COLUNA DOMINICAL



(publicada ontem, no Lance!)

CAPITÃO, MEU CAPITÃO!

A Seleção Brasileira tinha acabado de conquistar a Copa das Confederações. Tinha virado um jogaço contra os Estados Unidos, em Joannesburgo, depois de estar perdendo por 2 x 0. O time que “só sabia jogar no contra-ataque”, mostrou que sabia fazer muito mais.

Na tribuna de honra do estádio Ellis Park, os jogadores brasileiros, com as camisas invertidas para exibir seus nomes, aguardavam a chegada da taça. O capitão Lúcio a recebeu das mãos do presidente da Fifa, Joseph Blatter, e a ergueu para o mundo ver. “É nossa!! É nossa, Brasil!!”, gritou o zagueiro.

Lúcio, você sabe, fez o gol que valeu o título, e chorou ao correr para abraçar Elano. A imagem de um campeão do mundo comovido após marcar um gol é dessas que nos fazem acreditar que, no final das contas, ainda vale a pena ver o futebol como criança.

Lúcio é um símbolo do sucesso de Dunga, na primeira parte de sua missão no comando do time. Sim, sucesso comprovado e inatacável. A Seleção Brasileira, hoje, é formada por jogadores que gostam uns dos outros e gostam de estar juntos, vestindo o mesmo uniforme. Não é por outro motivo que, com freqüência, alguns se apresentam machucados. E outros, como fez Elano, consultam o treinador antes de mudar de clube, para garantir que a convivência no grupo brasileiro não correrá riscos.

O ambiente ajuda a explicar por que esta Seleção, em formação desde a Copa América de 2007, se transformou em um time bom de ver, como ficou claro nas duas últimas vitórias. E esse mérito, independentemente do que aconteça quando o Brasil voltar aos estádios sulafricanos, não pode ser cassado por ninguém. Dunga deveria estar sorrindo de orelha a orelha.

Mas não está. Continua irritadiço, incapaz de ouvir uma pergunta como apenas uma pergunta, e capaz de perder a paciência com o mal-humorado que, atrás do banco de reservas, cornetava a bela atuação do Brasil contra o Chile.

Dunga, você também sabe, foi o capitão da Seleção que, ao levantar a Copa do Mundo de 1994, gritou palavrões endereçados a seus críticos. Não passa pela minha cabeça querer avaliar o que passou pela dele naquele momento, mas suponho que a glória máxima de um futebolista o tenha feito feliz.

Também não ignoro o que ele enfrentou no período entre aquela Copa e a anterior, os rótulos que recebeu e teve de carregar. Mas, afinal, ser jogador da seleção dos brasileiros (capitão, ainda mais) é um privilégio inseparável do ônus das opiniões.

Ônus que Lúcio conhece, alvo que ele mesmo foi, é, e continuará sendo, a caminho de sua terceira Copa. Mas Lúcio não se comporta como se o mundo quisesse sua cabeça. Parece entender que aquela camisa é de vidro, e que sempre será preciso desviar das pedras. Mostra que a viagem pode ser emocionante, e o final, genuinamente alegre.

Talvez Dunga precise se sentir contestado, perseguido. Talvez só funcione assim. Tomara que não.

Tomara que na próxima vez em que tocar numa Copa do Mundo, se tiver essa fortuna, o ex-capitão faça como o atual.



  • Luís Carlos

    Também vou parafrasear Mr. Keating, pode?

    Seria muito mais interessante se o Dunga soltasse um “YAWP!” comemorando o gol ao invés de fazer aquela bizarra cena diante das câmeras, não acha, André?

    “Solto o meu bárbaro YAWP sobre os telhados do mundo…”

    Parabéns e sucesso, André!

  • Marcel Souza

    Perfeito André! A coluna que o seu pai escreveu sobre o mesmo tema também está irretocável.

    Pra mim outra imagem inesquecível de 94 é o Parreira descendo pro campo com a taça na mão, sorrindo como criança, dizendo “pode tocar, pode tocar, é nossa!”. Até aquele momento eu tinha ressalvas sobre o Parreira, mas depois daquilo eu comecei a respeitá-lo como técnico. Tomara que o Dunga siga esse exemplo e não saia xingando todo mundo novamente…

  • Roberto Carlos

    Andre
    Desculpe mudar o assunto, mas gostaria de saber a sua opinião referente a punição do Santos ao zagueiro Domingos e se a punição é coerente com a as medidas que o mesmo Santos tem tomado com o Fabio Costa.
    Abraços
    Roberto Carlos

    AK: O Santos não puniu Domingos. O Santos decidiu que não quer mais ter Domingos em seu elenco. São duas coisas diferentes. Está certo? Quem tem de saber disso é o Santos. Mas quando o clube diz publicamente que resolveu se desfazer de um jogador, porque ele é muito violento, está desvalorizando o próprio jogador. Supondo que esse é o real motivo da dispensa. Um abraço.

  • Josceley

    Pior foi durante a coletiva quando um reporter lhe perguntou se usaria o jogo em La Paz para tirar algumas duvidas ele virou para o reporter e falou: “Duvida, não tenho duvida.”
    O cara tá se achando… Beira o ridículo o que ele tem feito.

  • Marcos Vinícius

    O Lúcio,na Copa de 2006,bateu o recorde do Gamarra.Ele passou a ser o defensor que ficou mais tempo em campo numa Copa sem fazer uma única falta,embora,quebrado esse recorde,ele tenha feito uma.Em 2002,o treinador era o Felipão e o Lúcio era titular da zaga.Em 2006,o treinador era o Parreira,e o Lúcio continuava titular da zaga.Hoje quem treina a Seleção é o Dunga,pra meu total desprazer,mas o Lúcio continua sendo uma das muitas unanimidades desse time.
    Quem o critica pode ser saudosista.Dava gosto ver Mauro Galvão,Mozer,Aldair(não aquele Aldair do fim de carreira,mas o que saiu do Flamengo),e outros becões que tratavam a pelota com carinho.Mas o futebol europeu transformou o afobado e as vezes atabalhoado Lúcio que saiu do Inter em um outro jogador,que arrisca caneta em adversário,sobe ao ataque,faz gols decisivos e é um líder.Portar a braçadeira de capitão da Seleção não é pra qualquer um,e o cara tem essa honra.Mais que honra,responsabilidade.Eu era um dos críticos do Luciomar.Lembram daquele jogo das quartas de final da Copa de 2002,Brasil2x1Inglaterra(Owen,Rivaldo,Ronaldinho Gaúcho)?O gol inglês saiu de uma falha bisonha do Lúcio.Mas essa foi a única bola que ele perdeu no jogo inteiro.Há de se reconhecer.
    Achei algo muito estranho,quase bizarro,quando o Bayer,ex time do jogador em questão,disse que o estava liberando para negociar com outros clubes.Quem,no Brasil(e nas Américas,na Oceania,na Ásia,na África e na maior parte da Europa)não gostaria de tê-lo em seu time?
    Hoje Luciomar é um zagueiro maduro,respeitado por companheiros e adversários,e que ganhou quase tudo que um jogador pode ganhar.
    Muito se fala de quem seria o companheiro ideal para ele na zaga da Seleção(Juan,quando não está machucado,Miranda,Luisão).Mas quem ousaria,hoje,questionar a titularidade desse jogador.O Dunga,que não conta com a minha simpatia,pode ser tudo,menos incoerente.
    André,palmas pelo texto.
    E palmas pro nosso capitão.Ele,sem dúvidas,merece.

    P.S:Dá pra mandar esse texto pra diretoria do Bayer?

  • Ricardo

    Falando de Copa, mas da de 2014:

    A candidatura do Morumbi a estádio paulistano da Copa do Mundo de 2014 causa, desde o seu início, questionamentos incisivos, tanto pela flagrante imperfeição estrutural do estádio, quanto pela falta de transparência na definição do estádio sãopaulino como candidatura única da cidade de São Paulo.

