NOTINHAS PÓS-RODADAS (e outra comemoração daquelas)



* O Santos (3 x 2 no Santo André: Bruno César, André, Wesley-2 e Rodriguinho –  31.864 pagantes no Pacaembu) não entrou em campo no primeiro tempo, e diminuiu o ritmo depois do terceiro gol. Por causa dessas falhas, o segundo jogo não virou apenas uma cerimônia de entrega de faixas. Mas não está muito longe disso.

* Elogie-se, claro, a atuação corajosa do Santo André na primeira metade. Não seria exagero (e seria interessante) se o o jogo virasse com 2 x 0.

* Terceira nota? Pô, é final: Neymar machucou o tornozelo aos 5 minutos de jogo, e o olho direito aos 29. Ele está fora (por enquanto) do jogão de quarta-feira, contra o Atlético Mineiro.

* Quarta?! Sim, quarta: PHG não fez muito mais do que a jogada do gol de empate, de André. Mas que jogada…

* Ok, seguindo…

* Acho que dá para dizer que a vitória (2 x 0 no Internacional: Rodrigo e Borges – 41.954 pagantes no Beira-Rio) sobre o rival, na casa do rival, foi a melhor atuação do Grêmio na temporada.

* Diz a lenda que a maior virada da história do Campeonato Gaúcho aconteceu em 1962. O Inter tinha 5 pontos de vantagem sobre o Grêmio, diferença que evaporou nas últimas quatro rodadas (entre elas, um Gre-Nal vencido pelo Grêmio por 2 x 0, na casa do Inter) e levou a um empate em pontos que forçou a decisão num jogo extra: Grêmio 4 x 1, campeão.

* Se o Internacional ganhar o título em 2010, o feito será comparável? Acho que sim.

* O quadragésimo título estadual do currículo do Atlético Mineiro (3 x 2 no Ipatinga: Joabe, Diego Tardelli, Muriqui-2 e Luizinho – 11 mil pagantes no Ipatingão) ficou mais próximo.

* O Atlético chegou ao décimo-primeiro jogo de invencibilidade, e parece estar acelerando no momento decisivo do primeiro semestre.

* Atlético Mineiro x Santos, pela Copa do Brasil, é a nossa versão de Internazionale x Barcelona. Forcei?

* Também estão mais perto de suas respectivas taças estaduais: Vitória (1 x 0 no Bahia), Fortaleza (1 x 0 no Ceará) e Atlético Goianiense (4 x 0 no Santa Helena).

——

Da série “Comemorações Desnecessárias”, chega este link (enviado pelo blogonauta Helton Valentin, a quem agradecemos), de um jogo do Campeonato Dinamarquês.

Explicação: o autor da peça, Bajram Fetai, é um jogador albanês que atua no FC Nordsjaelland.

Em 2006, quando era jogador do Silkeborg, o glorioso Fetai saiu na mão com alguns companheiros e foi convidado a seguir a carreira em outro lugar.

No último dia 18, ao marcar contra o ex-clube, ele encenou a “homenagem”, que certamente estava ensaiada.



MaisRecentes

Cognição



Continue Lendo

Sete dias



Continue Lendo

Em voo



Continue Lendo