BATENDO BOLA COM “O FILÓSOFO”



Gravamos hoje, na ESPN Brasil, um “Bola da Vez” com Jorge Valdano.

Aquele cara que marcou o segundo gol da Argentina, na final da Copa de 86?

É. Mas não só isso.

Valdano foi jogador, técnico e diretor esportivo do Real Madrid (cargo que pode voltar a ocupar em breve), onde ganhou tudo. Hoje é diretor-geral da Escola de Estudos Universitários do gigante espanhol, que forma gestores de futebol.

Uma parceria com a Universidade Anhembi-Morumbi foi o motivo de sua passagem por São Paulo.

Valdano também escreve livros, assina colunas em jornais, é o tipo de cara que a gente olha e estranha que tenha passado a vida – e assim continuará – no futebol. É verdadeiramente triste chegar a essa conclusão.

É dele a frase “Quem pensa que sabe tudo de futebol, nem de futebol sabe”.

O “Bola da Vez” (no ar no dia 07/03, um sábado, ainda sem horário definido) ficou sensacional, com opinião, informação, experiência e bastidores, na medida certa.

O relato da conversa que ele teve com Diego Maradona, no vestiário do Estádio Azteca, sobre o gol mais bonito da história das Copas, é simplesmente fantástico.

Será o tema da minha coluna de sábado, no Lance!.

Valdano acha que Messi é o melhor jogador do mundo na atualidade, que a Espanha tem de ser vista como favorita para a Copa de 2010, e diz que Romário (com quem trabalhou no Valencia) é o maior jogador que ele viu – depois que parou.

O maior com quem ele jogou, é desnecessário perguntar.

Esses são apenas detalhes de um programa que você precisa ver.

Valdano personifica tudo o que o futebol deveria ser.



  • Massara

    André,

    Só não entendi porque ele “é o tipo de cara que a gente olha e estranha que tenha passado a vida – e assim continuará – no futebol” e nem porque “é verdadeiramente triste chegar a essa conclusão”.

    Abs.

  • Jovaneli

    André, ele falou algo sobre o Mundial de 1978, aquela “copa do peru”? Falou algo que normalmente os argentinos não falam sobre aquela conquista um tanto quanto nebulosa da seleção deles?

  • Alex

    Andre’, do pouco que sei e lembro do Valdano, ele realmente ja’ na epoca de jogador parecia ter aquele incomum (no meio) ‘algo mais’ do que ser um atleta…
    Para nos que estamos fora do BR, vc poderia disponibilizar um link de acesso ‘a entrevista depois que ela for ao ar (ou o “transcript” dela)? Obrigado.

  • Beto

    André, boa tarde. Há tempos não comentava aqui (acho que desde seus antológicos posts de Pequim), mas como esse assunto me chamou a atenção, eu gostaria de saber se Valdano entraria em algum desses “rankings” de jogadores. Como não o vi jogar muito, não tenho como tecer algum comentário muito profundo sobre o que ele foi no futebol.

    Seria um daqueles casos (como o do Gustavo Borges) em que tinha tudo para ser o melhor do mundo em sua época, se não houvesse existido o Maradona? No caso do Gustavão, tivemos o Popov. Um abraço!

  • MAURO ALVIM

    André, pegando carona no titulo do post, gostaria de lhe perguntar: você não acha que falta FILÓSOFOS na imprensa esportiva brasileira? Estou considerando Filósofo aquele que diante de uma fala pergunta: o que você quer dizer com isso? Você pode definir tal termo?
    Quero justificar. Carlos Eugenio Simon em entrevista ao blog do PVC Falou: “Há o choque mas fosse ou não o jogador do Cruzeiro o Diego Tardeli cairia de qualquer maneira”. Nesta fala o arbitro faz algumas afirmações: Houve o choque. O choque derrubou o Tardelli. No jogo de futebol é permitido derrubar quem já está caindo. Embora o Simon não tenha marcado o penal a sua justificativa AFIRMA que houve a penalidade máxima. Um abraço.

  • Beto

    André, boa tarde. Há tempos não comentava aqui (acho que desde seus antológicos posts de Pequim), mas como esse assunto me chamou a atenção, eu gostaria de saber se Valdano entraria em algum desses “rankings” de jogadores. Como não o vi jogar muito, não tenho como tecer algum comentário muito profundo sobre o que ele foi no futebol.
    Seria um daqueles casos (como o do Gustavo Borges) em que tinha tudo para ser o melhor do mundo em sua época, se não houvesse existido o Maradona? No caso do Gustavão, tivemos o Popov. Um abraço!

    AK: Não acho que, no campo, Valdano tenha sido tão diferenciado para estar entre os melhores do mundo. Mesmo assim, jogou duas Copas e ganhou uma, fazendo gol na final. Não é coisa para qualquer um. Um abraço.

  • Diego Brandão

    André, anotei no meu calendário a data do programa! E vou continuar mandando posts até você resolver escrever sobre o que achou do All Star Weekend. Pra ser sincero, eu esperava muito mais. Valeu a atuação do Shaq no Domingo e do Durant no jogo dos Rookies.

    AK: O ASG da NBA não é um jogo, portanto não deve ser visto como tal. Um abraço.

  • Gustavo

    André,

    Você acha que já houve algum gol mais bonito do “aquilo” em qualquer outro campeonato? Se souber, por favor, mencione. O Valdano comentou a escolha do melhor jogador com quem ele jogou para técnico da seleção campeã de 2010?

  • Gustavo

    André,

    Você acha que já houve algum gol mais bonito do que “aquilo” em qualquer outro campeonato, torneio, treino ou pelada? Se souber, por favor, mencione.

    O Valdano comentou a escolha do melhor jogador com quem ele jogou para técnico da seleção campeã de 2010?

    Abraço.

  • Gustavo

    André,

    Você já viu algum gol mais bonito do que “aquilo” em qualquer outro campeonato, torneio, treino ou pelada? Em caso afirmativo, mencione, pois preciso ver também.

    O Valdano comentou a escolha do melhor jogador com quem ele jogou para técnico da seleção campeã de 2010?

    AK: Sem pensar muito, acho que não. Sobre o Maradona como técnico da seleção, ele disse que, obviamente, falta experiência, mas que sobra carisma e capacidade de aglutinar os jogadores. Um abraço.

  • Eduardo

    Jorge Valdano é talvez na atualidade quem melhor (d)escreve o futebol

  • Thiago Briques

    O cosme Rímoli entrevistou o Valdano e disponibilizou a entrevista no blog dele no UOL. Se a curta entrevista já foi boa, fico imaginando como será a do “Bola da Vez”… Abraço…

  • ESTOU ESPERANDO PARA VER ESSA ENTREVISTA DEPOIS DOU MINHA HUMILDE OPINIÃO, MAIS UM CARA QUE TRABALHA HÁ MUITO TEMPO NO REAL TEM GABARITO PARA FALAR O QUE PENSA DE MANEIRA MUITO REGULAR UM ABRAÇO ANDRÉ….

  • Diego Brandão

    André, OK! O ASG não é um jogo e não deve ser visto como tal. Concordo. Mas que o Durant arrebentou no jogo dos Rookies, ele arrebentou! E ainda fez um partidaço ontem de novo! Eu sei que você acompanha a NBA e, por mais que seja um amante do futebol, gostaria de ler algumas linhas suas sobre o basquete americano. Teremos esse prazer durante os playoffs??

    AK: Claro. Adoro basquete e a NBA. No fim-de-semana das estrelas, vi um pouco de cada noite, mas nada até o fim. Um abraço.

  • Concordo com o André. Valdano foi um bom jogador, que fez parte de um grande grupo e conseguiu entrar para história. Não é dos melhores jogadores que já existiram, mas para falar da história do futebol é preciso citá-lo.

    Espero não perder a entrevista. Espero que o time da ESPN mais uma vez tenha se superado, como fez no Bola da Vez com Neto, que foi o melhor que vi.

    Agora duas perguntas pra André: 1 – Valdano personifica o que o futebol deve ser em campo ou fora dele? e 2 – (já assumindo uma resposta para a 1) – será que a beleza do futebol não está justamente nisso de “futebol pelo futebol”, sem filosofia? Para você quem personifica o que o futebol devia ser é Valdano: sério, austero, reflexivo, até acadêmico. Para mim, quem personifica o que o futebol deve ser é Romário, Garrincha, Zidane, Dadá, Edmundo, Maradona, entre outros: inteligente, alegre, divertido, e apaixonado. Acho que o futebol está perdendo a graça e consequentemente a qualidade com tantos jogadores “politicamente corretos”.

    Abraço!

    AK: 1 – Fora. Dentro, é jogo. Um abraço.

MaisRecentes

Gato



Continue Lendo

A vida anda rápido



Continue Lendo

Renovado



Continue Lendo