    Como não poderia ser de outra maneira, e a despeito do forte lobby do São Paulo FC e da militância desavergonhada da prefeitura paulistana na causa sãopaulina, o Morumbi vem sendo reiteradamente criticado pelos representantes da FIFA, que estão na iminência de vetar definitivamente a candidatura do estádio.

    Se é que a candidatura do Morumbi ainda tinha alguma credibilidade, ela acaba de ser desmoralizada de uma vez por todas, depois da declaração do diretor de marketing do São Paulo, confessando que a intenção era “fazer só uma maquiagem no estádio”, e que só agora decidiu-se por uma reforma de fato…

    Quer dizer que tantos meses de discursos grandiloqüentes, a respeito da modernização e da adequação do Morumbi às exigências da FIFA, eram só “para inglês (ou para a FIFA) ver”?

    Tanta fanfarronice era só cortina de fumaça, para encobrir os defeitos crônicos do Morumbi e tentar engambelar a FIFA e a opinião pública de São Paulo?

    E, para tanto, chegaram a prever um custo de 300 milhões de reais? Quanto custará então a reforma “de verdade”? Uma reforma que – acreditem, se quiser – inclui a usurpação de uma praça pública que existe em frente ao Morumbi.

    A julgar pelo desenrolar dos fatos, aos responsáveis pela candidatura do Morumbi (diretoria do São Paulo e prefeitura de São Paulo, essencialmente), falta competência. Ou coisa pior.

    É chegada a hora dessa brincadeira de mau gosto chegar ao fim.

    (reportagem sobre a “revelação” do diretor de marketing sãopaulino: http://maquinadoesporte.uol.com.br/v2/noticias.asp?id=14191)

  • Roberto Carlos

    Andre
    Agradeço a sua resposta quanto a caso Domingos, porem faltou a sua opinião quanto a comparação com as atitudes do Fabio Costa, esta havendo coerencia da diretoria do Santos?
    Abraço

  • Rita

    Nem o Jorginho por perto ajuda o Dunga a ser menos explosivo? O cara assume a Seleção depois de uma fatídica presepada da CBF em 2006, sendo que jamais tinha sido técnico de nada nem treinador de ninguém e e ainda por cima não quer ser questionado. Não! Pra ele era inaceitável colocarmos em dúvida sua capacidade de vencer pela Seleção. Ídolos já foram vaiados, muitos injustiçados e ele quer ser intocável? Confesso que ele me surpreendeu, verdade que vem sendo incontestavelmente campeão, mas dá licença achar o cara um sujeito seriamente complexado e com zero de carisma. De repente, uma terapia… (André, pra variar seus textos continuam excelentes, não mantenho a mesma assiduidade nos comentários como outrora, mas sempre que posso dedico um tempo pra fazer uma leitura geral, viste? Um abraço.)

  • Rita

    Ah André, e O lance do Federer, hein? Merece está no “notinhas”…

  • Anna

    Feliz aniversario, André. Tudo de bom! Anna

    AK: Obrigado! Um abraço.

  • Anna

    Há um delay no horario do Lancenet. Já é dia 14!

  • Nunca tivemos um zagueiro como Lúcio. Estamos bem de Zagueiros, goleiros e técnicos que sabem se defender. Esta copa é nossa!

  • Ricardo Pires

    André, eu concordo com você e também penso que o Dunga poderia relevar as críticas e os cornetas e simplesmente sorrir com o que inegavelmente tem alcançado como comandante da Seleção. Afinal, com exceção das Olimpíadas, em que de fato sofremos com uma centenária maldição imposta pelos Deuses do futebol, o Dunga ganhou tudo o que disputou.

    Mas eu sou Ricardo e você é André. Talvez sejamos pessoas mais equilibradas e com a capacidade de lidar melhor com críticas e provocações. Mas quer saber? No lugar dele, é bem capaz de eu ter “estourado” também. Você, como jornalista inteligente que é, sabe bem que existe sim perseguição no futebol por parte da imprensa (e, claro, torcedores, uma verdadeira caixa de ressonância). Tal perseguição, muitas vezes, acaba justificada pela própria grosseria das supostas ‘vítimas, incitando um efeito dominó que normalmente culmina com a corda arrebentando do lado mais fraco, ou seja, do perseguido.

    Dunga deveria saber lidar com isso? Sim. Como treinador da seleção é obrigado a manter uma postura menos agressiva? Sim. Mas isso tudo é teoria. Na prática, a verdade é que o Dunga é o típico gauchão (como o próprio Felipão e o péssimo Adílson Batista) que nõ sabe lidar com críticas e tem estopim curto. O problema é que hoje em dia fica difícil identificar o que é crítica e o que é perseguição.

    Bom, pelo menos o Dunga e o Felipão são turrões mas ganham títulos. Enquanto isso o Adílson compra briga com todo mundo e perde a Libertadores no Mineirão.

    Menos, menos…

    Abraço

  • Fábio Velame

    O fato é q parte da imprensa q detesta o Dunga esta tendo q “engolir” ele.
    Desde o inicio o Dunga é contestado, e me desculpe Andre, mas tem muito jornalista, reporter, sei lá o que, q realmente enche o saco….e merece umas respostas mesmo.
    Não quero pregar o oba oba e nem acho o Dunga perfeito, mas a má vontade com ele é nítida.
    Detonam ele numa facilidade, agora qndo um coleguinha de imprensa recebe uma resposta mais dura, as pessoas acham ruim….

  • Fábio Velame

    No caso da pedida de cabeça de jornalista X, nem sei a vericidade do caso, como foi q realmente aconteceu, se aconteceu claro q não é correto, mas veja pelo lado dele tbm, já passou pela sua cabeça vc trabalhar num local e muita gente te detonar, e querer sua saída, dizendo q a pessoa não é capaz de exercer a função?
    Sera q esses mesmos reporteres e jornalistas se colocoaram no lugar do Dunga e pelo menos tentaram ver a situação de outra forma?
    Achoq não… ate com a roupa do Dunga tem gente q pega no pé, cúmulo do absurdo….

  • Zina

    A verdade é que o Dunga calou 95% da crônica e de comentaristas esportivos deste País. No início , como técnico, os comentários eram que o cara não tinha nenhuma experiência em clube e já estava no comando da seleção. Para os críticos isso era um absurdo. Taí mães Diná de plantão! É muito fácil vencer quando se tem nas mãos craques como são os jogadores brasileiros.Só uma pequena informação para os mais jovens:
    Feola técnico da seleção brasileira em 1958, cochilava no banco, enquanto Zito, Didi, Nilton Santos, comandavam o time em campo.
    Quando se tem num elenco bons jogadores a tarefa do técnico é só uma:
    Não inventar e não atrapalhar! ! !
    Um exemplo atualíssimo. O Muricy era quase unanimidade.O Muricy era quase insusbtituível.Quanta tolice. Aí está o Ricardo, que era também uma grande dúvida para todos os “experts ,mostrando uma grande e absoluta verdade e repetindo mais uma vez, quando o seu time é formado por grandes craques o trabalho de um técnico fica muito facilitado.
    Fica uma pergunta:
    Será que o Luxemburgo ou o Muricy ou o Mano Menezes ou o Felipão, conseguiriam fazer do Fluminense campeão brasileiro desta ano?

  • Paulo

    Excelente sua coluna. Gostosa de ler e equilibrada. Parabéns!

  • Cruvinel

    Feliz Aniversário, André!

    Vida longa a você e sua profissão!

    AK: Obrigado! Um abraço.

  • Rejane

    Olá André…
    Feliz Aniversário! Muita Paz, Saúde e mais sucesso na Profissão de Jornalista!

    AK: Obrigado! Um abraço.

  • Anna

    O título saiu de Sociedade dos Poetas Mortos? Oh, captain, my captain! Se sim, filmaço!

MaisRecentes

Presente



Continue Lendo

Em frente 



Continue Lendo

Acordo



Continue Lendo