TREINO É TREINO…



Chega a informação, oficial (via assessoria de imprensa da CBF), de que as emissoras de TV que transmitirão a Copa do Mundo não poderão mostrar, ao vivo, os treinos da Seleção Brasileira.

A determinação é da comissão técnica.

Minha primeira curiosidade em relação ao tema foi saciada. Os jornalistas que cobrirão a Seleção na África do Sul já sabem que encontrarão um ambiente muito mais fechado do que se viu na Suíça/Alemanha 2006.

Afinal, essa era uma das missões de Dunga.

O veto aos treinos ao vivo é a primeira indicação de que a coisa pode ser ainda mais restrita do que se imaginava.

Os treinamentos poderão ser gravados normalmente pelas equipes de televisão, o que leva a uma pergunta: do ponto de vista dos jogadores e da comissão técnica, que diferença faz se as TVs estão ao vivo ou não?

A resposta passa por dois aspectos. Em 2006, durante o período de “preparação” em Weggis, o direito de transmitir os treinos do Brasil foi negociado com uma emissora suíça. A transformação das atividades do time num evento internacional ajudou a criar o clima circense que tomou conta do pré-Copa brasileiro.

Negando essa possibilidade a todos, na África, Dunga corta o mal pela raíz.

E se não há transmissão ao vivo, não há unidades móveis de TV por perto, cabos para todos os lados, plataformas de câmeras em volta do campo, ou seja, cria-se um ambiente mais controlado.

A medida também pode ajudar o técnico a manter sua política de “privilégio zero”, lema desde que assumiu o time.

Mas o que me deixa mais curioso não são os treinos (não poder mostrá-los ao vivo afeta apenas a grade de programação das TVs a cabo), e sim como será o atendimento à imprensa.

Na Copa da Alemanha, o acesso a tantos jogadores consagrados internacionalmente era tamanho que surpreendeu os colegas de outros países.

A Seleção Brasileira falou todos os dias, antes de todos os treinos.

Um corredor no caminho entre o ônibus e o vestiário era dividido por seções: TVs brasileiras, TVs estrangeiras, rádios brasileiras, rádios estrangeiras, jornais e revistas brasileiros, jornais e revistas estrangeiros.

Invasões eram tratadas com indiferença no começo, irritação no meio, truculência no final. Lembro de um treino em Konigstein em que havia quase 900 jornalistas. Imagine o clima.

Os jogadores eram obrigados a passar, mas obviamente não tinham nenhuma obrigação de parar e falar.

Ronaldo, Ronaldinho e Kaká falavam dia sim, dia não.

Adriano falou pouquíssimo.

Os demais falavam sempre.

Não sei quais serão as regras na África, mas sei que não será como há quatro anos.

Acho que haverá algum tipo de atendimento diário, mas com jogadores previamente escolhidos, num revezamento.

Mas é só palpite.



  • Anna

    Acho trnasmitir treino muito chato. E a meu ver, essa blindagem não ganha Copa, mas se faz necessária após o período em Weggis e Konigstein. Ouvi o Trajano dizer que serão tres jogadores por vez, no Linha de Passe, ontem. Talvez! Abraço, Anna

  • Eduardo Pieroni

    Boa André, eu sei como vai ser , o Dunga fala quando ganha e quando perde é o Jorginho.

  • Transmissão ao vivo de treino é uma das coisas mais chatas do mundo! Tenho certeza que pouquíssimas pessoas ficarão tristes com isso…

  • Sempre que eu ouço sobre o Dunga e a preparação pra Copa, lembro desse cara aqui.

    Quem será o Zero? Robinho?

    Abraço!

  • Rodrigo

    Quando você fala em privilégios, refere-se a privilégios que alguns jogadores possam ter por serem medalhões ou privilégios dados a certos veículos de comunicação? Se for o primeiro, concordo que o Dunga limou. Já o segundo, não. Dar entrevista ao Sportv não teria nada demais. Mas imagino (apenas imagino) que o tratamento dispensado à ESPN, sempre mais lúcida (não confundir com “ácida”) nos comentários sobre o desempenho da Seleção, não é o mesmo dispensado aos braços da Globo.

    AK: Estou falando do segundo caso. A TV Globo perdeu muito do acesso exclusivo que sempre teve aos técnicos da Seleção. Agora, quem critica nunca é visto com simpatia. Isso não vai mudar. Um abraço.

  • MARCIO WILK

    Nenhum comentário sobre Wagner Love beijando mão de traficante??? Estranho né? Bem, quando o Julio Cesar foi flagrado pela PF trocando idéias com um traficante no morro carioca, vocês acharam normal também, esperar o que?

    AK: Esperar o quê? Por exemplo, que você só apareça aqui para fazer comentários inteligentes. Que tal?

  • Andre Luis

    Fazer voto de silêncio ou falar pelos cotovelos não faz um time campeão. Faça como na Europa, o treinador e um ou dois jogadores na véspera da partida e pronto.
    Transmitir treino ao vivo é o fim da picada. SporTV e ESPN vão precisar de tutano para ocupar a faixa de horário.

  • Leonardo atleticano

    André, acho que pode sim transmitir os treinos, a imprensa não causa alvoroço nenhum, se vc regulamenta o trabalho, creio que a maioria vai acatar, estão confundindo com a balbúrdia que foi os treinamentos na última copa. As confusões, as invasões, nada disso teve participação da mídia. O que vcs fizeram foi tomar as bagunças como causa principal do fiasco, ai estão pagando o preço também. Embora, transmissão de treino, com um monte de comentarista inventando o que falar é um saco, melhor não mostrar e apresentar matérias elaboradas.

  • Essa Copa será, de longe, a mais estressante no que se refere a relação “técnico brasileiro x jornalistas” … a não ser que Dunga termine campeão invicto, com melhor ataque e defesa…

    Muricy é uma lady para a imprensa, perto do Dunga!

  • David

    Sobre o V. Love… agora vc não pode dizer q é inapropriado pra ele comemorar gols dando tirinhos de metralhadora! haha É super natural!

    AK: Bem observado. O exemplo que ele dá é péssimo. Um abraço.

  • Anna

    E os links da Liga? triste com a eliminação do Chelsea. 🙁

  • Lucas

    Não tem nada de errado em proibir filmagem de treino. Muito pelo contrário. O errado mesmo é ficar mostrando… Os “comentaristas profissionais” deveriam se restringir a analizar os jogos, como fazem os seus “iguais” na Europa e Estados Unidos e dar menos palpites em escalações. Muita fofoca, diz que diz ou que faz…. O Brasil é o único país em que “comentaristas ditos especializados” emitem juízos e opiniões durante os jogos… Com esta prática formam opiniões mais facilmente e ainda induzem os telespectadores/ torcedores, a acreditarem em tudo o que falam… Até erro de arbitragem consegue passar despercebido quando não é interessante que seja comentado… Ridículo! Deixem o Dunga trabalhar!

    AK: Perdoe-me, mas você está redondamente enganado em relação ao que se faz em transmissões esportivas em outros países. Completamente enganado. Um abraço.

  • Lucas

    Só para lembrar… A Seleção Italiana não atendeu a imprensa se seu próprio país e os paparazzis contratados em 1982, quando o time do Telê “maravilhava” o mundo. Resultado: venceu o torneio!

    AK: A Itália também venceu a Copa de 2006, com treinos abertos e três jogadores por vez falando em entrevistas coletivas. Um abraço.

  • Heitor

    Eu espero realmente que, apesar da blindagem, a seleção faça alguns treinos abertos ao público ainda no Brasil, pois aqui em Curitiba não tivemos a oportunidade de assistir nenhum jogo da eliminatória (o Rio teve 3, alguns com público pífio). Curitiba sempre enxeu estádios em jogos da seleção, e, sendo uma das maiores e mais importantes cidades brasileiras, merece o respeito por parte da CBF de permitir o acesso aos treinos.
    Fica o pedido para que o blogueiro fale sobre isso, para que aumente nossa voz.
    Vale lembrar que o público aqui no sul é bem mais comportado do que em outras cidades brasileiras (não é crítica nem a quem é mais aberto, nem a quem é mais fechado, só característica) então penso que não haverá muito clima de oba-oba, apenas famílias e pessoas se divertindo vendo seus ídolos treinarem.

MaisRecentes

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo