VI POUCO, ZAMBROTTA NÃO VIU NADA



Vi poucos minutos do primeiro tempo de Brasil x Itália. Mas os melhores, no intervalo, sentado num bar ao lado da livraria.

Um gol de Grosso (que bola de Pirlo…) que não deveria ter sido anulado.

Elano, com um gol e um chutaço que merecia outro.

E – como definir? – um gol espetacular de Robinho, esculachando Zambrotta com dribles de rua.

A gente vê um cara como Robinho fazer essas coisas, e sorri (eu, na verdade, rio muito). Os europeus, por mais acostumados que estejam, ficam com aquela expressão de “como é possível?”.

Viu a cara do Buffon?

Quem fez a bobagem no lance foi Pirlo, claro. Mas ele, pelo menos, sabe descrever o que aconteceu.

É como o sujeito que deixa a carteira em cima do balcão do bar e atende o celular. Dois segundos de desatenção, e só dá para ver o moleque correndo.

Já Zambrotta, coitado, ainda não percebeu que sua carteira não está no bolso.

Agora há pouco vi o que o segundo tempo teve de mais interessante: uma defesa, no reflexo, de Júlio César, impedindo um gol de Luca Toni.

Minha impressão é que o jogo foi melhor do que se imaginava, e a atuação da Seleção, melhor ainda.

Já reparou como, mesmo sem treino, o Brasil joga mais quando o adversário é realmente um adversário?



  • O Buffon ficou sentado, braços nos joelhos e fazendo um sinal de negativo com a cabeça, com muita indignação com o Pirlo que foi totalmente displiscente, bem como alguns jogadores italianos, que pareciam estar sem a mínima vontade de correr atrás da bola.
    E o Brasil, sempre, e como você bem frisou, SEMPRE, que joga contra uma seleção de verdade e não Andorra, Honduras, País de Gales da vida, vai parecendo um esfomeado em um prato de comida.
    É nítido e notório que o desafio de ganhar de uma Itália, Argentina, Alemanha é bem maior.
    Abs !

  • Éder

    Realmente, o Robinho deixou o Zambrotta com desvio na coluna. Acho que o problema do Brasil contra os “pequenos” é que a Seleção entra em campo achando que pode ganhar a qualquer momento. Então fica naquela pasmasceira, não se impõe e deixa o adversário gostar do jogo. Contra os “grandes” entra em campo sabendo que tem que mostrar serviço e aí acontece o que aconteceu contra Itália e Portugal, e que tem sido recorrente contra a Argentina.

  • É verdade, André!
    Como disse o Maurício Noriega, no blog dele, “jogador brasileiro tem essa coisa meio blasè de só gostar de jogar grandes jogos, contra grandes adversários…”
    Não deveria ser assim, em condições normais de temperatura e pressão, mas no fundo, no fundo (BEM lá no fundo), até dá para entender…
    Grande abraço,
    Joao Luis Amaral

  • Cesar Reis

    Um gol mal anulado na maioria das vezes muda toda a história de um jogo. Gostaria de ter visto o time brasileiro saindo logo no início de um 0 x 1 e inverter o resultado.

    Robinho fez um golaço, é verdade, mas durante todo o jogo abusou da individualidade, sem progressão, somente com malabarismos. No gol que fez correu o risco de perder a bola, ao invés de passar para o Adriano ao seu lado, livre, sem qualquer marcação. Mas fez isso porque acreditou nele e roubou a bola do adversário enquanto o Adriano ficava lá parado, feito um morcegão.

    A grande revelação, no entanto, foi o Felipe Mello: sobrou com força e personalidade. Ótima convocação do Dunga. Continuando assim, não vai ser ser fácil botar o Felipão lá.

    À propósito André, já fez as contas para ver se o Dunga apresenta na seleção brasileira índice melhor que o Felipão tanto no Chelsea quanto na seleção portuguesa? Estou curioso, pois temos de dar méritos a quem tem…

  • Bruno Zani

    Sem duvidas há mais vontade quando é um jogo desse tipo, porém tbm ligo ao fato o Brasil jogar contra seleções que nao ficam soh na retranca…
    Eh fato, até mesmo pra Argentina que se tentar ir pra cima do Brasil fatalmente vai perder o jogo, e foi isso que aconteceu ontem no começo do jogo.
    Sobre o Robinho, sem comentários sou defensor fervoroso do FUTEBOL do menino de São Vicente, joga demais e deixou o Zambrota com cara de Rogério em 2002.
    abs!

  • tiago

    Foi um bom jogo e gostaria que o próximo amistoso da seleção fosse contra a Espanha que ultimamente vem apresentando um bom futebol, na minha opnião seria um bom teste.

  • Jovaneli

    O Ronaldinho teve uma atuação razoável. Não foi mal, mas uma coisa me chamou atenção: a falta de confiança dele quando estava frente a frente com um marcador.
    Enquanto Robinho driblava verticalmente, Gaúcho sempre preferia tocar a bola de lado. Dá a impressão de estar fisicamente mais pesado e com menos mobilidade. Estranho…

  • Helen

    O mais engraçado do gol do Robinho foi, com certeza, a cara do Buffon… Desapontado com Pirlo, que fez besteira (até mesmo o De Rossi, pois esperava que Pirlo fosse tocar pra ele) e também com a zaga, incapaz de conter a ‘molecagem’ de Robinho.
    É muito bom ver que a nossa seleção sabe honrar suas cores quando enfrentamos adversários grandes, e mostra quem é a seleção Penta Campeã. 😉
    Dá-lhe Brasil!

  • Engraçado…. pensei que Argentina, Paraguai e Colômbia (com especial atenção à primeira) eram “realmente” adversários.

    E o Brasil, mesmo com algum treino, fez feio, deu vexame, nos envergonhou nas Eliminatórias, em jogos que eram “realmente” jogos, pois valiam alguma coisa.

    Abs,
    AK: Esses jogos de Eliminatórias só “valeriam” se houvesse a mínima possibilidade de o Brasil ficar fora da Copa. Um abraço.

  • Rafael Festi

    A verdade é uma só…. brasileiro qdo quer ninguem segura! (o problema é esse… “qdo quer”)

  • Bruno

    Chupa Itàlia!!

    Aqui é Brasil!! E olha que não jogaram nem o Kaká e nem o Luís Fabiano!!

    Bela apresentação da seleção brasileira!! 2010 é hexaaa!!!

    Abraços!!

  • Valdemagno Silva Tôrres

    Isso é histórico. Até na Copa do Mundo isso acontece, em jogos difíceis o Brasil cresce, em jogos fáceis o Brasil se diminui. Se jogar assim contra uma Andorra ou um Vietnã, sai de campo com uma goleada histórica de 8 ou mais gols a ZERO. Pra isso, nossos amistosos seriam: Holanda, Rússia, França, Alemanha, Espanha, Argentina novamente…

  • CARLOS ALEXANDRE

    EXCELENTE COLUNA…. CONCORDO PLENAMENTE….

    Só queria levantar uma questão:
    Depois do gol, vi um dos jogadores que tomaram aquela “senhora entortada” do Robinho sair de campo com dor na coluna. Acho que era o lugar onde “guardava” a moral!! Sumiram do jogo depois das geniais jogadas impostas por Robinho e Ronaldinho. Nisso, vejo o “eurocentrismo futibolista” matar nossos talentos…. Ontem voltaram… não sei como mas voltaram com o belo futebol.

    Por que será que nossos jogadores se prendem tanto à grosseria tática européia?? Nossa característica é o do belo futebol, como de ontem…

  • Cesar Reis

    André:

    O Hélio Pavan tem razão, afinal eliminatórias não são amistosos caça níqueis. Se o Brasil hoje corre riscos mínimos de não se classificar, quando joga mal perde prestígio, jogadores são vaiados e barrados.

    Já vimos técnicos serem demitidos por riscos de não classificar e salvadores da pátria serem incorporados às pressas, como no caso do Romário. Na verdade, espero que a atuação do Brasil ontem não tenha sido atípica, e tenho imenso receio de que tenha sido. Afinal, foi somente um amistoso. Também não foi nada de fantástico, pois a Itália teve gol anulado e ótimas oportunidades de marcar.

  • Roberto

    No fundo dá até pra entender porque o Brasil não joga tão bem contra adversários como País de Gales, Finlândia e outros da vida.
    Afinal, esses jogos são amistosos caça-níqueis da CBF, que fatura milhões em cima deles..
    Mas mesmo assim, eles deveriam ter um mínimo de respeito com a camisa da seleção, afinal seja contra Finlandia ou contra Argentina, Brasil é sempre Brasil!

  • Luiz Filho

    Li as notícias e a nota oficial. São pesadíssimas as acusações. Não conheço o estatuto do Vasco, mas se comprovadas são capazes de causar o impeachmant de Roberto. Uma pena.

    De longe me parece não ter comando dentro do clube, depois das acusações, soa conivência com estes atos.

    Acho que Sergio Cabral e Eduardo Paes devem abrir o olho com seu Vasco e parar de criticar Flamengo e Botafogo, afinal tenho impressão que sabem onde estão se metendo. Isso é que a misturar política municipal/estadual com clube de futebol!

    A torcida do Vasco não merece isso (tenho amigos e familiares que torcem para o clube). Não deve ser muito diferente em outros clubes do Brasil e do mundo.

    Roberto foi ao encontro da simbiose entre política e futebol (é deputado estadual no Rio de Janeiro) e, foi por ali que se iniciou sua batalha para chegar a presidencia do Vasco. Ali se perdeu o idolo, com barganhas da política e da politicagem clubistica do rio de janeiro.

    Perde o Vasco, perde o futebol brasileiro que tinha esperança deste novo Vasco. Agora fica dificil.

  • formigão

    a seleção mostrou sua força mesmo ainda querendo a saida de dunga ainda acho que temos grandes chances de conquistar o hexa só basta a equipe ter o minimo padrao tatico e muita garra , que na tecnica e habilidade como foi mostrado por robinho só a argentina nos ameaça o resto é resto

  • Talita

    Puxa, Dunga, pena que não vale nada…(e o Matley só dando risada)

  • Dyl Blanco

    Realmente o fato de o Brasil só desempenhar a contento quando existe um adversário do outro lado só tem excessão nos conforntos com a França. Mesmo assim seria fundamental aprofundar a causa. Sem medo de errar, motivação é a palavra chave, e nosso comandante ainda não conseguiu transformar a antiga liderança de jogador em peso na condução do time, impondo comportamentos e atitudes sem recorrer ao duvidoso expediente do castigo ( se não fizer o que mando está fora do time ). Com estrelas isso não funciona e nem nunca fincionou, pois eles sabem perfeitamente sua importância e que fazem falta. Certamente esse peso será adquirido ao longo dos anos, mas a questão é: conseguiremos esperar?

  • Ewandro

    Caro amigo Dyl Blanco

    Sabe o porque o Brasil não joga contra a França como contra outros times grandes? SImples … a França não e nem nunca foi time grande. Teve grandes jogadores como Just Fontaine, Platini e Zidane, mas teve que depender do apito amigo contra o Paraguai, entre outros, pra chegar na final contra o Brasil e ganhar (ou sera comprar???) sua primeira Copa do Mundo. Primeira que vai continuar sendo a única por muitas décadas (ou até a Copa do Mundo ser na Fraça novamente. Sem contar que precisou depender de uma legião estrangeira de naturalizados ou filhos de imigrandes. Os Bleu são um engodo …
    Assim como Inglaterra que também (ganhou da Fifa e roubou da Alemanha) sua única, esta provavelmente pelos próximos séculos, copa do mundo.

  • David

    Depois que o Brasil destruiu a Argentina na final da Copa América, mesmo vindo de uma campanha capenga enquanto os hermanos estavam jogando o fino, deu pra ver que quando a Seleção joga mal a culpa é do adversário. Ufanismo pouco é bobagem 🙂

MaisRecentes

No banco



Continue Lendo

É do Carille



Continue Lendo

Campeão de novo



Continue Lendo