NOTINHAS PÓS-RODADAS (e o último tango será em Montevidéu)



Mais uma oportunidade perdida pelo líder, de aplicar uma chave de perna no BR-09.

Mais uma vez, os perseguidores também falharam.

O Flamengo está a míseros dois pontos da área-vip.

E o Cruzeiro vem que vem.

As notas da vigésima-nona rodada:

* O atacante Alan é uma das poucas coisas boas que aconteceram no Fluminense (2 x 1 no Santo André: Alan, Fred e Camilo – 2.029 pagantes no Bruno José Daniel) em 2009.

* Como são baixos os públicos em Santo André…

* De orelha quente, o Corinthians ganhou (2 x 1 no Grêmio: Ronaldo, Elias e Rever – 19.410 pagantes no Pacaembu) após cinco rodadas. E saltou quatro posições.

* Felipe fez no mínimo três defesas que foram como gols.

* Adriano certamente fez falta lá na frente, mas sua ausência não impediu o Flamengo de merecer a virada (2 x 1: Hernanes, Petkovic e Zé Roberto – 57.210 pagantes no Maracanã) para cima do São Paulo.

* O São Paulo não perdeu por causa da arbitragem, e sim porque ficou olhando Petkovic jogar – assim como tinha feito com Marcelinho Paraíba.

* O Grêmio Barueri (2 x 1 no Coritiba: Márcio Careca, Bruno Batata e Thiago Humberto – 15.864 pagantes no Couto Pereira) foi aquele “chato” que se encontra em todo o tipo de festa. E atrapalhou a programação do centenário do Coxa.

* Após a derrota, o Coritiba voltou a sentir a força do campo magnético do calabouço.

* Um gol aos 44 minutos do segundo tempo evitou a derrota do Internacional (1 x 1 com o Atlético Paranaense: Patrick e Alecsandro – 21.605 presentes no Beira-Rio) em casa.

* Se vencesse, o Inter seria vice-líder.

* No reencontro com o time que lhe impôs a pior derrota da temporada (e com o técnico Vagner Mancini), o Santos (0 x 0 com o Vitória – 23.673 pagantes no Pacaembu) adentrou a “zona do limbo”.

* O G-4 está sete pontos acima.

* O Botafogo permanece fora do U-4, após buscar um empate (2 x 2 com o Avaí: Emerson, William e Victor Simões-2 – 33.641 pagantes no Engenhão) que tinha toda pinta de derrota.

* O extra-campo foi um peça publicitária que serve tanto para a Copa de 2014 como para a Olimpíada de 2016: confusão (superlotação, gente sem ingresso entrou, gente com ingresso ficou para fora…) com torcedores no Engenhão.

* Terceira rodada sem vitória do Goiás (1 x 1 com o Sport: Léo Lima e Luciano Henrique – 9.621 pagantes no Serra Dourada), que só não foi mais prejudicial porque ninguém acima dele venceu.

* O ponto ganho pelo Sport devolveu a lanterna (mas pelo número de vitórias) ao Fluminense.

* A vitória no clássico de BH, além do lucro da rivalidade, deixou o Cruzeiro (1 x 0 no Atlético Mineiro: Wellington Paulista – 45.959 pagantes no Mineirão) a cinco pontos do G-4.

* Pela segunda rodada seguida, o Atlético perdeu a chance de ganhar terreno na área-vip.

* O líder caiu (Náutico 3 x 0: Cláudio Luiz e Bruno Mineiro-2 – 17.027 presentes) nos Aflitos e só pode reclamar dos próprios erros. Mas não pode reclamar dos outros resultados.

* A aposta aqui continua sendo que o Náutico, por questão de know-how, não cairá para a Série B.

______

* O Vasco (1 x 1 com a Ponte Preta: Evando e Carlos Alberto – 3.712 pagantes no Moisés Lucarelli) não vence há três rodadas na Série B.

* A diferença para o vice-líder (Guarani) é de apenas um ponto. Mas a vantagem para o quinto colocado (Figueirense) é de nove.

______

Na próxima atualização dos dicionários da Língua Portuguesa, ao lado do verbete “Épico”, alguém precisa colocar uma foto e a crônica da vitória da Argentina sobre o Peru, no sábado.

Pela tormenta impressionante que embaçou a imagem e tornou quase impossível o manejo das câmeras de TV no Monumental de Nuñez. Pelo futebol burocrático que impediu a Argentina de superar tranquilamente um time ruim como o do Peru. Pelo empate sofrido no fim do jogo. Pelo gol da vitória nos acréscimos.

Que não se deixe de frisar, é claro, que Martin Palermo estava completamente impedido.

Mas a atualização do verbete só deve ser feita depois da próxima quarta-feira. Porque Uruguai x Argentina promete quantidade semelhante de drama.

O exercício de futurologia feito no final deste post, um mês atrás, mostrou-se correto. Não era nada muito difícil de se prever, é lógico.

A Argentina precisa empatar, o Uruguai precisa ganhar. E o Equador ainda tem esperanças.

Uruguai x Argentina e Chile x Equador, ambos às 19 horas, são jogos absolutamente obrigatórios.

E o Brasil?

Ah, o Brasil perdeu nas alturas de La Paz, onde o o atacante Juan Carlos Altitud (curioso que não haja nenhum gigante europeu de olho nele…) faz da seleção boliviana um time poderosíssimo.

Duas opiniões:

1 – Se o jogo valesse algo além da invencibilidade de 19 partidas, acho que a Seleção não perderia.

2 – Para os jogadores que ainda lutam por uma vaga no grupo que irá à Copa, jogar futebol no céu não é exatamente uma “oportunidade” de mostrar serviço.



MaisRecentes

Cognição



Continue Lendo

Sete dias



Continue Lendo

Em voo



Continue Lendo