COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

VENCER, VENCER, VENCER…

“Eu estava em outra realidade. Pouca gente no estádio, menos cobrança. Aqui, estou vivendo uma experiência incrível. Já passei por muita coisa, joguei em grandes clubes, disputei duas Copas. E honestamente não acreditava que pudesse sentir isso de novo, aos 33 anos.”

No papel, a declaração já transpira motivação. Por telefone, a voz do outro lado da linha não combina com um jogador experiente, vivido. Ao falar sobre seus dias como atleticano, Ricardinho soa como um garoto maravilhado pela primeira tarde num estádio de futebol. Se deixar, ele não para.

Do Qatar para Belo Horizonte, ele se transportou de uma corridinha leve na orla, para o sprint final da maratona do Campeonato Brasileiro. E está adorando cada segundo. “Eu fui tão bem recebido pelo clube, pelo grupo e pela torcida, que parece que estou aqui há muito tempo. Esse envolvimento me surpreendeu. Eu não achava que a profissão ainda me proporcionaria isso”, revela. Percebeu o padrão? São dois “isso” seguidos. Peço que ele elabore. “Cara, você sai nas ruas e encontra o torcedor. E tudo o que eles querem é agradecer pelo que a gente tem feito e dizer o quanto o título seria importante”, explica, “isso é empolgante”.

O Atlético foi um dos primeiros times a ligar para Ricardinho no Qatar. É de se supor que, no processo de sedução de alguém que não seria convencido a voltar por questões financeiras, o fator “Mineirão-lotado-pela-massa” tenha sido usado sem economia. Pergunto se a cantada foi passada muitas vezes. “Foi, eles falaram bastante sobre isso, e claro que eu tinha uma idéia, por ter jogado contra o Atlético no Mineirão”, conta Ricardinho. Mas é diferente? “Ah, cara, é. Quando é a favor, faz toda a diferença”, completa.

Ricardinho ressalta que os jogadores (além dele, Corrêa, Carini e Renteria) que chegaram ao clube no último período de transferências pegaram o galo voando. “A gente veio para ajudar no trabalho muito bom que o time já vinha fazendo”, diz, acrescentando que “todo mundo aqui trabalha para ser campeão, isso não é discurso pronto”.

Adicione a saudade de um título brasileiro, que já bate nos 38 anos, e o resultado é um ambiente contagiante, turbinado pela parte alvinegra de Belo Horizonte. “Tem sido uma experiência sensacional, estou me divertindo muito”, ele conta, pedindo para que o sentido de diversão fique claro. Para quem o ouve, não poderia ser mais evidente.

O Atlético liderou o momento inicial do Campeonato Brasileiro, mas não ficou imune à queda de rendimento que marca todas as campanhas de uma competição tão longa. Foi ridicularizado por isso, como se tivesse mudado seu domicílio para o Paraguai. Continuou olhando para a frente, e se acertou para os últimos quilômetros da corrida. “Temos condições para ganhar o campeonato”, diz Ricardinho. “Não somos os únicos, mas temos condições”.

As condições podem melhorar amanhã. Dependendo do que acontecer no gigantesco jogo contra o Flamengo, e no Maracanã entre Fluminense e Palmeiras, o Atlético pode terminar a rodada em primeiro lugar.

O rejuvenescido Ricardinho já imagina o Mineirão: “não podemos desapontar esse povo”.



  • Danilo Meiras

    E os jornalistas paulistas cada vez mais doidinhos para que o Flamengo não chegue…

    AK: Olha só… um rubro-negro com mania de perseguição. Caso raro. Um abraço.

  • Caio Mourão

    André,

    Não sei quantas vezes você já foi ao Mineirão lotado pela Massa. Você deve ter um time do coração – suponho que seja o mesmo do seu pai – e faz idéia de como é pulsar junto com um estádio.
    Mas Minas Gerais tem vivido um ano diferente com o Galo. Em tempo, claro que meu comentário é completamente passional e tendencioso para o Atlético.
    O Alvinegro é a tradição de Minas Gerais, é a família mineira, é o tropeiro no Mineirão e o frango com quiabo em todo o interior. O Galo tem uma mística sofrida em volta dele, e do seu povo.
    Minas Gerais está atenta como nunca aos passos do Atlético. Há esperança, mobilização, tem empolgação além do normal, para a já empolgada Massa.
    Adquirimos todos os ingressos para o jogo contra o Flamengo em poucos dias. Coisa que aqui em Minas, é para um lado só, hehehe…
    Estou enrolando e num cheguei ao ponto: Ricardinho está encantado porque a carente Massa está pulsando como a 10 anos atrás, e com esperanças de acabar com um jejum de quase 4 décadas.
    A Organizada já preparou um bandeirão novo, bandeiras novas, cânticos novos (que só louvam o time e não a violência), BH é um tsunami em preto e branco, o Galo tem presidente, tem um artilheiro identificado, tem química entre o clube, o elenco, e a coisa mais importante desse clube, a Massa.
    Sei lá se vamos ganhar do Flamengo, se vamos ser campeões esse ano… Mas com o novo Galo, o do Kalil, pode ter certeza absoluta, que o ATlético vai brigar todos os anos, e quando formos campeões, peça para cobrir o jogo, você vai se emocionar de uma forma diferente, pode me cobrar, te pago uma cerveja se você ficar neutro a nossa euforia.

    Um abraço, e desculpa o texto confuso, falta pouco pro clássico de 16h.

    AK: Já tive a alegria de trabalhar no Mineirão lotado várias vezes. Jogos do Atlético, do Cruzeiro, e muitos clássicos. Momentos especiais da carreira de um jornalista esportivo brasileiro. Obrigado pelo comentário e um abraço. Ah, e independentemente do que acontecer, separe a grana da cerveja…

  • Marcelo Silva Carvalho

    Belíssima coluna, André! stou te escrevendo neste momento, quando faltam 40 minutos para o jogo começar entre galo e flamengo! Mas, pra minha infelicidade stou aqui em frente ao computador quando na verdade queria estar com toda nação atleticana no mineirão gritando a plenos pulmões o hino do clube, ou simplesmente gritando: GAAAAAAALOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!

  • Roberto Carlos

    André
    Como jornalista qual a tua opinião a respeito de um repórter disfarçado a serviço de um tabloide inglês ter flagrado o pai do zagueiro John Terry vendendo cocaína em um bar? Com certeza pelo que voce sabe dos bastidores se quizesse se disfarçar também conseguiria grandes furos de reportagens, porem você é a favor?
    Abraços
    Roberto Carlos

    AK: Os tablóides ingleses costumam fazer esse tipo de coisa. Já “negociaram” votos no Comitê Olímpico e “compraram” clubes disfarçados de bilionários árabes. Se as reportagens expõem verdades, não vejo problema. Um abraço.

  • Willian Ifanger

    Bom, vai acordar a segunda em quarto.

    Não gosto nada dessa idéia do Flamengo motivado na reta final. O Maracanã fica pequeno.

    Bom, mas o importante é curtir a liderança merecida até quarta-feira….na quarta o Palmeiras (hoje garfado pelo ilustríssimo CES) ganha e rebaixa o Sport.

  • Luiz Felipe Neto

    Olha só,mais um “cronista esportivo” revelando seu bairrismo exacerbado…
    Raríssimo isso…
    Vamo Flamengoooooo

    AK: Não me culpe pela sua incapacidade de compreensão. Você provavelmente não leu (ou não entendeu) quando escrevi aqui que um título do Flamengo derrubaria o último argumento contra os pontos corridos. E como sou um defensor dos pontos corridos… mas isso é típico de quem se relaciona mal com o futebol. Um pena. Um abraço.

  • Anna

    Acho legal quando você coloca trechos de entrevista na Coluna. Acbo de voltar do Maraca com vitória do Flu. O campeonato vai esquentar mais ainda na reta final, tanto na área-vip, como no calabouço. Abraço, Anna ps. espero que teu amigo vascaíno fale da emoção que foi estar no Maraca com o acesso do Vascão!

  • Cruvinel

    nao deu para o tardelli & cia hojeeeee kkkkkkk
    a maioria achando q o mengaooo nao ir conseguir …
    mas assim ficaa mais gostosooo!
    q venha o NAUTICOO!

    BORAAA MENGAOOOO!

  • FABIO

    Que “pena”, Ricardinho! Que “pena”!

    Petkovic: Quando vamos ver uma coluna dedicada a você?

  • URUBUZÃO

    Marcelo Silva Carvalho, ainda bem que você ficou em casa e não foi ao Mineirão. Parece que o negócio não ficou muito bom para o seu galo não…
    Mengão rumo ao HEXA!!!

  • Anna

    E carlos eugenio simon é horrível, não entendo como ele á árbitro Fifa. Anulou mal um gol do Palmeiras,depois reverteu as faltas pro Palmeiras, todas. E não expulsou Vágner Love, que já tinha um amarelo. Concordo com o que o Juca escreveu no blog dele a respeito do Simon. Abraço, Anna

  • Marcos Paulo

    Errou de novo nos prognósticos. Se f….

    AK: Que prognósticos, gênio?

  • David

    Quando escreveu q um titulo do flamengo qubraria o ultimo preconceito contra os pontos corridos? estou curioso para ler! brilhante pensamento, concordo com ele…iria convencer a globo definitivamente…rs

    AK: http://blogs.lancenet.com.br/andrekfouri/2009/10/24/caixa-postal-40/

    Na última resposta. Um abraço.

  • Diogo Moraes

    André,

    Reconfigurando os meus palpites de 2 rodadas atrás.
    Campeão: Flamengo (lembra que eu falei que achava que o Atlético/MG ia ser campeão, mas as minhas simulações indicavam o Flamengo…rs. Alivia meu erro?)
    G-4: Flamengo, Sao Paulo, Cruzeiro e Palmeiras (não necessariameente nesta ordem)
    U-4: Sport, Santo André, Nautico e Botafogo.
    Um Abraço.

  • Cruvinel

    Petkovic: Quando vamos ver uma coluna dedicada a você? [2]

  • Davi

    baba ovooooo !!!

    PRA CIMA DELES NAÇÃO FLAMENGUISTAAA!

  • Marcelo Coelho

    Já existiu algum campeonato brasileiro tão disputado quanto esse?
    Todo final de semana tem final de campeonato. Todo final de semana tem disputa para não cair.

    Fica difícil defender pontos corridos…

  • Massara

    Hahaha…

    Adoro quando o galináceo dá vexame. As frangas chorando é uma imagem que simplesmente faz parte do cartão postal de BH.

    Abs.

    PS.: Maldonado aprendeu a depenar as frangas no Cruzeiro em 2003.

  • danilo

    é.. pra sua tristeza o patético mineiro monotítulo não venceu… imagina o mengão campeão??? vc nao vai nem sair de casa né… parabéns pela torcida.

    SRN

    AK: Outro rubro-negro complexado. Parece que não é tão raro. Um abraço.

  • Anjo

    Só pra ressaltar que as suspensões do Barueri foram mantidas e mesmo assim o time que perdeu do São Paulo atrapalhou ainda mais a caminhada da ferrari gaúcha. Ficam querendo diminuir a chegada do SPFC à condição de líder, falam em bastidores, insinuam que os árbitros estão “estragando” o campeonato, como se todos estivessem comprados pelo Tricolor. Haja dinheiro nos cofres do Morumbi!!! Não me admiro se disserem que até o péssimo e menina dos olhos da CBF, o Simon, foi comprado pelo São Paulo. O fato é que os outros times entregam o tempo todo, Inter e Atlético são as grandes decepções deste fim de semana, enquanto que o Palmeiras andou no Maracanã, time sem brio, sem raça, com péssimo futebol e despreparado fisicamente. Então o São Paulo segue firme, apesar do futebol apresentado, vem mostrando vontade e raça. Há méritos sim do atual tri-campeão brasileiro.

  • Ricardo Pires

    André, o Galo teve novamente espasmos de ave Paraguaia. Acho que a vaga na Libertadores está mais do que ameaçada e pelo seu principal algoz: o Cruzeiro. A derrota de ontem pode ser uma tombo do qual o time não se recuperará tão cedo.

    Outra coisa, André: eu nõ costumo comentar supostos bairrismos de imprensa, etc, até porque acho que, na esmagadora maioria das vezes, trata-se de mania de perseguição dos torcedores. Mas a home do Lancenet hoje está demais… o Palmeiras se tornou uma vítima do Simon e o Fluminense não tem méritos algum. Achei, sinceramente, de extremo mal gosto e falta de profissionalismo. Mas o Lance tem essa fama. Infelizmente. Quando o Palmeiras ganhou do Cruzeiro com ajuda da arbitragem, o site não postou nada. Deu méritos ao time e à liderança, numa euforia de torcedor.

    Entro aqui porque gosto muito do seu blog, mas, com toda racionalidade possível, acho que você merece “casa” melhor, até pelo seu perfil e trabalho sério. O Lancenet everia mesmo ficar para os Benjas da vida, que conseguem audiência exatamente por portarem-se como torcedores e não jornalistas.

    Abraço

  • Mauro Domingos

    André, interessante e diferente o título da coluna, ja q o ‘vencer, vencer, vencer’ faz parte do nosso hino…
    Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer.
    SRN.

    AK: Obrigado por ter percebido. Um abraço.

  • Marcel Souza

    Pelo jeito a massa não foi suficiente… Também fico preocupado com essa chegada do Flamengo. Mas agora que o São Paulo ficou na frente, não podemos bobear! Agora só depende de nós!

  • manoel garcez

    ANDRÉ, já que está tudo tão maravilhoso com esse TRAIRA, porque ninguém comemorou o gol com ele, já está fazendo tumulto em B.H.,
    ou trairagem

  • Custodio Neto

    caraca,

    fico impressionado com alguns comentários do flamengo e do flu acima.

    quando o Simon prejudicou o Galo em 2007, no jogo contra o Botafogo, houve uma repercussão nacional muito menor do que o suposto erro (suposto pq é discutível) da bandeirinha Ana Paula.

    e olha que o Simon errou feio contra o Galo, nem se comparando com o da Ana Paula.

    como a maior rede do Brasil é carioca, entendo normal que se projete nela mais os clubes do RJ.

    assim como a Itatiaia em BH, usa quase todo o tempo dela cobrindo times mineiros.

    mas agora os torcedores do Flu querem criticar a ênfase maior ao erro Simon do que ao futebol tricolor.

    ora bolas, o erro dele foi grave e é mais um de uma coleção de erros, em momentos importantes, donde seja natural a repercussão maior.

    mais ainda porque é o árbitro pré-selecionado para 2010.

    menos pior que ajudou o Galo!

    mas defenderei até a morte que a arbitragem brasileira precisa ser profissionalizada.

    e, enquanto isto não acontece, a CBF precisa ser responsabilizada civilmente por erros decorrentes de despreparo e imperícia dos árbitros.

    abraços
    custodio neto

  • Lucas

    Boa tarde André,

    Nada melhor que este tal de “pontos corridos”. Por mim alteraria para “pontos sofridos”. Cada um – melhor se for três – mais suado do que o outro. Se fosse como na maioria das instituições de ensino, onde a média é 60%, até o lider estaria de recuperação ou exame especial com “apenas” 57%.

    O segundo comentário deste post, do atleticano Caio Mourão, por sinal, muito bem escrito, merece alguns comentários sadiamente questionados por um torcedor rival:

    1º -Tsunami realmente foi o retrato d’amassa ontem. Invadiu fazendo imenso barulho, quebrando, incomodando, fazendo um estrago total… mas a volta foi bem mais silenciosa, tranquila e o que se houvia eram apenas murmurios e choros.

    2º – A família mineira não merece ser comparada ao Atllético, o sofrimento dela durou apenas até a inconfidencia mineira. Ela tradicionalmente conhecida como “comi quieta” não faz tanto barulho para conseguir algo, geralmente, o barulho vem depois da conquista.

    3º O tropeiro do mineirão não é uma massa. É feijão tropeiro, é mais Cruzeiro, a carne ou é de porco ou é de gato, ambos mamiferos, igual a raposa. Não tem, no mineirão, tropeiro com galo, que tem a carne dura feito pau de onde a mesma ave dorme, no puleiro.

    Rivalidade a parte, o atlético pela primeira vez participa no bloco de cima no sprint final do brasielirão. É ótimo para discussões e apostas nos milhares de butecos de BH…

    Imagina os dois clubes se encontrando numa fase de mata-mata da libertadores! Nunca havia pensado nisso – por culpa deles… Acontecendo isso, ano que vem ou depois, espero ver o Ceú Azul brilhar, como na indonésia, após mais um barulhento e triste Tsunami.

    Abraço

MaisRecentes

São Paulo joga, Corinthians soma



Continue Lendo

Sqn



Continue Lendo

Gato



Continue Lendo