CAIXA-POSTAL



Aos assuntos da semana:

Daniel escreve: Segue uma observação ou desabafo: se a Renault está sendo julgada e punida pelo evento ocorrido envolvendo Nelsinho Piquet, Briatore e cia, por que a Ferrari não foi julgada pelos inúmeros episódios (públicos e notórios) como aquela “reduzida” do Rubinho permitindo vitória do alemão, e tantas outras enrascadas evidentes em que a Ferrari privilegiou Schumacher frente ao Rubinho? Não é uma situação típica de “dois pesos, duas medidas”? Será que a FIA privilegia alguma escuderia em detrimento de outra? Qual sua opinião?

Resposta: Há uma grande diferença entre os episódios que você citou: o Nelsinho confessou o que fez. Pessoalmente, eu não acho que o “jogo de equipe” deva ser proibido. Não estou falando, é claro, de bater o carro em alguém para tirá-lo da prova (o que já aconteceu, e sabemos com quem), ou bater o carro no muro para a corrida acabar. O fato é que os envolvidos nesse caso da Renault precisam ser punidos, porque há provas, confissões, etc.

______

JJ escreve: Gostaria de saber sua opinião quanto às interrupções de partidas dos Grand Slams por conta das chuvas. Não seria o caso desses 4 torneios Grand Slams e outros torneios também, terem ao menos uma quadra coberta? Dinheiro aos organizadores não falta.

Resposta: Não é uma questão de ter uma quadra coberta, e sim de fazer um teto retrátil na quadra central (aliás, o termo “quadra central” não vale mais para os GS’s, né? São verdadeiros estádios de tênis). Em Wimbledon e no Australian Open, o teto já existe, e a quadra pode ser coberta em caso de chuva. Em Paris, já foi feito orçamento para a obra, que deve ser realizada no futuro próximo. No US Open, a questão foi discutida em 1997, quando se decidiu construir o estádio Arthur Ashe para substituir o Louis Armstrong como o principal palco do torneio. Mas a USTA (associação de tênis dos EUA) não gostou do preço de US$ 100 milhões, e preferiu fazer um estádio maior (23 mil pessoas). Deu no que deu. Se fizerem mesmo um teto em Paris, Nova York não terá como escapar.

______

Rafael escreve: Me perdoe por entrar em um assunto tão batido, mas queria saber sua opinião sobre ele. Na verdade falarei da minha opinião sobre o embate entre os pontos corridos e o sistema mata-mata no Campeonato Nacional. Acho que podemos citar as qualidades dos pontos corridos como: é organizado e justo. Mas na questão de emoção eu realmente acho que ele deixa a desejar. Acho pontos corridos uma fórmula interessante por “cada jogo ser uma final”, o que exige regularidade e cobra planejamento dentro dos clubes, porém acredito que o sistema mata-mata ajude mais na evolução do futebol.

Resposta: Já deixei bem clara minha opinião aqui, mas essa questão reaparece de vez em quando. Sou um defensor intransigente dos pontos corridos, e realmente acho incrível que, no meio desse ótimo campeonato de 2009, se questione a fórmula por “falta de emoção”. De qualquer forma, cada um pensa como quer, e não pretendo convencer ninguém. Nada tenho contra o mata-mata, apenas não acho que seja o melhor formato para descobrirmos qual é o melhor time de um país. Além disso, a Copa do Brasil está aí para que os dois sistemas sejam contemplados.

______

Tadeu (entre muitos) escreve: O que você achou da declaração (perguntado sobre ciúmes de Fernandão dentro do elenco, Hélio disse que “isso é viadagem”, e que trabalha “com homens, não com homossexuais”) do técnico do Goiás, Hélio dos Anjos?

Resposta: Achei triste. É uma declaração indubitavelmente homofóbica. Cada pessoa tem o direito de pensar o que quiser. Mas esse tipo de declaração é preconceituosa, desrespeitosa. Em outros países, episódios até mais leves do que esse resultaram em punição, aplicada pelo próprio clube. No mesmo dia, Hélio se retratou, disse que foi mal interpretado, e que trabalharia normalmente com um homossexual, desde que ele fosse profissional. Mas todo mundo que passa dos limites faz isso, não? É a mesma coisa que acontece quando alguém dá uma declaração racista e depois diz que tem “vários amigos negros”. Eu até acredito que o Hélio estivesse se referindo a essas picuinhas por causa de inveja, salário maior, etc, mas ele foi mal. Mesmo porque ciumeira entre homens, em times de futebol, é algo quase tão antigo quanto o futebol.

______

Uma vez mais, muito obrigado pelas mensagens. Até a semana que vem.

(e-mails para a CP do blog: akfouri@lancenet.com.br, ou clique no link abaixo da foto)

“Ei, Johnny! Te vejo na próxima vida!”

Bodhi, em “Caçadores de Emoção”.



MaisRecentes

Sete dias



Continue Lendo

Em voo



Continue Lendo

Não estamos prontos



Continue Lendo