O BRINDE DOS BOTINUDOS, BRUCUTUS E RUINS DE BOLA



Quem frequenta este blog há de se lembrar do “Vascaíno”.

Já o chamei aqui de “setorista” do Vasco, mas essa não é a palavra certa.

Porque o setorista é uma presença diária, e o “Vascaíno” aparece de vez em quando.

Foi com alegria que a caixa de e-mails do blog recebeu mais uma mensagem dele:

______

“Dias de festa para os botinudos, brucutus e ruins de bola, que convidam para a celebração de mais um assassinato de talento que fica impune.

Nesta semana, Pedrinho divulgou sua decisão de abandonar, prematuramente, o futebol, aos 32 anos.

É importante ressaltar que o assassinato do talento se dá com requintes de crueldade. Não é uma morte imediata. O talento é agredido, maltratado, chutado, pisado até que seja mutilado. Após a mutilação, vêm os intermináveis períodos de expectativa, depressão, dor, dúvida, esforço.

Quando o talento parece estar pronto para ressuscitar, as limitações físicas e a mutilação incurável voltam. Se apresentam sob as mais diversas formas: contusões repetitivas, contusões novas, baixa resistência ao esforço competitivo. E as limitações se somam às dores, à depressão, às dúvidas.

Inapelavelmente, a força do talento vai sendo subjugada, lentamente. Submetida à vergonha, ao vexame, à incapacidade, à chacota. Ao crudelíssimo grito de ‘bichado’ que vem das arquibancadas rivais.

Como combater a desconfiança, que vem de dentro de seu próprio clube? Como combater os medos, as dores, as incertezas e as inseguranças?

Garrincha, Reinaldo, Zico, Pedrinho, quantos mais, que me esqueço agora? Quantos mais que ainda virão pela frente?

Enquanto isso, os árbitros continuam a não expulsar os botinudos.

Os doutores auditores continuam a ‘desclassificar’ artigos para punições.

Violência vira ‘jogo brusco’, agressão vira ‘ato hostil’, ofensas viram ‘atitude inconveniente’. Os botinudos pegam dois ou três jogos de suspensão (folga? Prêmio por desempenho?). Os juízes continuam impunes. Os auditores continuam omissos.

E nossos desembargadores têm a cara de pau de afirmar, em rede nacional, que fraudar jogos para beneficiar apostadores não é um crime.

Faz todo o sentido.

Celebrem, seus malditos botinudos, brucutus, técnicos brucutus, árbitros covardes, auditores omissos. Vocês assassinaram mais um talento.

Ao Pedrinho, a mais nova vítima, fica aqui o meu muito obrigado. Quantas vezes a velocidade, o chute forte, a visão de jogo, a impetuosidade, o drible curto e a entrega não encheram meus olhos em São Januário, no Maracanã e em qualquer outro campo?

E desculpe. Desculpe por não termos sido capazes de fazer um futebol no qual o seu talento não fosse assassinado.”



  • pablo torquato

    no ultimo paragrafo ainda haveria um espaço e menção ao choro sincero de quem não podia mais ajudar e apenas torcer pelos companheiros ao ver seu time de coração ser rebaixado no ano passado

  • João

    Ótimo texto !

    Vale lembrar que o brucutu que “quebrou” primeiro o Pedrinho foi o mesmo que praticamente encerrou a carreira do Raí que estava voando aos 33 anos (talvez, não me lembro a idade exata) e teve o joelho quebrado por esse cidadão que jogava no Cruzeiro. Trata-se do Wilson Gottardo. Quebrou o joelho do Raí e 1 semana depois quebrou o do Pedrinho. Não tomou nem cartão amarelo em nenhum dos 2 lances.

    O Raí depois nunca mais voltou a atuar em bom nível e encerrou a carreira de certa forma um pouco antes do que poderia ter se estendido.

    Abraço,

    Joao

  • Anna

    Adorei!

  • Alexandre Reis

    André, eu tenho muito orgulho de ser Flamenguista. Mas terei muito orgulho de escrever a frase abaixo:

    OBRIGADO PEDRINHO, QUE VC CONQUISTE SUCESSO EM SUA NOVA EMPREITADA.

    O talento tem que ser referenciado sempre, mesmo estando com a camisa do Arqui-Rival.

    Abs

    Alexandre Reis

  • Rodrigo

    João, se eu não me engano, a primeira contusão séria do Pedrinho foi causada por uma entrada violenta do zagueiro JEAN ELIAS, do Cruzeiro. Era 1998 e o Pedrinho tinha sido convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira. A apresentação seria dois dias depois dessa partida, na qual ele rompeu os ligamentos do joelho direito.

  • Sandro

    Jogadorzinho bem meia boca, armandinho, enganador…enganou no Palmeiras durante quatro anos, recebendo um dos amiroes salários do elenco. Foi tarde.

  • O próximo… Kerlon? E depois aquele garoto do Vasco que deu uma caneta no Materazzi?

    Tsc, tsc, tsc…

  • Samuel Miranda

    Pedrinho foi vítima daquele infeliz zagueiro do Cruzeiro pelo resto da carreira. Nunca mais conseguiu a sequência que vinha tendo até então no Vasco em clube nenhum (ele tinha, então, 23 anos, salvo engano). Teve problemas psicológicos, precisou tomar remédios para depressão (quem teve ou conhece alguém que teve sabe da gravidade disso), enfim, sua carreira como jogador de futebol mudou drasticamente para pior desde aquele dia.

    Ao Pedrinho, minhas sinceras condolências pelo fim melancólico de carreira que ele não fez por merecer. Muita sorte na vida daqui em diante!

  • eduardo pieroni

    andre não me lembro mas não foi o JOÂO CARLOS que quando jogava no cruzeiro ,arrebentou o pedrinho em são januario o lance esta na minha cabeça quando lembro do pedrinho lembro daquele lance,depois o mesmo veio para o corinthians.

  • Maravilhoso o texto!

  • Felipe

    enquanto o pedrinho se aposenta, o edcarlos e o wellington monteiro estão jogando.. É TRISTE!

  • Maurilio

    João e Eduardo, a Nero o que é de Nero. Não foi nem Wilson Gotardo nem João Carlos, o zagueiro que atingiu o Pedrinho foi o Jean, zagueiro que ficou um tempo no Cruzeiro.

    Wilson Gotardo já havia saido do Cruzeiro nessa época.

    Abraços

  • Nelson Bigeschi Junior

    Perfeito André

    Transmita os parabéns ao vascaíno.
    Quantas vezes ouvi torcedores dos próprios times que ele defendeu nessas últimas tentativas de voltar ( Santos, Palmeiras, Figueira) vaiando e chamando o injustamente de Podrinho.
    Realmente uma lástima.

  • Iran Né

    Caro Kfouri, eu já escrevi uma vez sobre os assassinos de talentos, mencionei todos esses craques de quem você falou. Os botinudos, trucutus deviam ser eliminados do futebol de uma vez por todas. Que sobrevivam os craques.
    Um grande abraço !
    Iran Né

  • Marcelo

    Pois é André, aos 32 anos, Pedrinho teria muito o que mostrar para o mundo. É o típico camisa 10 que eu gostaria de ver no meu Corinthians, agora que o Douglas foi ganhar seus petrodólares. Estvesse Pedrinho inteiro poderia ser o garçom do Timão. Imagine a bola passando por seus pés e chegando ao Ronaldo. Parabéns Vascaíno pelo texto e boa sorte ao Pedrinho.

  • BASILIO77

    AK, voce é do time dos que classificam o futebol como “esporte de contato”, que elegeu Vuaden como exemplo de arbitragem?

    Insistimos em copiar a Europa, esquecendo que em termos de futebol o Brasil é primeiro mundo. Pelo menos era.
    Abraço.

  • Rafael

    Texto perfeito e ponto de vista idem.
    É lastimável notar que muitas vezes, contra atitudes dignas de repúdio, só nos resta o desabafo.
    Parabéns ao Vascaíno.

  • FABIO

    Acrescente aos talentos brasileiros o nosso Tostão, cuja carreira foi abreviada por um deslocamento na retina, provocado por uma entrada violenta – salvo engano – do zagueiro Ditão, do Corinthians. Isto para não ficarmos apenas no futebol brasileiro: Van Basten e seu tornozelo; Euzébio e os joelhos; e Antonioni (Fiorentina e Seleção Italiana – 82), com concussão provocada por um chute na cabeça.
    “Fair Play” é isso aí!

  • Kleber

    E o Ed Carlos, Mariano e Wellington Monteiro não quebram nem o dedo… PQP……. Mas valeu Pedrinho……. SAUDAÇÕES TRICOLORES!!

  • Alvaro

    Apenas alguns comentários:
    1) Pena o que ocorreu com o Pedrinho. Grande jogador (enquanto pode) e grande pessoa. Ao colega que disse que enganou o Palmeiras durante 4 anos, vale mencionar que ele pediu ao clube para suspender os salários enquanto não jogasse…
    2) Outro craque que abandonou prematuramente o futebol: Marco Van Basten
    3) Justiça seja feita ao Wilson Gottardo: ele não teve culpa na contusão do Raí

  • Paulo Pinheiro

    Eu já estou ficando cansado de defender que hoje no futebol brasileiro vence quem bate mais. O Felipão provou isso e o Muricy corroborou!

    Infelizmente pra consertar essa situação não é só no STJD nem nas comissões de arbitragem. É necessário um pacto total. O técnico não vai mandar bater, o defensor não vai bater, o árbitro vai marcar a falta, vai advertir, vai expulsar, a comissão de arbitragem vai punir o árbitro que não expulsar, o STJD vai dar o gancho para o agressor, o torcedor vai cobrar jogadores melhor preparados (entenda-se: que tenham preparo para CORRER, ao invés de tomar o atalho de agarrar, trombar, empurrar ou dar pontapé), o dirigente não vai fazer lobby…

    E a mídia vai enxergar algo mais do que os “lances capitais” ao analisar a atuação de uma arbitragem.

  • Jacques SPFC

    Não sei se o infame gottardo foi quem atingiu o Pedrinho, mas ele estava no Cruzeiro sim, como disse o João, foi uma semana ou no máximo duas após a entrada criminosa no Raí. Ele entrou pra machucar, eu estava no Morumbi naquele dia e vi o lance bem à minha frente, pois o crime ocorreu na lateral do campo. O lance do Pedrinho vi pela tv, uma entrada terrível, mas não me lembro o autor. Pedrinho e Felipe faziam uma dupla talentosa no Vasco, e concordo plenamente com o Vascaíno, além de ser um texto muito bem escrito. Parabéns a ele e a você André por postar.
    Pedrinho que Deus ilumine sua vida e que você seja feliz no que vier a fazer daqui pra frente. Sentiremos saudades das vezes que você nos brindou com o seu ótimo futebol.

  • Jacques SPFC

    Fábio, o lance do Tostão foi uma bolada. O Ditão é inocente.

  • ADSON CARVALHO

    Como bom mineiro não posso deixar de lembrar de duas entradas desleais que influenciaram negativamente na carreira de dois cracks mineiros:
    Joãozinho(Bailarino), quebrou a perna levando um carrinho por trás do zagueiro Darci Munich!!!
    Ângelo(Formiguinha), quebrou o joelho numa entrada criminosa de Neca e foi posteriormente pisado no tornozelo por Chicão quando estava contorcendo em dores!!!
    Após estes lances eles nunca mais foram os mesmos…
    Obs.Neca não foi expulso e Chicão nem amarelo tomou…(Sic)
    Sou favorável a implantação de uma lei que puniria o infrator desleal a ficar sem jogar pelo mesmo período de sua vítima…O que vc. acha AK???
    att.
    AC

    AK: Acho muito difícil avaliar a intenção. No terrível lance da fratura exposta do Eduardo da Silva, do Arsenal, o cara que dividiu a perna dele em dois pedaços foi imprudente, e chegou atrasado, mas não teve (para mim) a intenção de quebrá-lo. Outras vezes, fraturas acontecem em lances limpos e, aparentemente, não violentos. Complicado. Um abraço.

  • Neo

    Pois é… triste quadro que temos no futebol! O que era pra ser um jogo bem jogado, com as equipes se equivalendo táticamente ( o que dixa o jogo melhor), virou um show de butinadas mesmo!

    Um exemplo? Ontem no jogo Vasco x América-RN, o América jogava bem, pressionava a saída de bola do vasco e ganhava por 1×0. É importante notar que a marcação estava impecável, o vasco não conseguia chegar com uma bola limpa no ataque.

    Quando isso finalmente aconteceu, o América, que começou a sofrer pressão, abandonou sua ótima tática de marcação e contra-ataque rápido, e adotou a tática do bater e correr! Foram 3 lances dignos de expulsão apenas no primeiro tempo! Lances de entradas violentas que poderiam contundir um jogador. E o árbirtro no máximo advertiu, quando deveria expulsar.

    O Vasco empatou o jogo em 2×2. Mas ter um jogador machucado, como o carlos Alberto, teria prejudicado muito mais a equipe!

    Um brinde!

  • Rafael Andrade

    Então é bom que se tome uma atitude em relação ao zagueiro Airton do Flamengo o mais rapido possivel, antes que ele assassine mais um grande talento do nosso futebol. Brilhante o texto! Ahh, o Gottardo não teve nada a ver com a lesão do Pedrinho, o jogador em questão foi o zagueiro Jean que passou um periodo na Raposa.

  • leonardo atleticano

    Futebol de antigamente era muito mais violento, só não havia 200 câmeras filmando, outra coisa, o preparo físico hj ajuda bastante nas contusões, é muito pesado, hj vc cansa de ver fraturas por estress e contusões sérias em treinamentos, fora a tonelada de jogos a que são obrigados a jogar, qualquer entrada com close e câmera lenta vira tentativa de assassinato, fora um bando de caras que nunca entraram dentro de um campo de futebol e ficam analizando palavrão, encostada, marcação mais firme como crime. Temos que avaliar o fato de cada individuo ter sua constituição física, nem sempre uma parada prematura é sinal de violência, assim como no boxe existem os queixos de vidro, no futebol também há os canelas e joelhos de vidro, agressão deve ser severamente punida, mas transformar o futebol e balet tambem não dá.

  • Massara

    Que texto bacana. Muito bem escrito.

    Mas não sou a favor do futebol em que tudo é falta. Futebol é jogo de contato físico intenso.

    As jogadas violentas, imprudentes e desleais devem ser punidas com os respectivos cartões.

    E a deslealdade deve ser punida fora de campo, pelo Tribunal competente.

    Mas o que este mesmo Tribunal faz é punir (ou pelo menos levar a julgamento) os lances mais banais, que nem mesmo dentro de campo foram objeto de punição. Como pode um jogador que foi expulso por dois cartões amarelos ser julgado em um Tribunal por agressão ou por atitude desleal? Ora, se tivesse cometido estes atos, teria sido expulso diretamente, não?

    Então, acho que a falta cometida dentro da regra, deve ser punida de acordo com o que a regra diz (cartão amarelo e vermelho). E as atitudes anti-desportivas, somente elas devem ser punidas fora dos gramados.

    Abs.

  • Alexandre Scaglia

    Belo texto e justa homenagem a um cara que jogou (enquanto deu) muita bola. Eu ainda me lembro, com alegria, dos lampejos do Pedrinho com o manto sagrado santista. Creio que foi na Vila a última temporada em que ele realmente jogou um futebol de alto nível. Uma pena. Mas, como disse o “vascaíno”, mais um talento que a incapacidade de quem dirige o futebol brasileiro destrói.

  • Rafael Araújo

    “Jogadorzinho bem meia boca, armandinho, enganador…enganou no Palmeiras durante quatro anos, recebendo um dos amiroes salários do elenco. Foi tarde.”

    Para : Sandro

    Lamentável o seu comentário. Vc é um tremendo de um . Talvez não tenha entendido o belíssimo texto. Com uma série de contusões durante a carreira, é praticamente impossível desenvolver um bom futebol, se é que vc entende de futebol. Ao invés de vc ficar ofendendo com um comentário de extremo mal gosto, aprenda a analisar. Sou Flamenguista e sou fã do Futebol do Pedrinho, assim como os outros aqui, de diversos times, que expressaram as suas opiniões sem ofensas e baixarias e principalmente, o respeito ao jogador que ele foi . Uma coisa é criticar sem ofender. Outra coisa é essa barbaridade que vc escreveu. Vc deve ser da mesma “Laia” dos “brucutus” que quebraram o Pedrinho, só que de segmentos diferentes. Pensamento totalmente mesquinho e egoísta. Mais a vida ensina.

  • Mario

    P/ Neo,

    Esta historia do Chicao ter pisado no Angelo e o maior folclore do futebol, ele nao pisou, apenas deu um toto no traseiro do Angelo. Nao uma pisada no tornozelo.
    Tanto e verdade que um ano apos esse jogo (final do Brasileiro de 77) o Chicao foi contratado pelo Atletico, voces acham que um time iria contratar o carrasco de um jogador do proprio time?

    Maior folclore.

  • Flávio

    Fantástico texto… Parabéns

  • Luiz Felipe

    Pelo menos conseguiu manter contratos em clubes de ponta até os 32 anos de idade. Muito provavelmente não precisará trabalhar mais para ter um belo padrão de vida.

    Alguém avisa aí o nosso amigo que “dizer o que é crime” não é papel de juiz (a norma penal não admite interpretação extensiva), mas sim daqueles em que ele votou.

  • Lets

    O Jean que primeiro “quebrou” o Pedrinho era grosso mas não era desleal. O problema é ter que aturar zagueiros mal intencionados como Domingos(Santos), Airton(Flamengo), tem um maluco lá no Inter, não sei se Indio ou Bolivar, e muitos às vezes orientados a bater pelos treinadores.

  • Rafael

    Ótimo texto.

    só para acrescentar mais um nome a lista de jogadores que tiveram a carreira prejudicada/encerrada. Juninho Paulista ao levar uma entrada por trás do Michel Salgado.

  • FABIO

    JacquesSPFC, obrigado pela correção. Só quero acrescentar que uma disputa de bola pode ser dura sem ser violenta ou desleal. Ou seja, não esperamos que todos os marcadores tenham classe ou sejam muito habilidosos. Esperamos, sim, que consigam impedir a jogada sem encerrar a carreira do jogador. Como exemplo, temos o Mauro Silva, exímio marcador do qual não me lembro de alguma deslealdade. Numa versão bem menos brilhante, porém eficiente, temos o volante Williams, do Flamengo.

    Peço desculpas às opiniões contrárias, mas o Chicão muitas vezes passava da conta, com algumas entradas muito duras por trás – no sentido futebolístico, claro. Não sei, no entanto, se ele machucou seriamente o Ângelo.

  • Para piorar: às vezes, o camarada ainda sai estigmatizado, como se a culpa fosse dele. Cansei de ver, no Palestra, gente ingrata xingando o homem de “Podrinho” e tachando-o de pipoqueiro, amarelão, essas barbaridades.

  • Sandro

    Pedrinho foi um paneleiro no Palmeiras. Tã falando tanto do caráter do cara como se ele jantasse na casa de vcs toda semana.

  • Alexandre

    Menos, bem menos. O risco de contusões graves é inerente ao esporte, ainda mais quando há o inevitável contato físico, como é o caso do futebol.
    E isso que o árbitro brasileiro é o que mais marca faltas no mundo…

  • Alexandre

    E digo mais: esse tipo de reclamação genérica contra “brucutus” e “árbitros covardes” é pura hipocrisia!

  • BASILIO77

    Sobre o lance do Chicão, defendê-lo é brigar com a imagem.
    Ângelo levou uma entrada DURÍSSIMA do Neca, foi aí que ele se machucou.
    Ficou “andando de gatinho” após o lance, Chicão talvez tenha pensado que era encenação, e foi nesse momento que pisou no tornozelo do jogador do Atletico que JÁ estava machucado.
    A falta que originou a contusão foi do Neca, do SPFC.
    Abraço.

  • ADSON CARVALHO

    Mário, estava no Mineirão neste fatídico dia e ví ao vivo o lance escandaloso e covarde do Chicão, favor comentar fatos e não “achismos” !!! Quanto a contratação do açogueiro é outra história… Inclusive muito criticada por verdadeiros Atleticanos na época!!!
    Basílio77, perfeita sua colocação… O Neca quebrou e o Chicão eliminou o formiguinha(Já falecido) do futebol, uma pena…
    Em tempo: Jogaço ontem no Mineirão e que falta fez o Tardelli…
    att.
    AC

  • FERNANDO MARADONA ALVES

    Futebol de antigamente era muito mais violento, só não havia 200 câmeras filmando, outra coisa, o preparo físico hj ajuda bastante nas contusões, é muito pesado, hj vc cansa de ver fraturas por estress e contusões sérias em treinamentos, fora a tonelada de jogos a que são obrigados a jogar, qualquer entrada com close e câmera lenta vira tentativa de assassinato, fora um bando de caras que nunca entraram dentro de um campo de futebol e ficam analizando palavrão, encostada, marcação mais firme como crime. Temos que avaliar o fato de cada individuo ter sua constituição física, nem sempre uma parada prematura é sinal de violência, assim como no boxe existem os queixos de vidro, no futebol também há os canelas e joelhos de vidro, agressão deve ser severamente punida, mas transformar o futebol em balet tambem não dá.

    NADA A ACRESCENTAR NESTE BRILHANTE COMENTÁRIO FEITO PELO leonardo atleticano disse:

  • Marcelo David Macedo

    Eu estava em São Januário, no jogo contra o Vitória, ano passado, quando caímos. Quando cheguei à noite, em casa, vi as imagens do Pedrinho chorando em campo, e chorei de novo. Chorei porque, além de ver meu time ser rebaixado, lembrei do Brasileiro de 97, quando ele surgiu; da Libertadores de 98, quando ele arrebentou; do Brasileiro do mesmo ano, quando o infeliz do zagueiro cruzeirense arrebentou ele.

    Eu jogava futsal no Vasco na mesma época em que o Pedrinho subiu pros profissionais. Sempre foi muito atencioso com a molecada que pedia uma foto, um autógrafo. Essa é a imagem que fica. Valeu mesmo, Pedrinho. A história do Vasco tem uma boa quantidade do seu suor, do seu talento.

MaisRecentes

Dilema



Continue Lendo

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo