O CASO CONTRA ROGER FEDERER



Todos sabemos que é difícil comparar eras.

Todos sabemos que, quando o debate entra no terreno do “melhor em todos os tempos”, só há uma certeza: o debate não terminará.

Mas o fato é que todos insistimos no tema. Então, voltemos a ele.

Posts sobre tênis são interessantes porque trazem à superfície, em comentários e e-mails, a vontade de muita gente em falar do assunto.

Dei minha opinião aqui, há dois dias, sobre o lugar de Roger Federer no panteão dos maiores tenistas da história. Acho que ele, definitivamente, está na conversa sobre o topo da lista. Depois do título em Paris, nada lhe falta em termos de conquistas.

Ou quase nada. O fato de estar empatado com Pete Sampras em Grand Slams vencidos significa que Federer tem companhia. E quem tem companhia, obviamente, não está sozinho.

Por isso acho que é necessário mais um (inevitável) troféu, para que o argumento a favor do suíço seja realmente difícil de derrubar.

Mas haverá quem tente, e com um ótimo ponto a favor de Pete Sampras: o contexto de cada era.

Sampras foi contemporâneo de um maior número de grandes jogadores. A cada semana, Ivan Lendl, Boris Becker, Andre Agassi, Mats Wilander, Stefan Edberg, Jim Courier… estavam do outro lado da quadra.

Os números de Sampras contra eles:

Lendl (5 vitórias – 3 derrotas)

Becker (12-7)

Agassi (20-14)

Wilander (2-1)

Edberg (8-6)

Courier (16-4)

A carreira de Roger Federer será, num aspecto, definida pela rivalidade com Rafael Nadal. O espanhol, como se sabe, domina o confronto direto entre eles com 13 vitórias e 7 derrotas.

A propósito, Sampras e Federer só se enfrentaram uma vez (Wimbledon 2001), e Federer ganhou. Claro que não é uma amostra significativa.

Minha leitura é a seguinte: para encerrar (se é que isso é possível) a conversa, Federer precisa fazer duas coisas.

Ganhar mais um Grand Slam.

E, pelo menos, levar o confronto com Rafa Nadal a um nível competitivo. O ideal seria superar o espanhol, o que não parece provável.

Estejamos prontos para continuar o debate.



  • César

    André, acho dificil definir o “contexto de cada era” justamente pela presença de Federer. Grandes jogadores surgiram nos últimos anos além de Federer mas eles não conquistaram títulos importantes. E por que não ganharam nada? A resposta é: Federer. Para vencer, esses grandes jogadores precisavam derrubar o maior de todos os tempos; o que, convenhamos, não é tarefa fácil. A geração de Federer só parece inferior a de Sampras. A diferença real é o tamanho do ponto de referência. A diferença é que Federer é maior que Sampras.

    Até o tênis dos 2 é diferente. Sampras se impôs pelo saque e voleio. Federer tem um jogo muito mais variado e completo.

    Quanto a vantagem de Nadal, bem, como sabemos, ela foi construída no saibro onde o espanhol é, por ironia, o maior de todos os tempos. Nos demais torneios Nadal sempre foi um tenista normal e por isso poucas vezes enfrentou o Federer. Só recentemente, é que a frequência com que os 2 se enfrentaram em outros pisos aumentou. Justamente na pior fase da carreira de Federer (vale ressaltar que, na pior fase de sua carreira. Federer disputou todas as finais de Grand Slam dos últimos 12 meses ganhando 2 títulos além de ter chegado a semifinal dos últimos 20 Grand Slams).

    Mais ainda, é minha opinião que justamente a presença de Nadal é que confirma a superioridade de Federer sobre Sampras. Mesmo sendo contemporâneo do maior tenista no saibro de todos os tempos, Federer venceu Roland Garros. Um título que Sampras nunca chegou a disputar.

    Por fim, quem melhor que Sampras para acabar com a discussão:
    “Não importa se ele tivesse ganho ou não em Roland Garros, ele já era o maior de todos os tempos. Isto só confirma.” Pete Sampras, Jun/2009.

  • Alexandre

    Acho que é por aí, André.
    A favor do Federer: tem mais Masters, terá mais Grand Slams, ganhou em Roland Garros.
    A favor do Sampras: jogou contra mais gigantes e predominou sobre todos eles.
    Pega mal para o suposto melhor de todos que o único monstro que o enfrenta tenha um retrospecto de 13-7.
    Isso sem falar no Rod Laver…

  • Vinicius

    Olá André, respeito a sua opinião mas para mim ele se tornou o maior da história (coloco os pontos a favor)…

    1- Ele é o tenista com o maior número de grand slans (junto com o Sampras)- mas tem totais condiçoes de passa-lo,

    2- Só ele e o Agassi conquistaram os 4 em superfícies distintas,

    3- o que que tem maior número de finas de grand slam (junto con o Ivan l.) – tb tem totais condiçoes de passa-lo,

    4- o único que chegou a 20 semifinais consecutivas de grand slam,

    5- o que tem o maior número de masters (empatado com o Nadal) – essa briga vai ser boa de acompanhar,

    6- o único a conquistar 5 vezes consecutivas 2 grand slans,

    7- e principalmente porque todos os gênios do tenis falam isso (Agassi,Sampras.Laver,Nadal…)

    o ponto contra que mais pesa é o historico contra o Nadal, mas acredito que ele sem a pressão que tinha pode reverter isso.

    Agora torço para o Federer ganhar Wimblendon para se isolar no número de grand slans conquistados (com o Sampras entregando a taça) e para o Nadal conquistar o Us open…Se isso acontecer esse ano se tornará mais histórico ainda…

  • Jovaneli

    Outro assunto: André, parabéns pelo que você falou na ESPN Brasil a respeito de André Santos como possível substituto de Kleber. Aliás, falou ontem. Antes de qualquer um.
    Hoje, outras emissoras começaram a falar mais fortemente sobre o assunto. Parece que o amigo está prestes a confirmar um furo. Parabéns pelo trabalho!

  • Mário Penna

    Pois é, André, agora começamos a falar a mesma lingua. Vou acrescentar ao que disse ontem: quantos destes títulos e vitórias teria o Federer se fosse contemporâneo da turma McEnroe, Borg, Connors e Ashe? E quantos teria contra esta outra turma que você nomeou? Eu, particularmente, acho que ele poderia até entrar na turma, mas dificilmente seria o melhor em nenhuma das duas. Esse tipo de afirmação ou discussão não tem o menor cabimento.

    AK: Eu acho que tem cabimento, sim. Prova disso é que todos os grandes jogadores do passado, recente e distante, deram declarações sobre o assunto. John McEnroe é um dos meu ídolos no esporte, mas não tenho dúvidas de que Sampras foi melhor do que ele e todos os seus contemporâneos. A questão está entre Sampras e Federer. E o fato de Federer ter vencido todos os Grand Slams é crucial. Um abraço.

  • Gabriel

    André, podemos fazer uma analogia Senna x Schumacher, Senna foi tri-capeão contra Piquet, Prost, Mansel… e Schumacher contra Rubinho?
    Abraços

  • José A. Matelli

    O Guga, com a autoridade de ser o único tenista que ganhou de Sampras E Agassi no MESMO torneio, acha Federer o melhor.

    AK: Praticamente todos os tenistas e ex-tenistas dizem isso. É outro ponto a favor do suíço.

  • José A. Matelli

    Ah, e Guga, já em fim de carreira, ganhou de Federer também.

  • David

    Olha, Andre, eu particularmente acho q o sucesso num confronto direto contra o maior rival, embeleza o feito do protagonista em questao e tao somente. Como tbm isso de certa forma diminui um pouco do tamanho dessa supremacia, deixando um gosto amargo… MAS… nao serve como prova de nada na hora de comparar esse e outro mito.

    Eu acho q o Federer poderia facilmente ter outros rivais do nivel dos contemporaneos do Sampras e bate-los todos da mesma forma.

    Assim como acho que o Sampras poderia ter tido o seu “Nadal”, akele rival que aprendeu a vence-lo se tornando akele tipo especialista em anular o seu melhor e se aproveitar das suas fraquezas.

    Isso é algo comum até em outros esportes onde por estudo do adversario, motivação extra ou encaixe de jogo, uns se tornam aquela pior pedra no sapato de um adversário especifico.

  • Anna

    Gosto muito do Pete Sampras mas Federer será o melhor de todos. Também falam isso do confronto Senna e Schumacher, que Schumacher teria enfrentado adversarios menos competitivos, mas o arsenal de Federer é maior. Os meus preferidos sao Ivan Lendl,Boris Becker e agora Rafael Nadal mas Federer é excepcional. Ele joga com facilidade, flui. E que bom que podemos vê-lo.

  • fabio

    Acredito que o jogo do Federer é mais bonito do que do Sampras.
    E o jogo do Sampras é mais eficiente do que do Federer.
    Sampras não deixava o adversário jogar . Os dois saques deles eram perfeitos e a sua subida a rede mortal
    Já o Federer tem um jogo mais dinâmico , a sua movimentação dentro da quadra é fantástica e tem uma munheca para dar qq efeito na bolinha.
    Para assistir prefiro ver o Federer.
    Portanto para mim o Federer é mais jogador.
    Abs Fabio

  • Willian Ifanger

    Eu tenho uma outra visão sobre o assunto.

    Situação: você está num restaurante jantando e de repente entra o Federer no recinto. Eu iria olhar, cutucar os caras da mesa, esposa, filhos, quem estiver junto…..”Olha que entrou ali…..Roger Federer…..esse cara é fod%@$”. Até iria tentar pegar um autógrafo.

    Outra situação: você está num restaurante jantando e de repente entra o Sampras no recinto. Eu teria o tempo de olhar, se jogar no chão e me joelhar, reverenciando o cara (ou pelo menos deveria fazer isso…..hehehe).

    Enfim, acho que tem algo a mais aí. Só números é muito frio, por mais que eles mostrem um realidade indiscutível. Acho que pro cara ser o melhor do mundo além de números fantásticos, tem que ter uma genialidade que aparece durante os jogos e você nunca mais esquece. Aquele momento decisivo que ele resolve o jogo….aquela virada sensacional…..sei lá.

    E eu sou fã incondicional do Federer e torço pra ele ganhar tudo. Só que, pra mim, ainda não apareceu aquele toque de gênio.

  • O Sampras teve um “carrasco” como o Federer tem o Nadal?

  • leonardo atleticano

    André, acho que discutir quem foi melhor entre Federer e Sampras vai ser muito cansativo, quem escolher um ou outro está cheio de razão, são dois monstros que parecem empatar até na diplomacia. Vamos perder muito tempo e energia para não chegar a uma decisão final, unânime nunca será. Proponho avaliar quem foi melhor, Senna ou Rubinho? Acho que vamos ter menos dircursão.

  • Luiz

    Ali embaixo falaram que o jogo do Federer é mais bonito e o de Sampras mais eficiente. Pois bem, eu discordo em muito. Na pior fase da carreira dele e o que vemos agora é um Federer que está fazendo o jogo bonito. Na fase em que ninguém ganhava dele, só o Nadal no saibro, ele era um jogador extremamente agressivo. Subidas na rede em momentos cruciais, ninguém conseguia ganhar. Ano passado e final do retrasado ele começou a trocar mais bolas no fundo da quadra e as vitórias foram diminuindo. Não foi este o ponto crucial da queda dele, mas foi um dos pontos a ser avaliados. Acho que o comportamento do Federer agora vai ser importante para avaliarmos isso. E outra. Nunca nos esqueçamos que não existe só o Nadal, tambem temos o Djokovic e o Murray, além do que na minha opinião é o tenista mais talentoso do circuito que é o Nalbandian. Mas enfim. O suiço é bom…

  • Mário Penna

    Venceu sim todos os Grand Slams, mas contra quem?

  • Mário Penna

    A verdade é que o tênis, assim como o box vem atravessando há tempos uma crise de talentos. Ganhar torneios contra ninguém é bem mais fácil.

  • Leandro Thome

    Uma coisa que me chamou atencao nessa conversa, foi que o Rod Laver (considerado pela imprensa especializada mais antiga como o melhor de todos os tempos) foi probido de jogar torneios por um periodo de 4 anos e ainda assim ganhou os 4 grand slams no mesmo ano por 2 vezes e terminou com 11 GS.

    Isso eh impressionante… imagina quantos mais ele nao teria ganho nesse periodo? Pq do msm jeito que se fala em competicao entre as epocas diferentes, pode usar o famoso “SE” nesse caso tb.

    Abraco e desculpa pela acentuacao faltando.

  • Paulo Cunha

    Acho difícil precisar quem seria o melhor, mas,como bem lembrado por você, Sampras competia com mais jogadores de alto nível do que Roger hoje. Afinal,na minha opinião, não existe comparação entre Agassi e Djokovic ou Becker e Roddick, num exemplo besta, para não citar outros.

  • Pessoal,

    recomendo lerem um post sobre isso no blog do Paulo Cleto, no IG.

    Fora que ele “previu” isso.

    Abraço!

  • Leao

    Neste domingo, Sampras disse à Associated Press que “agora que ele ganhou em Paris, eu acho que isso solidifica seu lugar como o maior tenista da história”.
    Passa a régua e fecha a conta.

  • Luciano

    Quem é o melhor? posso te responder na musica mais gaudéria dos pampas!!

    ” Não me perguntes onde fica o alegrete, segue o rumo do teu próprio coração”…….

    Não me pergunta isso… é claro que o FEDERER É MELHOR!!!!!

  • Rafael

    André, acho que o comentário do César resume tudo: contra Nadal, se retirarmos o saibro – que nunca foi a especialidade do suíço não obstante sua enorme versatilidade – Federer está na frente em confrontos: 3 x 2 (Wimbledon 2 vezes, Masters 2006 x Australian Open e Wimbledom). Além disso, Rafa mostra claras dificuldades no piso sintético, onde raras vezes se sobressaiu: tirando 2 ATP’s do ano passado e o AO/09, Rafa sempre nadou e nadou até morrer na praia para tenistas com menos recursos que ele. E outra: Se analisarmos os Grand Slam como parâmetro, é covardia: Federer em todas as semis há 3 anos e 19 finais, contra metade de Nadal. Realmente no saibro há uma diferença ainda grande, mas fica ainda mais incrível saber que Federer é o único tenista no circuito a derrotar Nadal duas vezes no saibro e, neste ano, vencer os 2 maiores torneios do piso preferido do adversário. Ele é, incrivelmente, o 2º melhor de um piso que nem é sua especialidade. O destino ajudou, mas acho que sem a pressão de recordes e títulos poderemos ver o Federer de 2006 – avassalador. Sobre o melhor de todos, um lembrete: fora Agassi, só Federer venceu todos os Slam em 3 pisos. Laver, tido como o maior antes e no início da Era Aberta, venceu o Slam apenas na grama e no saibro – o UO, AO e Wimbledon eram sobre a grama. Sampras jamais passou de uma semifinal em Roland Garros. E Agassi, um dos grandes gênios do esporte, demorou oito anos para vencer em RG. Federer “só” precisou de 5 anos, isso enquanto acumulou diversos outros Slams.

  • Joao Luis Amaral

    (Eita nóis, deu erro quando cliquei em enviar… vamos tentar de novo – não vai ficar igual à anterior, mas o raciocínio está próximo)

    Velhas e intermináveis discussões, André!

    1. Schumacher ganharia 7 campeonatos se o Senna não tivesse sofrido aquele acidente em 94?

    2. Sampras é (foi) melhor que Federer?

    3. Pelé ou Maradona?

    Todos eles são (foram) ícones em suas épocas, geniais, mas infelizmente foram separados pelo tempo ou circunstâncias… a melhor resposta é: NUNCA SABEREMOS!

    Do meu lado, não sei nem dizer se “Tostines vende mais porque é fresquinho, ou se é fresquinho porque vende mais”… imagina então se vou entrar numa discussão dessas…

    Grande abraço,
    Joao Luis Amaral

  • Lenilson Araujo

    Se o Sampras conseguisse chegar a 4 finais de Rolang Garros seguidas e encontrasse um Nadal (em três delas), com certeza teria desvantagem no confronto direto. Com essas vitórias seguidas sobre o Federer na quadra de saibro, o espanhol ganhou confiança e conseguiu derrubar o suiço em outros pisos também. De qualquer forma, é difícil dizer quem foi melhor. O Sampras e o Agassi acham que foi o Federer. Como bem definiu outro leitor (Fábio), o jogo do Roger é melhor de assistir, portanto eu também voto no Federer. Ele chegou a 4 finais seguidas na França, sem falar na semi-final que tb foi elimidado pelo Nadal. E só não ganhou todas, porque encarou um fenômeno do saibro, chamado Nadal. Outra boa discussão é se o Nadal foi o maior jogador no Saibro de todos os tempos. É verdade, o Guga também ganhou do Federer, mas foi no Saibro, onde o Guga era excepcional e num momento em que o suíço começava a aprender a jogar nesse piso, embora o momento do Guga fosse de decadência, mas ainda sim, era o Guga dando seus últimos suspiros.

  • Rodolfo

    E quem garante que sem um Federer, alguns bons tenistas atuais (djoko, murray, etc…) não se mostrariam “grandes”, mas são apenas ofuscados por um cara fora do comum.

    O debate entra no mesmo ponto quando entre o schumacher. “mas ele não teve grande concorrência”. Mas também pode ser que essa concorrência tinha grande qualidade e ele passava por cima.

    Quanto ao Federer x Nadal. Tem que levar em conta os jogos nas diferentes quadras. É obvio que o Nadal é um monstro no saibro e o Federer é apenas ótimo (4 finais de RG não é pra qqr um). Só a partir de wimbledon do ano passado que o federer começou a perder pro nadal em outros pisos.

  • Anna

    Joao, Senna e melhor que Schumacher. Ainda mais que em 94 qdo ele morreu, o piloto alemao ganhou um campeonato de forma irregular. Pela idade que Senna tinha, Schumacher bateria os recordes do brasileiro, mas talvez nao ganhasse os sete títulos. Vale a pena ler na Superinteressante de junho o que aconteceria com Senna se nao tivesse morrido. Pele foi melhor que Maradona e Federer será melhor que Sampras e isso a Historia dirá. O proprio Pete ja admitiu isso. Grande abraço, Anna

  • Josildo

    Vamos aguardar Wimbledon e depois da final teremos mais argumentos para definir quem foi o melhor tenista de todos os tempos.

  • Pedro Valadares

    Federer é o melhor, na minha opinião, porque joga mais bonito! A seleção italiana bateu a seleção brasileira em 82, isso, contudo, não quer dizer que a seleção italiana era melhor que a brasileira. Apenas, o jogo do Brasil não encaixava com o da seleção italiana.

    Acho que a mesma situação acontece entre Nadal e Federer. Federer é o melhor mas seu jogo não encaixa com o do espanhol. Rafa tem excelente preparo físico incrível controle metal e MUITA raça. Porém, o jogo de Roger é muito mais bonito, pelo menos eu acho!

  • David

    Acho que, em esportes com estruturas estáveis, dá pra dar um caráter mais racional a discussão de bar. O melhor exemplo disso é o caso do baseball, com seus números, estatísticas e recordes. Vale também, em menor tamanho, pra NBA e NFL. E é o caso do tênis moderno.

    Se é possível estabelecer um critério, a discussão muda de “quem foi o melhor” para “qual o critério”.

    No tênis, os títulos são um critério justo, porque as regras são as mesmas, os Grand Slams são os mesmos, os Masters também. Então podemos dizer que quem ganhou mais é o melhor.

    Pelé vs Maradona? Não é justo comparar. Primeiro porque o futebol é um esporte coletivo, portanto é mais justo comparar equipes. Jogador vs jogador só dentro de uma mesma realidade, na mesma posição. Deixando isso de lado, os dois jogaram campeonatos diferentes. Pelé nunca jogou um Campeonato Italiano, tampouco Maradona jogou um Campeonato Paulista. Nos resta as Copas do Mundo. Nesse caso, Pelé ganha. Mas seria assim se ele jogasse pela Zâmbia, sem o resto dos brasileiros para jogar junto? (Só pra constar, Pelé pra mim é Deus, e entre Maradona e o segundo lugar tem uma meia dúzia de Cruyffs e Beckenbauers.)

    Comparar jogadores de épocas diferentes no futebol nos leva a questão física. Em todos os esportes houve evolução, mas nos de contato isso foi mais relevante. De novo temos o baseball como exemplo, onde se compara um jogador de hoje com um da década de 30, sem ter que ouvir “mas naquele tempo os zagueiros não quebravam tanto, o jogo não era tão físico”. Embora também não houvesse esteróides. Pra mim, os 81 pontos de Kobe Bryant são muito mais que os 100 de Chamberlain. Mas dá pra comparar Ronaldinho Gaúcho com Friedenreich? Messi com di Stéfano? De novo, Pelé com Maradona?

    Há também o aspecto da beleza no esporte, da arte. Isso, pra mim, é um critério válido, e tão subjetivo quanto se pode ser (só pra ilustrar, prefiro perder com a seleção de 82 do que ganhar com a de 94, opinião que muitas pessoas não conseguem nem entender). Jordan não é Jordan só pelos números.

    Pra maioria das pessoas, melhor é o que ganha, como se fosse uma verdade absoluta. Na verdade verdadeira, a vitória é só um critério. Numa discussão sobre “quem é o melhor”, podemos estabelecer outros. Os donos de bar e os cronistas esportivos agradecem.

    P.S.: Federer é o melhor de todos os tempos. E Nadal vai poder dizer aos netos que o melhor era freguês.

  • Márcio Uchôa

    Concordo com o Pedro.
    Federer tem o jogo mais completo e bonito jamais apresentado por um tenista.
    Ele não é nem de longe tão forte, raçudo e veloz quanto o Nadal. Não tem um par de serviços tão avassalador quanto Sampras. Nem vamos falar da regularidade e resistência do melhor Agassi… ainda assim tem uma munheca, uma elegância e uma variação de golpes que o coloca adiante de todos!
    Quanto às comparações com os tenistas de hoje… bem, eu acompanho tênis a uns 30 anos… Courier por exemplo não é em NADA melhor que Murray… Lendl não conseguiria JAMAIS acompanhar o ritmo frenético de Djokovic em quadra… Becker seria MASSACRADO constantemente pelos excelentes jogadores de fundo-de-quadra que temos hoje em qualquer piso que não a grama ou o carpete. Wilander e Edberg eram excelentes com características diferentes, porém nunca brilhantes… Só colocaria em um nível próximo aos reis do tênis atual o Bjorn Borg que tinha um jogo sólido, uma força mental e um preparo físico comparável ao melhor de Nadal (isso há quase 30 anos) e o John McEnroe pela sua versatilidade e técníca (quase comparáveis ao próprio Federer, porém ainda um degrau abaixo). O tênis atual não tem jogadores brilhantes??? amigos, é só o que tem!!!
    Fora isso, dizer o quê? Dá-lhe Federer!!! ( e eu não gostava dele até há uns 3 anos… mas como não se render a genialidade do cara? ).
    Parabéns, e continue nos brindando com o melhor tênis jamais jogado…

  • Edney Vieira

    Olá Andre. Essa discussão é a mesma sobre os ídolos do passado e do presente, mas no futebol. Entretanto, se quiser usar critérios objetivos, claro que o Federer é o maior pois igualou as melhores marcas de sempre, e tem tudo para as ultrapassar. Assim não teriamos mais dúvidas. E quanto aos confrontos, sinceramente acho que o Nadal poderá ao longo de sua carreira se colocar como um dos grandes também, e pensando em hipotéticos encontros de Nadal com Agassi, Sampras, Edberg, Villander, Lendl, acho que TODOS eles sofreriam muito com as raquetadas do espanhol. Neste aspecto acho que o Federer foi quem topou com o mais “enjoado” dos adversários, tanto fisica como mentalmente. Eu fico com a opinião dos especialistas, tanto os que jogaram quanto aqueles que conhecem bem o esporte, e me parece que há uma tendência muito grande a se considerar o Federer como o maior de todos os tempos, com o que, aliás, eu concordo. Sou fã do estilo de jogo do Federer, e muito também por sua postura quando perde e mesmo fora das quadras. Grande Abraço, Edney

  • Leonardo

    Fala, André!

    Me permita colar aqui o texto que se encontra na Wikipédia a respeito do Rod Laver, que eu achei interessante para o debate sobre quem é o maior.

    “Rodney George “Rod” Laver (9 de agosto de 1938, Rockhampton, Austrália) é um ex-tenista australiano. Ele é o único tenista da história a ter vencido todos os 4 torneios do Grand Slam em simples na mesma temporada em duas ocasiões distintas – primeiro como amador, em 1962, e depois como profissional, em 1969. Por tal façanha, Laver é considerado por muitos fãs de tênis o melhor tenista de todos os tempos. A quadra central do Open da Austrália é, em sua homenagem, chamada de Rod Laver Arena. Muitos dizem que Pete Sampras e Roger Federer só detêm o recorde de títulos de Grand Slam (14 títulos), porque Laver (11 títulos) foi impedido de jogar entre 1964 e 1968 por ter se tornado um tenista profissional, sendo que, naquela época, os torneios do Grand Slam só podiam ser disputados por tenistas amadores. Em 1969 essa proibição foi retirada, o que deu início à Era Open.”

    Segue o link: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rod_laver

    abraço

  • João

    Sem discussão nenhuma, o Obina é melhor que os 2 ! Jogando com a mão esquerda !

    Abraços,

  • Leia a ‘entrevista’ exclusiva do treinador do Botafogo em: http://mundobotafogo.blogspot.com

    Abraços.

  • daniel kersner

    André,

    Espero que o argumento levantado por você sobre os adversários do RF seja apenas para polemizar. Federer enfrentou jogadores que eram numero 1 do mundo, na época, Roddick, Hewitt, entre outros top e simplesmente triturou TODOS.

    Este ponto, ao invés de diminuir, aumenta o valor do que ele fez ao longo dos ultimos 5 anos. O cara já praticamente igualou todos os maiores recordes e tem APENAS 27 anos.

    Aliado a isso durante a decada de 90 ainda era muito claro que os jogadores eram jogadores de 1 piso só. Hoje varios entre os top ten jogam pelo menos em 2 pisos muito bem.

    O que me incomoda muito é o fato de não se perceber e dar credito para o que está sendo feito cmo historia. Teremos que esperar oc ara parar para com o tempo (e a perda de detalhes) celebrar o cara como o maior de todos.

    Borg, Mac, Connors entre outros (dos maiores) já disseram. E esses caras jogavam (e muito).

    Porque contraria-los?

    E o detalhe mais importante. Tecnicamente, quem foi melhor do que RF?

    Viu? por isso ele é o melhor. E será até que exista outro que faça mais do que ele.

    AK: Acho bobagem escrever uma letra que seja, com o único objetivo de polemizar. Esse assunto vem sendo debatido no mundo inteiro. Sobre os adversários de Federer, cada um tem direito a uma opinião. Mas eu acho que é evidente que não dá para comparar os de Sampras: Lendl, Becker, Agassi, Wilander, Edberg… com Roddick, Hewitt e… (quem mais?). Ao mesmo tempo, não acho que seja justo penalizar Federer por algo que foge ao controle dele (o mesmo se diz sobre Michael Schumacher). Federer não pode jogar tênis em outra época, enquanto a máquina do tempo não for inventada. Um abraço.

  • Rodrigo

    Esse é o tipo de tópico que dá gosto de ler, inclusive as opiniões dos internautas. Vou dar meu pitaco também. Como muitos disseram, essa discussão remete à outros casos: Senna x Schumacher no esporte, assim como na música, com Beatles x Stones e, mais recentemente, Oasis x Blur e, num “duelo” caseiro, Legião x Engenheiros. Alguém já tentou convencer um fã de Beatles que Stones é melhor? Assim como quem gosta de Legião, acha Renato Russo um guru, tem gente que acha Gessinger o papa do pop. Acho que dá pra ser assim: PREFIRO Senna a Schumacher, gosto mais do estilo dele pilotar. Assim como PREFIRO Federer a Sampras, pois acho o jogo de Federer mais bonito de se ver. Fica mais legal dizer que “gosto” mais de “A” que de “B”, sem querer dizer que “A” seja MELHOR que “B”.

  • Vcs jornalistas e seus saudosismos. Wilander, Edberg e Courier eram jogadores comuns, do mesmo naipe de Djokovic, Del Potro, Davydenko, Murray e Roddick. Sampras foi um monstro (não a toa venceu 14 Slams), mas o Federer é o maior de todos, é o Pelé do tenis.

    AK: Eu ia deixar seu comentário passar batido, pois é um claro resultado da (perigosa) mistura de desconhecimento com arrogância. Mas certas barbaridades precisam ser contestadas.

    Wilander, Edberg e Courier foram número 1 do mundo. Entre eles, há 16 (7 para Wilander, 5 para Edberg e 4 para Courier) títulos de Grand Slam.

    Entre Djokovic, Del Potro, Davydenko, Murray e Roddick, há apenas dois (Roddick e Djokovic).

    É realmente assustador que alguém que pretensamente gosta de tênis, ignore que Mats Wilander foi um dos maiores tenistas da história. Ele apenas não ganhou Wimbledon, mas foi campeão do Australian Open quando o torneio era disputado na grama. Em 1988, venceu em Melbourne, em Paris e em Nova Iorque.

    Você simplesmente não sabe do que está falando.

    Um abraço.

  • Joao Luis Amaral

    Anna, obrigado pelo comentário!
    André, com licença para usar o seu espaço.

    Anna, eis a questão: são todas (infelizmente) TEORIAS, recheadas de “SE”s e “SERÁ”s. Existem inúmeros argumentos válidos tanto para formarmos uma opinião (por exemplo, Senna foi sim melhor que Schumi, era mais técnico, mais agressivo, sabia tocar o carro melhor – eu também acho!), quanto para derrubá-las (outro exemplo: como Senna se adaptaria aos novos câmbios, mudanças de regras, tecnologias como suspensão ativa, menos cavalos, sem turbo, sem pneu liso, etc. Correria até hoje? Pararia no ano seguinte?). Não li ainda a matéria da Super, mas prometo fazê-lo.

    Pelo lado de Pelé vs. Maradona (e creio que podemos incluir aí até algum jogador em atividade para esquentar a discussão), mudou demais o nível de preparação física entre as épocas, a forma de jogar, a marcação, os esquemas, o material esportivo – daqui a pouco a chuteira vai CORRIGIR o chute errado do atacante… o que no caso do Souza, no meu Timao, seria formidável. Mas já pensou se aqueles dois primeiros jogassem hoje em dia? Seriam geniais? Seriam melhores do mundo? Se o Pelé utilizasse a mesma força de chute daquele tempo numa bola de hoje, ela entraria em órbita… ha ha!

    E o tênis? Raquetes de grafite, de titânio, de carbono, cordas que devolvem a bola com velocidade maior e ainda tocam Mozart. Sampras disse que Federer é melhor? Mostra que, além de um gênio no esporte, o cara é também um baita “gentleman”…

    Pior: esse raciocínio serve para qualquer esporte… Será que sem os maiôs que imitam pele de tubarão os recordes seriam batidos tão facilmente nas Olimpíadas?

    Não sei se consegui ser claro, mas entendo ser este um assunto TÃO amplo, tão cheio de variáveis e condições, que simplesmente fica impossível cravar uma resposta definitiva (pelo menos, eu vejo assim!).

    E é exatamente isso que torna a discussão tão divertida!

    Mais uma vez, obrigado e grande abraço,
    Joao Luis Amaral

  • Gustavo Oliveira

    Posso estar muito enganado, mas se mantiver o níve do seu tenis, o Rafa ainda alcança o feito dos dois gigantes, com chances de deixá-los para trás. O cara é tão forte e tão competitivo, que mesmo sendo menos brilhante técnicamente pode chegar lá.

  • Ricardo Inocencio

    Fala André…

    Eu penso que o Federer é genial, competente, bom de bolinha (a amarelinha, lógico) e supercampeão.

    Mas como só há um Federer, também só houve um Sampras, um Guga, um McEnroe, um Nadal e etc…

    Não sou muito a favor desses debates quem foi o melhor de todos os tempos, porque o tempo sempre anda…eu acho que podemos dizer que existiram OS melhores, porque colocar um acima de outros ??? Só pra ver quem é maioria na mesma opinião ??

    Sampras foi o melhor na sua época, McEnroe na dele e Federer é atualmente o melhor da sua era, levando-se em conta a sua carreira.
    Cada um tem seu lugar cativo na história, assim como em outros esportes individuais como o Phelps, Spitz, Carl Lewis, Bolt, Tyson, Muhamad Ali e etc, etc, etc…(sem falar em esportes coletivos).

    Ah, e além do Nadal, se não me engano o Federer é freguês do Nalbandian também (acho que 8-7 pro argentino ou empate na pior das hipóteses).

    Abraço,

  • Pedro Carvalho Neto

    Andre

    o argumento é perfeito, se o Federer nao tem um record positivo contra o principal competidor do seu tempo, ele nao é o maior de todos os tempos.

  • Carlos Henrique

    Botando os pingos nos ‘i’s’

    1 – Pelé x Maradona? Pelé
    2 – Senna x Schumacher? Schumacher
    3 – Federer x Sampras? FEDERER

    Só isso.
    Um abraço!

  • César

    Vou dar mais um pitaco.

    Federer não é o melhor de todos os tempos pq tem 14 Grand Slam. Ele é o melhor de todos os tempos pq sobra, jogando bonito, no tênis mais competitivo de todos os tempos.

    Prefiro não comentar sobre o jogo de Laver pois não o vi jogar. Mas vendo videos da época de Laver posso dizer: não há como comparar os esportes. O tênis da época não tinha a velocidade nem a força de hoje. O jogador tinha “anos” para pensar qual a melhor jogada. Mas ele foi, com certeza, o melhor de sua época e poderia ter bem mais que 11 GS.

    Já Sampras eu vi jogar e posso dizer, ele levou a perfeição o jogo saque-e-voleio. Mas, seu histórico positivo contra as lendas mencionadas pelo André se deve, em boa parte, por ter enfrentado a maioria em fim de carreira. Apenas Agassi e Becker são realmente contemporâneos de Sampras. E se Federer tem um retrospecto negativo contra Nadal, Sampras tem retrospecto negativo com jogadores menos famosos como Richard Krajicek (4-6) e Sergi Bruguera (2-3) além de um histórico apertado contra Wayne Ferreira (7-6), um jogador que nunca venceu um GS.

    Hoje o clássico saque-e-voleio que imortalizou Sampras e seus contemporâneos está morrendo. Isso, apesar do fato que qualquer “zé-ruela” sacar a 200km/h. Hoje, entre os tops, apenas Roddick ainda baseia seu jogo no saque-voleio e, não por coincidência, é o maior freguês de Federer. Para jogar hoje, Courier, Lendl, Becker e companhia teriam que melhorar muito o preparo físico além de variar mais o seu jogo. Prova disso foi Agassi que, para voltar a vencer, teve que adaptar seu jogo e se recondicionar fisicamente.

    Por isso, dizer que Federer não é o melhor porque não teve que enfrentar grandes jogadores é ignorar essa evolução do tênis. Os tenistas estão cada vez mais fortes, rápidos e, portanto, melhores. Para vencer hoje, um tenista precisa ser completo. Se eles parecem piores é porque nossa referência mudou. Antes a nossa referencia era Sampras, um dos maiores de todos os tempos, e hoje é Federer, O maior de todos os tempos. Infelizmente, perto dele todos parecem ser mais um “mané” e com ele em quadra não sobra título para muita gente!

    Por fim, repito, a exceção é Nadal. Justamente ele é a maior prova da superioridade de Federer. Mesmo sendo contemporâneo do maior jogador no saibro de todos os tempos, Federer ganhou um RG.

  • Guilherme Calciolari

    André, tem um artigo sobre isso no Page2, do ESPN.com (estou no trabalho, senão passaria o link)

    Lá fizeram um sistema de pontuação que leva em conta os títulos, as finais, as disputas contra outros grandes e a consistência, entre outras coisas.

    Não lembro exatamente como ficou, mas o líder foi, surpreendentemente, Jimmy Connors.

    Recomendo a leitura, senão para concordar, mas porque o artigo é bem feito.

    Abraço

  • Rodrigo

    Guilherme, permita-me colocar o link por aqui: http://sports.espn.go.com/espn/page2/story?page=tennis/090608 . Vale a pena ser visto. É, no mínimo, interessante.

  • Marcos Nowosad

    Andre’, o texto esta’ otimo, mas somente uma correcao.

    Dizer que a cada semana o Sampras tinha que enfrentar um Ivan Lendl, Boris Becker, Andre Agassi, Mats Wilander, Stefan Edberg ou Jim Courier e’ apenas parcialmente certo.

    Ate’ 1993 o Sampras tinha uma carreira normal, com apenas um Grand Slam (1990 – US Open). Quando ele comecou a realmente a se destacar (a partir de 1993), jogadores como Ivan Lendl e Mats Wilander ja’ tinham praticamente se retirado de cena e jogadores como Boris Becker e Stefan Edberg comecaram a entrar em decadencia.

    Isso nao e’ para desmerecer o Sampras (baita jogador de tenis, um dos melhores da historia), mas para esclarecer que o Sampras nao ganhou esses titulos em cima da galera toda.

    Seria como dizer que o Federer ganhou todos esses titulos concorrendo com o Sampras, o Agassi e o Gustavo Kuerte, quando esse jogadores na verdade ja’ estavam em declinio quando o Federer comecou a se destacar.

    O Sampras foi o melhor de uma geracao que tinha Agassi, Courier, Gustavo Kuerten, Michael Chang, Patrick Rafter.

    Ivan Lendl, Mats Wilander, Boris Becker e Stefan Edberg sao jogadores de uma geracao anterior, contra a qual o Sampras nao chegou a medir forças.

  • Fred

    Num hipotético jogo entre Rod Laver e Federer,ambos no melhor de suas formas, seja qual fosse o piso, daria Rod. Se fosse no saibro, então, nem se fala…

  • Lucas

    No tenis, a diferença entre jogar bem e jogar mal pode estar do outro lado da quadra. Foi o Nadal que jogou curto ou o Soderling que massacrou-o com bolas fundas e rápidas? Causa e efeito, efeito e causa. Tostines, alguém citou por aqui…
    Já vi muitos chegarem demolindo e sumirem na hora de enfrentar o Federer. Del Potro no AO, Djocko e Murray no US Open, pra falar dos recentes. Pra mim, os poucos GS dos outros tenistas atuais tem nome e sobrenome: Roger Federer.
    E nesta estou muito bem acompanhado: os principais tenistas, de hoje e de ontem, os comentaristas dos principais veiculos que cobrem tenis, a maioria dos post daqui… Tá certo, Nelson, toda unanimidade é burra, e é justamente pra isto que serve o Nadal, pra dar graça e polêmica nesta questão. O Sampras foi fantástico, mas fico aqui com a Navratilova, comentando o jogo de Wimbledon entre os dois, em 2002: marcou a passagem entre o melhor de todos os tempos até aquele momento e um novo reinado…

  • Teobaldo

    Sempre fui fã do Borg, e para mim ele foi o maior. Neste debate que, tomara, não acabe nunca, acho importante algum comentário sobre as raquetes que, como outros materiais do cenário esportivo mundial (bolas e chuteiras, no futebol; maiôs na natação, etc) sofreram grandes mutações face à evolução tecnológica. Saudações.

  • Fabio Siqueira

    Qualquer um desses que vc citou, perderia para o Bjorn Borg em sua fase áurea!

  • Ricardo

    15 Time Grand Slam Champion – Roger Federer.

    É sério…Agassi, Sampras, Bjorn, Rod, Lendl, Nadal…Me desculpem todos vcs…Mas contra fatos, não existe argumentos.
    Sou Sennista de coração!!!! Mas infelizmente o Schumi foi o cara q escreveu o nome na história como maior campeão de F-1 do Planeta. Foi causa da morte do Senna, pq não tinha adversário?? Foi sim!!! Mas fazer o q …Ele escreveu e ponto final..
    O Federer perdeu 13 vezes pro Nadal? E daí? Ele tem 15 Grand Slans. Coisa q ninguém tem!!
    Acabou…é sério…rs

  • Altaisio Paim

    FEDERER IS THE BEST. VIDE OS RESULTADOS.

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo