COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

DAQUI A SETE ANOS…

A grande questão em Copenhague era se o companheiro Obama faria a diferença. Se o primeiro presidente americano na história a ir a uma sessão do COI, para pedir a chance de sediar os Jogos Olímpicos, seria capaz de decidir a eleição com seu sorriso.

Enganou-se quem pensou que Barack Obama pegou o Air Force One e fez um bate-volta até a Dinamarca, só para buscar a Olimpíada de 2016. Como se fosse apenas uma questão de massagear o ego dos membros votantes com sua carismática presença. Se o havaiano Obama não passasse quase cinco horas em Copenhague, a derrota de Chicago seria ainda mais feia.

O Comitê Olímpico Internacional não exige a presença de chefes de estado em suas sessões decisivas. Mas não rejeita o prestígio que ela significa. E desde que Tony Blair foi até Cingapura pedir votos para Londres 2012, e ganhou, quem fica em casa pode ser responsabilizado pelo fracasso. Não foi por vontade de conhecer a América Central que Vladimir Putin esteve na Guatemala, dois anos atrás, para levar os Jogos de Inverno de 2014 para Sochi, na Rússia. E não foi para conhecer o campinho em que os irmãos Laudrup deram os primeiros toques na bola que Lula e demais colegas foram a Copenhague.

Mas o companheiro Obama apenas passou pela capital dinamarquesa. Seu avião pousou às 08h10 e decolou às 12h55. Alguns membros do COI podem ter achado “business” demais. Mesmo porque os outros líderes estavam lá há mais tempo. Lula, desde quarta-feira.

Numa das entrevistas que concedeu nessa semana, nosso presidente disse que o Brasil mudou, que hoje não vamos a essas disputas nos sentindo como cidadãos de segunda classe. Pode ser verdade. Mas deve haver uma razão para que o COI tenha tomado a “decisão ousada” (como pediu Nuzman) de entregar os Jogos ao único país, entre os quatro finalistas, que é de segunda classe, esportivamente falando. Ou terceira.

O que temos no Brasil são autoridades esportivas que, até hoje, só pensaram no final da fila. Ontem, o COI as autorizou a dar uma festa bonita, moderna, num apartamento em que há infiltrações, a descarga não funciona, a luz é gato e a geladeira está vazia (não estou falando do Rio, mas do Brasil). Vão gastar e gastar para reformar o apartamento, apostando na “melhora da autoestima” do morador esfomeado. Tomara que dê certo, mas o dinheiro precisa ser gasto exclusivamente na reforma.

Foi muito boa a apresentação da candidatura carioca, que mostrou um competente plano de realização da Olimpíada. Embalada por um emocionante vídeo que saiu da mente brilhante do cineasta Fernando Meirelles, autor, veja só, de “Cidade de Deus”. Somos mesmo o país dos contrastes.

Um país que será o quarto, em todos os tempos, a emplacar Copa do Mundo e Jogos Olímpicos na sequência. México, Alemanha e Estados Unidos foram os outros.

Que a primeira Olimpíada realizada na América do Sul seja histórica em outros aspectos. Que aconteça num Brasil realmente mudado, transparente, em que o dinheiro de quem paga imposto seja usado com probidade, e a corrupção seja punida.

Em nome da nossa autoestima.

______

AVISO AOS DESPROVIDOS DE ARGUMENTOS E PROTOZOÁRIOS VIRTUAIS: comentários baseados em “bairrismo” e outras idiotices serão imediatamente dedetizados.

O espaço é para debate, para quem tem opinião e consegue expressá-la.

Quem não consegue deve procurar outro lugar.



  • Lucas Medeiros

    Bom Dia Andre,

    Muito se falou sobre o efeito benefico que pode acontecer para o Rio,daqui a sete anos, usa-se o exemplo de Barcelona que antes dos Jogos nao se compara com o que ‘e atualmente, as minhas qustoes sao a seguintes.Qual a diferenca do Rio-09 para Barcelona-86 e quais os grandes desafios que foram alcancados com sucesso por la e se temos muito diferenca no cenario, pois a divida(no caso investimento) dos jogos por eles ficou em 20 bilhoes em valores atuais certo,mesmo com a diferenca do nosso jeitinho e burocracia,podemos pensar que o Rio pode ser um sucesso de publico e para o turismo?

    Abracos de um turismologo bem esperancoso pro melhor(modo otimista muito on)

  • Anna

    Gostei do termo “protozoários virtuais”. Bem, a belíssima coluna do Calazans de hoje no jornal O Globo falando da felicidade do carioca se encaixa com o que você também abordou aqui de forma sensível e feliz do nosso sentimento a despeito de todo o senso crítico que deva existir. É uma grande chance, se não estragarem tudo, de recuperarmos nossa autoestima. Grande abraço, Anna

  • Daniel

    Lá vem sete anos de roubalheira, obras faraônicas superfaturadas e sem licitação depois abandonadas, a tapioca no cartão corporativo do governo liberada, bilhões do dinheiro público mal-versado em vez de investimento em educação, saúde, segurança pública…

    O mais obsceno: o projeto da Olímpiada na Barra da Tijuca, digo no Rio, vai custar mais caro do que seria em quaisquer duas das outras candidatas juntas!

    E antes que acusem de bairrismo: sou paulistano e acho que São Paulo jamais deveria ter as Olimpíadas, o Rio é a única cidade do Brasil que um dia deveria tê-las, mas não assim, não agora, não na mão desses safados. Preferia Rio 2028, com uma cidade e país decentes!

    Parabéns Nuzman, Orlando Silva et caterva, podem começar a tirar os mendigos da cidade, pintar as ruas, “pacificar” as favelas…

  • J.DOMINGOS

    o “Os mais entendidos diziam que o GALO não tinha elenco”.
    o Aqueles que verdadeiramente acompanham os times do brasileirão, conhecem os jagadores, entendem de futebol, com certeza têm assistido aos jogos do GALO e já devem ter reformulado aquela opinião de que o GALO não teria “GARRAFA VAZIA PARA ENCHER” na reta final do brasileirão.
    o Embora seja difícil, senão impossível, uma análise imparcial aos olhos de um torcedor, consigo eximir-me daquela “cegueira de torcedor”, coisa que muitos “expert” não conseguem fazer, infelizmente, e enxergo, claramente, que o GALO, junto com os outros quatro primeiros, esta sim na disputa pelo título do brasileirão.
    Se não vejamos;
    -Goleiro reserva -ARANHA
    -Lateral direito reserva-COELHO
    -Zagueiros reservas- BENITES; WELTON FELIPE; BRUNO
    -Lateral esquerdo- SACI
    -Meio de campo reserva-RENAN; SERGINHO; TCHO; RICARDINHO; JUNIOR
    Atacantes reservas-RENTERIA; ALESSANDRO; PEDRO OLDONI;
    O time titular é: CARINI,CARLOS ALBERTO,JORGE LUIS,WHESLEY;TIAGO FELTRI; JONILSON;MÁRCIO ARAUJO;CORREA, EDER LUIS e TARDELLI.
    Treinador: Celso Roth ( vice campeão, injustiçado, de 2008).

  • Carlos

    Muito sensata tua posição. Que a mídia saiba fiscalizar e denunciar as irregularidades que ocorrerem. Agora, torcer contra porque “vão meter a mão!!!” é um argumento sem fundamento: como faríamos então com os hospitais, escolas, estradas, usinas, etc.. que o Brasil precisa? Vamos parar de construir?

    AK: Não torço contra. Um abraço.

  • Cleverson

    Realmente preocupa em um país com tantas carências e que em um passado recente mostrou, no mesmo Rio de Janeiro, uma incapacidade de gerir minimamente um orçamento, ter a oportunidade de “organizar” um evento tão grande. Agora ganhou (o COB) essa oportunidade, realmente espero que seja diferente, na organização diferente, mas principalmente na gestão do esporte de base que forma futuros campeões, mas principalmente cria um cidadão melhor, cidadão este que como todos nós deve fiscalizar como tudo isso ocorrerá (neste ponto a imprensa tem papel fundamental), até porque tem dinheiro nosso na cumbuca.

  • Jean Guizzo

    Boa tarde, André! Falando no filme, você poderia deixar um link pra que todos acessem o Rio de brincadeirinha… abraços!

  • luLa_dodói

    Não consigo entender como alguém pode ficar feliz vendo a mesma gang que comandou o Pan comemorando na Dinamarca…Mesmo que a imprensa, TCU, MP, PF, FBI, CIA ou o MIB investigue, é fato que não é permitido punir corrupção no Brasil.

    E todo mundo sabe bem disso.

    E não da pra comparar copa do mundo e olimpíadas com a construção de hospitais, escolas, estradas, etc…

    Mas quem quiser bater palma pro dono do COB enrolado na bandeira brasileira que fique a vontade…

    Ficou fácil entender como pode variar o índice de popularidade das figuras públicas…por qualquer besteira…

    é nóis, mano. demos uma lição nos gringos imperialistas…

    Aliais, entendo muito bem como alguém pode ter ficado feliz vendo aquela corja em Copenhagen…

    São os marxistas, populistas, ufanistas …

  • Eduardo

    As Olimpiadas serão muito importante sim para o Rio de Janeiro. É bom frisar que o estado do Rio vive um belo momento economico , com bilhões e bilhões de reais em investimentos previstos para os próximos anos. A construção da mega usina siderurgica CSA mais a recém inaugurada usina da Votoratim , farão do estado o maior produtor de aços da América do Sul. A atividade portuária cresceu e muito. Além dos já consolidados Porto do Rio e o de Sepetiba , teremos em breve o Porto do Sudeste e do Porto do Açu , ambos do empresário Eike Batista , também colocarão o Rio na ponta no setor portuário. A industria naval , sempre um dos pilares da economia do estado , ressurgiu com força no começo desse século , após falir nos anos 80.

    A construção do Comperj ( complexo petroquimico do estado do Rio de Janeiro ) , na região de Itaboraí e Maricá , com investimentos de mais de R$ 15 bilhões , transformará o estado num forte produtor de derivados de gás e petroleo.

    Depois de privatizada , a Vale duplicou o número de funcionarios na cidade.

    O setor de telecomunicações foi outro que sofreu um forte impulso com as privatizações. Sede das maiores empresas do setor do país , o Rio se tornou o maior polo do setor no continente. O setor de petroleo , mesmo sendo baseado na região de Campos e Macaé , faz da cidade maravilhosa e olimpica , a base dos QGs das grandes empresas.

    O setor automobilistico , que nunca teve base no Rio , hoje faz o estado sediar a Citroen-Pegeout e a fabrica mundial de carrocerias de onibus e caminhões da Volks.

    A cidade do Rio de Janeiro está se fortalecendo também como um importante polo no setor de seguros. Das 12 maiores empresas do setor no mundo , seis delas irão fazer seu QG na América do Sul aqui no Rio.

    O mega investimento que o grupo do Eike Batista está fazendo no norte do estado , o Complexo Portuario do Açu , será responsavel por uma das maiores transformações em uma região no país. Será construido o maior minerioduto do mundo , que fará o transporte do minério de Minas para o Porto do Açu , que terá ainda uma cidade industrial , com várias empresas ligadas ao setor de aço , montadoras de carros e outras.

    As estimativas da FIRJAN e do IBGE mostram que o peso do estado no PIB nacional irá subir mais de 35% real em seis anos. Ou seja , passaria , em percentuais de hoje , dos atuais 12% para 17% do PIB nacional.

    Tudo isso se reflete no mercado imobiliario carioca. Apartamentos em bairros como Leblon , Ipanema , Lagoa , Gavea e Jardim Botanico , por exemplo , não sai por menos de R$ 10 mil o metro quadrado. E isso para prédios construidos nos anos 60 , com uma vaga na garagem apenas. O Ronaldo Fenomeno teve que desembolsar R$ 16 milhões para comparar um apartamento de 800 metros na praia do Leblon , com apenas duas vagas de garagem e num prédio construido em 1956.

    O investimento feito pela prefeitura no estádio Engenhão foram muito importantes para o desenvolvimento de uma região toda que estava completamente esquecida pelas construtoras. Vários condominios estão sendo erguidos em areas próximas , revitalizando uma região que estava degradada.

    Não tenho dúvidas de que a Copa e as Olimpiadas serão muito importantes para o estado e para a cidade do Rio. Irá alavancar outros diversos investimentos , dará ainda mais destaque para o Rio na mídia e servirá , de vez , para encerrar um triste ciclo que tivemos por aqui , que começou nos anos 60 e se aprofundou depois de 1974 com a fusão da Guanabara com o estado do Rio.

    Ao longo do segundo governo do Brizola , o estado do Rio chegou a perder a segunda posição na composição do PIB para Minas Gerais. Passados 15 anos , o Rio recuperou essa posição e abriu 20% sobre o estado mineiro. Ultrapassou os 12% enquanto MG está com 10%.

  • Argumentos. A Olimpíada é um grande negócio para o Rio e o Brasil. É isso. Negócio. Show-business. Não tem nada a ver com desenvolvimento esportivo.
    Quem sempre foi a favor do Rio 2016 não acha necessariamente que Olimpíada é panaceia. Assim, esse tipo de contra-argumento deve ser coisa de… como é mesmo? ah, achei – protozoários virtuais.
    Comparar os dispêndios com infraestrutura para a Olimpíada com as óbvias carências brasileiras ou é ignorância ou é má-fé. Além de trazerem benefícios diretos para a população do Rio, não são gastos, e sim investimentos, como comprovam vários estudos sérios disponíveis na net, não achismo arrogante, uma (como é?) idiotice que precisa ser… deixa reler o termo elegante… dedetizada.
    Ah, mas vão roubar. Argumento, com é mesmo? de protozoário. É o denuncismo profético, nova modalidade do udenismo pós-moderno.
    Qualquer um pode achar que você é bairrista, André. Você não está acima do bem e do mal. Ao contrário, mostra-se muito desprovido de argumentos.
    Permite a ilação.
    E sua reação às críticas só mostra prepotência, despreparo e deselegância.

    AK: Vamos lá, porque você parece querer conversar: Olimpíada não tem nada a ver com desenvolvimento esportivo? Bem, acho que temos conceitos diferentes. Mas vamos seguir: não comparei o investimento nos Jogos com carências brasileiras, portanto a acusação de “ignorância ou má-fé” não vale. Apenas acho que a atual turma pode fazer o que fez com o Pan – gastar dinheiro público a rodo, sem a devida prestação de contas. As iniciativas não precisam ser excludentes, mas não digo que o governo deveria pegar esses 30 bilhões e gastar em outras áreas. Só digo que o gasto tem de ser transparente e honesto. Não tenho dúvida nenhuma de que o Rio tem muito a ganhar com a Olimpíada, e, uma vez a Olimpíada garantida ao Brasil, não vejo cidade melhor para recebê-la. Mas não tenho nenhum motivo (e, desculpe, não acredito que você tenha) para acreditar no mesmo pessoal que fez o que fez com o Pan. Mostrar que o rombo no orçamento do Pan deve ser explicado, que há dezenas de processos no TCU, que já há decisões obrigando essa turma a devolver dinheiro não é “denuncismo profético”, é estar alerta por um exemplo bem recente e bem grave. E mesmo que seja difícil de entender, é meu papel como jornalista. Qualquer um pode achar que eu sou bairrista? Claro, qualquer um pode achar o que quiser. Ocorre que está escrito que minha preocupação é com uma Olimpíada no Brasil, independentemente da cidade. Seria contra se fosse em qualquer capital brasileira. Quem acha que eu estou mentindo, não precisa vir aqui, não faz falta. E isso nada tem a ver com “estar acima do bem e do mal”, tem a ver com não estar disposto a lidar com quem não quer debater. “Desprovido de argumentos”? De novo, temos conceitos diferentes. Meus argumentos estão nos posts que escrevo e nas respostas a comentários que justificam este espaço, como o seu. E as respostas, aqui, são dadas no mesmo tom dos comentários que chegam. Os posts relacionados à Olimpíada (assim como os outros temas) estão repletos de opiniões diferentes das minhas, todas publicadas. Não acho que essa seja uma reação prepotente ou deselegante. E sei que não é despreparada. Um abraço.

  • Joao Luis Amaral

    Fala, André!
    Honestamente, eu gosto da idéia de ter os Jogos realizados no Brasil, mas não poderia deixar passar, claro, a responsabilidade que um evento deste tamanho traz. Não estou falando de ‘fazer bonito’, porque temos talentos de sobra para isso. Mas a responsabilidade de planejar, executar e manter PÓS JOGOS, um legado digno ao povo não somente do RJ, como de outros Estados por tabela.
    É uma chance real de, finalmente, termos investimentos sérios na tão sonhada melhoria de vida para inúmeros cidadaos, oportunidades de empregos…
    Abs.
    Joao Luis Amaral

  • Joao Luis Amaral

    Ah, só para deixar claro que, como LEGADO, entendo obras de infraestrutura, transportes públicos, saneamento básico, hospitais, etc… não tem nada a ver com estádios, arenas, ginásios…
    Abs.

  • J. Domingos,
    Acho legal quando companheiros de fora do foco da mídia trazem informações sobre aquilo para qual não estamos acostumados a olhar, como faz você agora e o Renato Mello. Isso nos força a aprender, olhando para aquilo que não conhecemos. Mas o que lamento, é que essas informações geralmente vém carregada de ódio, raiva, e um sentimento de inferioridade que não tem razão de existir. Vejamos: Você acha que esses jogadores citados por você já não figuraram em times da “mídia”, como diriam vocês? Você acha que não conhecemos Ricardinho, Coelho, Correia, Aranha, Tardelli, Júnior, Eder Luís? Eles são da categoria de base do Galo? Não, são jogadores que já jogaram nos nossos times, e que por uma razão ou outra não acrescentaram tudo que podiam, ou simplesmente tinham capacidade para acrescentar. O chato dessa situação é quando vocês pedem que olhem com carinho para seu time, mas acusam quem não faz isso de bairrismo, pensar pequeno. Olha: Eu já vi torcedor do Santa Cruz, durante a melhora de morte na série A (Quando um time que já está rebaixado moralmente, como América-RN, o próprio Santa Cruz e agora o Fluminense, ganha 2 ou 3 partidas seguidas), acusar jornalismo de bairrismo por não considerar a hipótese da “reabilitação” trazer o título do campeonato, ou pelo menos uma vaga na Libertadores. O detalhe era que nem as 2 ou 3 vitórias haviam tirado o clube da lanterna. Outro exemplo é a torcida do Sport, que só faltou pedir o desligamento de Pernambuco da Federação, cobrando do jornalistas do “eixo” como eles mesmo dizem, reconhecer um tamanho que o Sport nunca teve, com todo respeito a agremiação centenária, só por causa de uma boa fase já vivida pelos gigantes Paulista de Jundiaí e Santo André. Amigos, esses jogadores não nasceram no Galo, e nós já sabemos o que eles podem fazer (E principalmente, o que não conseguem fazer). Acho legal a reestruturação do clube para qual eu nutro muita simpatia. Mas paramos por aí: Esse mesmo clube não tem uma chegada muito boa em reta final de Brasileirão nos últimos 10 anos. Acho que mantido o pensamento atual, o Galo é um sério candidato a título nos próximos anos, mas ainda tem muito mais a provar do que provado.

    Abraços,
    Alessandro, que secou tanto o Rio,em vão, e agora queria pelo menos que São Paulo não fosse sede da Copa do Mundo.

  • Ricardo Medeiros

    André, olha essa notícia… http://esporte.uol.com.br/ultimas/bbc/2009/10/04/ult6890u40.jhtm

    Parece que já começamos mal…

  • Ricardo Medeiros

    A farra vai ser grande…

  • Gabriel

    RECALCADO!

  • Rafael Tamashiro

    Comparando o Pan 2007 às Olimpíadas 2016, por ter visibilidade internacional a última terá uma fiscalização monstro e aí acho que as coisas serão bem feitas. Uma vigilância internacional, no caso do COI, e de toda imprensa internacional, espanhola principalmente, se encarregará de coibir ou investigar irregularidades. Mas entendi o critério de merecimento: o Brasil não merece receber uma Olimpíada pois os organizadores são corruptos e falta um comprometimento com o esporte. Não seria essa a oportunidade que faltava para justamente atacar esse câncer de modo mais público e verdadeiro?

    AK: Tomara. Um abraço.

  • Marius Pacheco – Curitiba – Pr

    Sou radicalmente contra o DESPERDÍCIO do dinheiro público ( nosso suado dinheirinho arrecadado através da sede cada vez maior do Leão em nos cobrar impostos ) , mas , ao mesmo tempo , sou favorável ao INVESTIMENTO no esporte e na juventude , que com certeza comandará este país lá na frente , afinal , esporte é educação e esporte é cultura ! E uma nação para mudar de verdade deve ter na educação e no esporte suas molas mestras ! ! Como sou um otimista por natureza , acredito que essa Olímpiada no Brasil , pode ser o COMEÇO DE UMA GRANDE VIRADA EM NOSSA CULTURA subserviente e corrupora / corruptível ! ! P.S. Não aguento mais esse negócio de Rio de Janeiro X São Paulo , O Brasil é bem maior do que isso ! ! Essa briguinha de lavadeiras é ridícula ! ! Vamos começar a pensar nesse país como um todo , pelamordedeus ( tudo junto mesmo ) ! !

    AK: Onde assino? Um abraço.

  • Renato

    Andre,
    Nao sou bairrista, mas infelizmente assumindo essa posicao agora eu lhe pergunto. Vamos dizer que tudo de certo, que tudo seja fiscalizado e transparente e que a cidade do Rio de Janeiro realmente seja beneficiada dessa panaceia que sera as Olimpiadas la. Quem pagara a maior fatia da conta? Os contribuintes de outros estados que nao se beneficiarao em nada com essa Olimpiada na cidade do Rio e pior, deixarao de receber repasses do Governo Federal que ja nao sao la grande coisa evitando assim que os problemas locais de sua regiao possam ser tratados de uma maneira melhor. Realmente uma coisa de louco isso! Me pergunto, como alguem que mora no Maranhao, um dos estados mais pobres da federacao, pode apoiar esse evento. O que vai trazer de beneficio ao Maranhao? O que vai ser feito pra erradicar a pobreza por la? O dinheiro que normalmente eh enviado para la, vai sofrer um corte… ou seja, melhorar nao vai.
    Esse negocio que as Olimpiadas sao do Brasil eh conversa pra boi dormir. Essa Olimpiada so trara beneficios a poucos que se beneficiarao da famosa falta de fiscalizacao e punicao e os moradores da Barra, pq na Rocinha ou em outra grande favela da cidade nao vai mudar nada.
    Sera que o Meirelles vai chamar o pessoal de Hollywood pra fazer algum tipo de efeito especial pra sumirem com as mazelas sociais existentes ou vao gastar uma grana com o ilusionista David Copperfield mesmo?
    E antes que alguem fale que eu estou com inveja disso ou daquilo, repito o que disse em outro post. Nem no Brasil eu moro mais, mas eh facil de ver que em qq cidade que o evento fosse realizado (Sao Paulo, Curitiba, Recife, Florianopolis, Fortaleza) os problemas seriam ao meu ver exatamente os mesmos. Poucos beneficiados e o pais no buraco.
    Abraco

  • David Pimentel

    Será que a Record irá vender os direitos de transmissão das Olímpiadas para à Globo? Será que a emissora carioca não está dando um tiro no pé, promovendo tanto um evento que pode não transmitir?
    Um abraço André, e torço para que jornalistas sérios como vc continuem nos ajudando a fiscalizar esse mar de lama que se chama Brasil.

  • leonardo atleticano

    André, sei que fechar um orçamento com sete anos de prazo é coisa impossível de se fazer, se a idéia inicial é de quase trinta bilhões, ultrapassar essa meta é uma coisa natural. O medo é se o erro for das proporções do Pan, com gastos dez vezes maiores que o previsto, aí, estaremos falando em 300 bilhões, parece loucura um erro desse, mas foi o erro de cálculo que aconteceu no Pan, o Rio com certeza é a cidade mais bela do País, mas tem os maiores índices de bandidagem, falta de seriedade pública e desrespeito as leis e regras, vamos torcer para que no final, a balança entre o bom e o ruim fique pelo menos equilibrada.

  • Ricardo Pradas

    Ao Carlos e Joel Bueno: porque é má fé querer que tenhamos um ensino melhor e saneamento básico melhor (que se traduz em saúde) não pode ser comparado. Lógico que há o orgulho de receber eventos como a olimpiada e a copa, mas a diferença caros e que investimento em infra-estrutura e saneamento básico, e que táis não aparece , não é vistoso.
    Estas pessoas que organizaram o Pan, e sem pensar nos gastos: porque não fizeram um complexo aquatico que pudesse ser ampliado e servisse a olimpiada? Pois o Maria Lenk não serve….
    O medo e esse… enquanto tem gete sem esgoto, sem escola, sem transporte vamos gastar bilhões para promover o esporte; nada contra o Rio, que fique claro. Só acho que tinhamos mais locais onde investir dinheiro. Só isso. Me pareceu bem mais eleitoreiro (Lula 2014) do que qualquer outra coisa…

  • tuffy joon

    sua indelicadeza com os leitores, deveria ser rechaçada por quem de direito, chamar de protozoarios aqueles que discordam de vc, é o atestado inquestionável da AMEBA que é VOCE.

    AK: Os comentários discordantes estão publicados. Os eventuais aparecimentos dos protozoários foram dedetizados. É fácil descobrir a diferença entre um e outro. Mas é preciso tentar.

  • nilton

    Caro David Pimentel, não se preoculpe a Globo não esta dando um tiro no pé, pois os contratos para as Olimpiadas de 2016 já foram feitos e serão transmitido pela Globo, Band e Record, porem a Olimpiada de 2012 é exclusiva, ainda, da Record.

  • André bom dia,
    Leio sempre este e outros blogs, apesar de quase nunca comentar.
    Este final de semana refleti bastante sobre o significado da conquista de sexta, recebi congratulações de primos de fora do país e pude perceber algumas coisas.
    Grandes problemas que devem ser enfrentados de cara: licitações em obras para melhorias nos equipamentos do Pan e de infra no Rio e a tal política de esporte.
    O problema com as obras são os olhos grandes que qualquer licitação do porte que podemos prever trazem juntos. Já a tal política pública de esporte é um sonho, que pelo que andei lendo deve ser “privatizada”, gerando atletas dependentes de empresas patrocinadoras, mesmo na base.
    Seu projeto perfeito de esporte de base nas escolas depende de governadores e prefeitos acreditarem que o investimento em educação física pode se tornar algo mais do que “hora da diversão” para alunos e professores. Realmente difícil.

    Abraço,
    Fabricio

  • Marcio

    Simultaneamente a todas as obras, o incrível COB agora vai transformar o Brasil numa Potência Olímpica em 7 anos!! Será que eles vão combinar com EUA, China, Alemanha, Japão, Austrália, França, Gra-Bretanha, Korea do Sul, Cuba, Jamaica e Kenia para mandar pra ca seus respectivos times “C”, tipo assim, como chama mesmo aquele outro evento sediado no Rio mesmo…ah Panamericano!!! Os caras são uns brincalhoes Andre, seria tragico se não fosse cômico…

  • David

    Recomendo as pessoas que acreditam que sediar os Jogos Olímpicos é um bom negócio que ampliem a quantidade e qualidade das fontes de informação que recebem. Em geral, são as mesmas pessoas que acreditam que o Pan foi “um sucesso”, quando fracasso seria pouco para descrevê-lo.

    Sediar os Jogos Olímpicos é um péssimo negócio. O dinheiro gasto é muito maior do que o retorno em turismo, em legado, ou o que for. Os exemplos são muitos, mas pesquisem sobre os Jogos de Montreal, em 1976, só pra ficar num dos mais investigados. Só terminaram de pagar agora, mais de 30 anos depois. Já repararam que o único exemplo positivo citado é sempre Barcelona? E nunca falam sobre o contexto. Com certeza o crescimento que toda Espanha teve na década de 90 foi só por causa das Olímpiadas.

    O argumento apresentado como grande trunfo, o tal do mapa mostrando que a América do Sul e África nunca receberam uma edição dos Jogos Olímpicos de Verão nem de Inverno (ah, sério?), é a prova de que não deveríamos ser a sede em 2016. Existem razões pros Jogos nunca terem sido realizados por essas bandas, e essas razões continuam as mesmas. Só mudou uma: um país disposto a trocar dinheiro por prestígio político, e que tenha dinheiro pra bancar isso.

    Como esportista, preferia que investissem todo esse dinheiro em uma política esportiva, já que não temos nenhuma. Porque não sonhar em ganhar uma Olímpiada, ao invés de sediar uma? O retorno em melhoria da qualidade de vida dos brasileiros seria imensamente maior.

    Porque, no fim das contas, o único retorno em sediar os Jogos é o ganho político.

  • João

    Desde quando tds os comentários são publicados? Tem certeza disso? Vc censura td q não lhe convém. Sem falar das respostas infantis q vc dá. Sempre foi o dono da verdade. Qlqr 1 q tenha opinião diferente não entende oq vc fala. Já reparou isso? Depois ainda tem a coragem de chamar as pessoas de protozoários. Respeite as opiniões diferentes.

    AK: Não passe ridículo. Leia os comentários e veja se só tem gente concordando. Um abraço.

  • Raphael Silva

    Amém!

  • Carlos Eduardo

    Sinceramente, fiquei contente por saber que o Rio de Janeiro vai sediar a Olimpiada de 2016.

    Moro no interior de São Paulo, e vejo que a Olimpiada não trará nenhum beneficio para o povo brasileiro, além dos cariocas.

    Para quem não é do Rio de Janeiro, essa olimpíada não fará a menor diferença, a não ser ajudar a pagar a conta da festa.

  • André,
    Você não respondeu a nenhum dos meus argumentos (apenas disse que discorda), mas pelo menos foi educado. O que parece não perceber é que, quando você “dedetiza” “protozoários” (deve ser difícil, dedetizáveis são os insetos) está, no mínimo, se igualando ao que considera baixo nível. Com um agravante: você é responsável pelo blog, uma coluna pública. Você pode cortar comentários – faz parte da regra do jogo. Isso não te dá o direito de xingar quem te chama de bairrista, até porque “bairrista” não é ofensa.
    O denuncismo profético e genérico – denunciar a roubalheira que “essa turma” vai fazer do futuro – pode ser muito divertido, mas não é sério. Teria que analisar (dá trabalho) que verbas virão, por onde, para quais áreas. Quem é “essa turma”? Os governos serão outros – vamos ter duas eleições estaduais e federais, uma municipal até 2016. O COB pode ser isso e aquilo, mas que verbas irá manejar? Públicas ou privadas? Com quais controles? Nada disso eu vi nos argumentos contra os Jogos de 2016 – e olha que eu li bastante.
    Finalmente, quero expressar minha inveja. Eu me preparei intensamente para ser um bom profissional da minha área, mas nunca “sei” que tenho preparo suficiente. Compartilho essa postura com gente muito melhor que eu, a começar por Sócrates – não o jogador, que você certamente conhece bem, mas o filósofo. Como você já disse que não é arrogante, digamos que tem uma auto-estima espantosa.

    AK: Ah, agora ficou mais claro. Quando disse que temos “conceitos” diferentes, acho que seria melhor ter usado “filosofias” diferentes… bem, eu considero que todos os seus questionamentos foram respondidos, sim. Nos dois posts que fiz sobre o assunto que debatemos, e na resposta ao seu comentário. Como já disse antes, não precisamos concordar em nada. E partindo da filosofia, ôps, do conceito de que “Olimpíada não tem nada a ver com desenvolvimento esportivo”, não concordaremos mesmo.

    O que você parece não perceber é que eu não dedetizo os protozoários, apenas as agressões que eles enviam. Acredite, eu lido com eles todos os dias. Até edito algumas mensagens, para torná-las publicáveis. Depois, o iluminado retorna reclamando por ter sido “censurado”, citando o que ele imagina ser um ataque à “liberdade de imprensa”. Não me sinto ofendido quando sou chamado de “bairrista”, só não perco tempo com isso, por entender que a conversa não ganha nada. E como você disse, sou responsável por esse blog.

    Você está cometendo um equívoco ao insistir em “denuncismo profético”, citando o futuro. Eu falo do Pan, do estouro do orçamento, feito pelas mesmas pessoas… acho que está claro.

    Finalmente, sobre a sua inveja: você me acusou de despreparo, eu disse que não sou despreparado. De novo, não precisamos concordar. Nem sobre o fato de não haver qualquer relação com arrogância, nem com autoestima. E sim, com… preparo. Partindo do princípio de que não nos conhecemos, imagino que Sócrates (não o boleiro, claro) deve ter te ensinado a rotular as pessoas à distância. Um abraço.

MaisRecentes

Acordo



Continue Lendo

Futilidade



Continue Lendo

Incoerente



Continue Lendo