NOTINHAS PÓS-RODADAS



Começando, é óbvio, pelo fim do clássico paulista:

* Depois que Felipe levou um lençol do gramado e assinou a coautoria do gol de Diego Souza, o retorno gradual de Ronaldo ao futebol foi para o segundo plano.

* Quando Mano Menezes o chamou, sua recuperação, seus joelhos, seus pulmões e o amanhã, eram menos importantes do que o placar, a derrota quase certa, o hoje, e o agora.

* E Ronaldo, mesmo ainda distante do que pretende, não recusou o papel que lhe foi imposto, num clássico (Palmeiras 1 x 1 Corinthians: Diego Souza e Ronaldo) que teve sua marca e levou seu nome.

* O gol que ele marcou é o tipo de momento que as pessoas, quando lembrarem, saberão dizer exatamente onde estavam, com quem, como reagiram…

* Por isso vale uma quinta nota: num escanteio (do mesmo lado) pouco antes do gol, Marcão colou em Ronaldo no meio da pequena área e não o acompanhou até a segunda trave. A bola ficou curta, e o zagueiro tirou de cabeça. O lance do gol é muito parecido, só que a bola chega a Ronaldo, talvez porque Marcão achou que não precisava recuar dois passos. Detalhes.

* A segunda derrota seguida do São Paulo (2 x 0 para o Mogi Mirim: Marcelo Régis-2) não estava prevista, mas era um risco que o clube, em nome do que considera mais importante, quis correr.

* Está claro que, no Campeonato Paulista, o São Paulo pretende apenas estar entre os quatro primeiros, e depois ver o que dá para fazer.

* Não há sentido (além de ser injusto) fazer previsões a respeito de um jogador de futebol em plena adolescência.

* Mas se o que se espera de Neymar realmente acontecer, sua participação na vitória do Santos (2 x 1 no Oeste: Roni, Madson e Dezinho) deve ser lembrada como um dia histórico.

* Belo gol de Ibson (Flamengo 3 x 1 Cabofriense: Douglas, Anselmo Ramon, Ibson e Everton) na estreia rubronegra na Taça Rio.

* O domínio da bola já tirou o zagueiro do lance, e o goleiro só pôde olhar.

* Everton Santos fez o primeiro gol da nova “Era Parreira” no Fluminense (1 x 0 no Mesquita).

* Quem dirigiu o time foi o interino Gílson Gênio, mas o novo treinador estava numa cabine no Engenhão.

* Mesmo sem Reinaldo, machucado, o Botafogo abriu o segundo turno com vitória (3 x 2 no Tigres do Brasil: Juninho, Victor Simões, Leandro Chaves, Gabriel e Sorato).

* Victor Simões comemorou seu gol homenageando o ex-atacante Donizete, o Pantera. Mas vamos com calma na comparação entre eles.

* Golaço de Rodrigo Pimpão, na vitória do Vasco (3 x 0 no Friburguense: Carlos Alberto, Elton e Pimpão).

* E o passe de Fagner para Carlos Alberto foi meio-primeiro gol.

* O Cruzeiro (0 x 0 com o Tupi) passou em branco pela primeira vez em 2009.

* No segundo tempo, um chute de Wellington Paulista bateu nas duas traves. Como diz o outro, “faz parte”.

* O Atlético Mineiro, que virou o jogo (3 x 1: Allan, Éder Luís e Diego Tardelli-2) contra o Democrata, está três pontos atrás do líder.

* Mais dois de Tardelli, hein…

* Música repetida no Olímpico: a torcida quer ver Celso Roth pelas costas, após a derrota (Reinaldo, Rafael Pati, Polaco, Eraldo e Herrera) para o Santa Cruz.

* E é simples, nas palavras da diretoria: ou o Grêmio ganha na quarta-feira (Boyacá Chicó, pela Libertadores), ou Roth estará no mercado.

* O Internacional B abriu o segundo turno do Campeonato Gaúcho goleando (4 x 0: Andrezinho-2, Giuliano e Marcelo Cordeiro) o Veranópolis.

* O Inter está invicto no Estadual.



  • Bruno Costa

    Engraçado, eu fiquei com a impressão que Victor Simões comemorou o gol daquele jeito para satirizar com o adversário (Tigres). Mas não acompanhei nenhuma entrevista dele nem nada.

  • Lelo

    André, quando o Ronaldo fez o gol, subiu no alambrado, o que muito frequentemente leva os árbitros a darem cartão amarelo para o jogador. Além disso, o incidente danificou o alambrado, que caiu e inclusive poderia ter machucado diversas pessoas, foi necessária intervenção da polícia pra organizar o local.
    O árbitro, naturalmente, lhe deu cartão amarelo mas, na transmissão da globo, Arnaldo Cézar Coelho criticou com veemência o árbitro pela atitude, argumentando que ele nao tinha sensibilidade para perceber que era um momento histórico.
    Qual sua opinião sobre o ocorrido? O fato de um jogador ser famoso e espetacular lhe confere direitos especiais, e deve ser julgado de forma diferente dos outros jogadores?
    O que pensar de uma emissora que, por esse e muitos outros exemplos, toma partido de um time só? Sempre preferi as transmissões dos canais ESPN por serem imparciais…

    AK: O árbitro ficou numa situação difícil. Se é obrigação dele dar cartão amarelo para quem sobe no alambrado, a norma vale para todos os casos. E se não der o cartão, pode se prejudicar. Não sei se o chefe dele entenderia se ele dissesse: “não dei o cartão porque percebi que era um caso especial”. Complicado. Um abraço.

  • Jovaneli

    Você escreveu: “O gol que ele [Ronaldo] marcou é o tipo de momento que as pessoas, quando lembrarem, saberão dizer exatamente onde estavam, com quem, como reagiram…”

    Aí eu resolvo deixar o amigo André Kfouri em maus lençóis e pergunto:

    Onde estava, com quem e, principalmente, como reagiu na hora do gol de Ronaldo?

    Entenderei se não puder responder a minha provocação…hehehe

    Abraço!
    AK: No estádio, com mais 45 mil. Não acreditei. Um abraço.

  • Fábio Matos

    Só mesmo o Fenômeno para me fazer torcer pelo Corinthians, mesmo que por alguns minutos, como aconteceu ontem… E se chegar a 30% do que era, Ronaldo vai sobrar no futebol brasileiro. Esse é gênio da raça.

  • Joao Henrique Levada

    Dezinho, imagino como se sentiram os torcedores do Sport, ao ler o início deste post:

    “Começando, é óbvio, pelo fim do clássico paulista”

    O blog é seu e sabe que gosto de você. Mas a galera do Leão (principalmente aqueles que nunca estão satisfeitos) deve ter babado de raiva.

    Um abraço.

    AK: Eu acho que esse é um caso em que a diferença de repercussão é evidente. Um abraço.

  • André,

    Em dia de Fenômeno, só precisava falar Dele. Até o Sport você poderia esquecer que estaria perdoado.

  • Rodrigo Neves

    André,

    Gostaria da sua opinião sobre a exclusividade nas entrevistas dada pelo Fofômeno para a Rede Globo. Assisti ao final da partida pela Bandeirantes e um réporter da emissora conseguiu chegar ao Ronaldo para entrevistá-lo. O Ronaldo estava todo bravo e mal humorado com o repórter. Quando chegou o Mauro Naves, a expressão do dentuço mudou e ele abriu o maior sorriso e respondeu primeiro as perguntas da toda poderosa para depois atender a ralé. Qual o seu sentimento, como jornalista, a respeito da relação Rede Globo e Ronaldo?? Como fica o repórter de campo de um veículo de comunicação sem tanto poder $$$ para pagar por uma exclusiva??

    Abraços

    AK: Há um erro na sua análise: a TV Globo não paga para entrevistar o Ronaldo. Ele tem, realmente, uma predileção pela principal emissora do país. Seja pela noção, que não é exclusividade dele, de que “se eu falei para a Globo, falei para todo mundo”. Ou seja poque ele crê que a Globo é quem o trata melhor, no que diz respeito à vida pessoal. Uma das grandes mudanças que o Ronaldo sentirá, ao passar a jogar no Brasil, é exatamente o relacionamento com a imprensa. Na Europa, ele falava muito menos. Com o tempo, talvez ele reveja esse conceito. Mas talvez não. Mas que fique bem claro que nenhum jogador de futebol tem obrigação de atender os jornalistas. Um abraço.

  • Marcelo

    Que ano, hein? É superbowl, é gol do Ronaldo… Talvez os dois momentos mais mágicos do esporte no ano (na minha modestíssima opinião) vc tava presente…..q sorte! Parabéns.

    AK: E tomara que não fique “só” nisso, né? Obrigado e um abraço.

  • Saulo

    André, faltou apenas uma notinha.

    O Furacão sobra, no paranaense.

    Abraços

  • Silvio

    André, queria que você falasse do que achou do Palmeiras na partida, eu como torcedor achei que o time começou com um rendimento alto e depois do jogo com o Colo-Colo decaiu, você como profissional qual opinião tem? Pois a maioria dos comentaristas estão falando sobre o Ronaldo e Corinthians gostaria de saber como fica o Palmeiras, e o que achou do time em campo.

    AK: O Palmeiras teve menos posse de bola no primeiro tempo, mas criou a melhor chance (cabeçada de Maurício Ramos). Depois do gol de Diego Souza, o Corinthians se abriu a correu mais riscos. Era questão de acertar um contra-ataque, dos três que o Palmeiras teve. O clássico poderia, tranquilamente, ter acabado com 2 x 0. O futebol é assim. Um abraço.

  • Nívio

    André, se o Victor Simões não pode ser comparado ao Donizete (um caneludo de marca maior) é porque ele é um jogador limitadíssimo.

  • Willian Ifanger

    Incrível como ele, gordo, fora de forma, sem ritmo de jogo, etc, etc, etc…é hoje o melhor atacante em atividade no Brasil.

    Eu também não acreditei. Aliás, o palmeirense hoje está naqueles dias que futebol não pode ser assunto…….e, pro azar deles, o gol do Ronaldo passa em qualquer hora, em qualquer canal, por qualquer motivo.

    Se tivesse sido 1×1, mas com o gol aos 25 minutos do segundo tempo, não teria sido metade do que foi.

    E os deuses do futebol que escreveram esse capítulo da história merecem um Oscar por melhor roteiro original.

  • He he he… sabe o que eu pensei no lance do Ronaldo (depois de comemorar muito, claro)? “Pô, será que o André, assim como no SuperBowl, está por ali, a cinco metros da trave?”
    A piada aqui no meu trabalho foi que nenhum torcedor subiu no alambrado… foi só o peso do Ronaldo mesmo que fez a estrutura ruir…
    Grande abraço,
    Joao Luis Amaral

  • Edouard Dardenne

    Eu não tenho dúvidas que você realmente tem dificuldades em crer que é pago para cobrir eventos esportivos. E em eventos como o SuperBowl, ou o primeiro gol depois de um ano do Craque, isso alcança uma dimensão ainda mais incrível. Mas se você é corintiano (?), acho que o dinheiro que você receberá por ter trabalhado em março é para indenizar o sofrimento de ter que assistir com imparcialidade um acontecimento que comoveu – para dizer o mínimo – os corintianos acima de todos os outros admiradores do bom futebol. Se eu o invejo porque tem o emprego que tem, ontem foi dia de ser torcedor comum, mesmo.
    Eu assisti ao jogo na casada família da minha namorada – todos palmeirenses – e quando o gol saiu, deu para perceber que meu sogro me pagaria, se pudesse, para que eu nao estivesse tão feliz.
    Um abraço.

    AK: Cara, no topo da lista está o que é minha obrigação. Há pouquíssimas coisas que me incomodam nessa profissão, todas circunstanciais, e jamais reclamarei de cobrir um clássico. Mas a distância de casa me faz torcer pelo melhor jogo possível, aquele que gere mais repercussão, independentemente de quem vença. É mais ou menos assim: se eu estou longe da minha família, que seja para ver um jogaço, entendeu? Nos dois eventos que você citou, dei sorte. Obrigado e um abraço.

  • Anna

    André,também acho que você tem muita sorte. Merecida. Deus só dá a quem merece! Ronaldo tem estrela mas você também tem. 😉 Anna

  • Anna

    Ah… salvo o gol do Ronaldo que foi hors concours,o do Pimpao foi o gol nacional mais bonito da rodada!

  • BASILIO77

    O Pimpão é bom jogador. O apelido dele é que não ajuda, faz com que nunca seja levado a sério, e as brincadeiras sempre vem…mas o garoto é bom….desde o parana clube.
    Abraço.

  • Anna

    Basilio 77, é sobrenome,não é apelido! Ele joga bem mesmo, só não pode é se achar. Abraço.

  • BASILIO77

    é mesmo Anna??? kkkkkkkkkkkkkkkkkkk….então é melhor arrumar um apelido…rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs…..
    Mas o muleque é bão.
    Abraço!

  • recebi uma informação de um amigo que fez doutorado/mestrado na Espanha há uns anos atrás, segundo ele em um dos clubes que Ronaldo Fenômeno jogou lá, foram feitos alguns exames com ele, e um desses exames detectava a idade biológica (acho que é pelo tamanho dos ossos), pelas informações que foram extremamente sigilosas, descobriram que Ronaldo Fenômeno é um GATO DE 4 ANOS, será que até hoje ainda esta sendo escondida tal informação???Favor consultar suas fontes para ver se esclarece tal notícia.

    AK: Quatro anos? Isso signifca que ele teria nascido em 1972, certo? E quando apareceu no Cruzeiro, com aquela cara de menino, ele teria 21 anos e não 17. Você acredita? Um abraço.

MaisRecentes

Metamorfose



Continue Lendo

Classificado



Continue Lendo

Jogo real



Continue Lendo