma vez que foi titular da melhor seleção do mundo por mais de uma década e todos (aqueles que realmente conhecem futebol) sabemos que era mais que um simples “carregador de piano”, era o líder dentro e fora do campo.
    2ª) PHG é um jogadoraço, concordo plenamente, mas…desde quando??
    3 meses, 6 meses, 1 ano??? Não meus amigos, no ultimo campeonato mundial sub-20 nosso PH era reserva, isso mesmo, reserva de uma seleção muito ruim cujo o titular da posição era Giuliano, um excelente meia do Inter/RS, que até o momento não se firmou como titular ainda!
    Pra finalizar gostaria de dizer adoro futebol e acompanho tudo sobre o assunto há quase quarenta anos e nunca ví uma convocação qua não fosse contestada, ou seja, sempre haverá alguma “injustiça” e creio que é por isso que temos o melhor futebol do mundo! Abração a todos.
    Em tempo: Não sei se o Ricardo e o Marcus Vinicius se conhecem, mas, adorei os comentarios de vcs e digo que têm tudo a ver, pois, o romário de 94 era o nosso Lebron James, ou seja, a nossa “andorinha”, jamais ganharia um copa sozinho. Imaginem o baixinho jogando na seleção da Alemanha ou Itália, isso pra falar nas melhores, acham que ele ganharia alguma coisa!!??

  • Miguel Renato

    Ahh, ia me esquecendo do Leonardo.
    Meu amigo, essa sua seleção não passaria da primeira fase, Ronaldo e Roberto Carlos!!! Tá de brincadeira né???!!!
    Abração!

  • Pedro Valadares

    Boa tarde, Marcus,

    O que eu quis dizer sobre o Dunga é que, mesmo ele não tendo a oportunidade de ser treinador antes, ele chegou a técnico da seleção. então, porque PHG não pode chegar a seleção sem ter jogado nenhuma vez pelo time nacional?

    OBS.: Não vi nenhuma incoerência no meu português. Talvez vocêtenha lido rápido demais e se confundiu!

    Abs!

  • João Vitor

    Essa seleção do Leonardo é ótima… Para jogar o paulista… Só ganha do tabajara F.C. Fala sério!

    André, esse texto ficou muito bom. Parabéns! Acredito que essa seleção poderia realmente ser muito melhor do que é, mas temos como técnico um ex-jogador que nunca primou pela habilidade e agora coincidentemente (?) monta uma seleção bem a sua maneira… 312 cabeças de areas (ou seria de bagre?), laterais que jogam no meio campo em seus times e Grafite. Nada contra o Grafite, acompanhei alguns jogos dele na temporada passada e vinha muito bem, mas nessa temporada, suas atuações foram de ruins para péssima… Ah e copa do mundo se ganha jogando bola e não sendo bonzinho…Se ele quer montar um time de bons moços, começa convocando Padre Marcelo para o gol…

    Leonardo, aqui vai uma seleção de respeito:
    Goleiros: Felipe / Fábio / Bruno / Victor – Laterais: Jonathan / Leo Moura / Marcelo / Fábio Aurélio Zagueiros: Miranda / Alex Silva / David Luiz / Volantes: Hernanes / Arouca / Anderson Meias: Alex / PHG / Zé Roberto Atacantes: Kleber / Adriano / Ronaldinho(Milan) / Pato / Neymar

  • Gustavo

    Infelizmente Ganso não apareceu antes. E infelizmente também Dunga não quis arriscar, não quis apostar. Mas o fato de estar entre os 30 nos deixa ainda alguma esperança. Tomara que, caso apareça uma vaga no meio, Ganso seja escolhido e não Gaucho. Este não merecia estar entre os 30.

  • Marcos Vinícius

    Boa noite,Pedro.

    Mais uma vez:

    Quando Dunga assumiu a seleção,sua principal missão era transformar um conjunto de astros em um time competitivo.Claro que ninguém daria o emprego mais importante do mundo do futebol a um “ilustre desconhecido”,e o cargo de treinador da seleção mais vitoriosa da história do futebol mundial teria que ser dado a alguem que,digamos,preenchesse certos requisitos.Qual era o curriculo de Dunga ao assumir a seleção? Nenhum!Mas Cláudio Caetano tinha o perfil que se encaixava como uma luva para as necessidades da seleção.Tem um longo histórico de uma disciplina quase militar,entende de futebol pois,como disse anteriormente,era um treinador em campo,e sabia extamente o caminho das pedras para levar a seleção ao topo do futebol (coisa que,aliás,ele ainda não conseguiu).Tinha que ser alguém que acabasse com a bagunça que imperava fora de campo na seleção e que refletia dentro dele.Para o que se esperava do novo treinador,a CBF não viu ninguém com perfil melhor do que o anãozinho da cara emburrada e de sorriso difícil.

    Em suma:Dunga tinha o perfil desejado para ocupar o cargo que lhe foi oferecido,e total identificação com o objetivo proposto.Além de que,claro,não havia ninguém com tanta história na seleção que pudesse ser chamaddo de concorrente a Dunga.

    Ganso:

    Craque.Muito craque.Joga de cabeça erguida,desequilibra,decide jogo.Seus concorrentes são jogadores rodados,tarimbados,e que conhecem o “padrão europeu” de jogo.Ganso é um menino que ainda não teve seu batismo de fogo no futebol.Ele deveria ser uma experiência a ser feita,e o Brasil não precisa experimentar nada com a Copa pra acontecer em três semanas.

    Obs:Veja em que circunstãncias “ganhado” pode ser aplicado.

  • Pedro Valadares

    Caro, Marcos,

    Eu vou me alongar no assunto, porque acho que vale a pena. “ganhado” e “ganho” ambos podem ser empregados em qualquer caso!

    Abs!

  • Leonardo

    Prezado Miguel,

    Eu fiz essa seleção dos não convocados do seu querido DUNGA, pelo seu comentário acima, vc é adepto do futebol “dunguês” – Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano, Julio Batista, Josué, Michel Bastos, Gilberto, Doni e Grafite.

    Eu que estou de brincadeira????????

    Abraços

  • Leonardo

    Prezado João Vitor,

    Muito boa a sua seleção (Colou da minha)!!! Temos muitos jogadores em comum!! Ganharíamos somente o Paulista?!?

    Abraços

  • Rita

    Perfeito!

  • Marcos Vinícius

    Caro Pedro:

    Ganhado-participio de ganhar

    Ganho-Presente do indicativo de ganhar (eu ganho,tu ganha…)

    Se quiser,te indico uma gramática.

  • Pedro Valadares

    Caro Marcos, mais uma vez vou me estender no assunto porque acho válido o esclarecimento:

    Existe no português um fenômeno chamado verbos abundantes. São aqueles que apresentam duas ou mais formas em certos tempos, modos ou pessoa. Suas variantes mais freqüentes ocorrem no particípio.

    Ex.:absolver : absolvido, absolto
    anexar : anexado, anexo
    despertar : despertado, desperto
    gastar : gastado, gasto
    ganhar : ganhado, ganho
    morrer : morrido, morto

    O particípio regular vem, geralmente, acompanhado dos auxiliares ter e haver (na voz ativa) e o particípio irregular acompanhado dos auxiliares ser e estar (na voz passiva), devendo-se considerar que não há uma regra a ser seguida.

    Ex.: Alice tinha ganhado o prêmio de melhor cantora.(voz ativa)
    O prêmio de melhor cantora foi ganho por Alice.(voz passiva)

    Se você quiser me indicar uma boa gramática, sua indicação será muito bem-vinda!

    Abraços!

  • Marcos Vinícius

    Não preciso te indicar.Vc já colou este comentário de alguma.

    Assunto encerrado.

MaisRecentes

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo