ENQUANTO ISSO, DO LADO DE FORA DO MORUMBI…



O blog recebeu a mensagem abaixo, de um leitor chamado Vinícius. Ela descreve a aventura que foi entrar no Morumbi, no domingo passado. Detalhe: Vinícius tinha em mãos um ingresso para o setor vermelho do estádio do São Paulo, comprado antecipadamente. Na esperança de que, um dia, o torcedor que vive no país do jogador de futebol seja tratado como merece, o blog faz coro com a pergunta final da mensagem. “Como faço há alguns anos, cumpri meu ritual quando há jogo do São Paulo em casa. Adquiri meu ingresso com antecedência, sem fila, e domingo, após o almoço e o incrível final da F1 em Interlagos, me encontrei com alguns amigos e seguimos para acompanhar a partida do Tricolor. Preferimos a arquibancada vermelha, pela facilidade de estacionamento e pelo deslocamento na saída. Mas desta vez, quando chegamos, cerca de 40 minutos antes do início da partida, notamos com estranheza o portão 15 fechado. Numa estimativa de quem freqüenta o local, umas cinco mil pessoas se amontoavam ali, do lado de fora, em busca de informações e de adentrarem o estádio aos seus respectivos lugares. Após alguns minutos, tem início um empurra-empurra. Como gado a caminho do abate, as pessoas começam a ter acesso à rampa, em direção às catracas. A Polícia Militar controla a entrada dos torcedores intermitentemente e afasta os mais afoitos com golpes de cacete, o famigerado “borrachão”. O processo não é dos mais rápidos e os torcedores vão ficando impacientes. O tumulto aumenta quando a partida tem início e as pessoas do lado de fora começam a ouvir os gritos da torcida dentro do estádio. Ali, na bagunça, famílias tentam proteger crianças de algo pior e prover-lhes um pouco de ar fresco. Garotas, mais baixas, começam a passar mal. Acabo por não acompanhar o desenrolar da história, pois minha vez chegou e sigo com a massa para a revista e na seqüência apresento meu ingresso a um fiscal. A catraca não funcionava e ele executa a liberação manualmente. E somente no acesso para a arquibancada do Setor Amarelo. Já nos corredores internos, me junto a alguns torcedores no portão que divide os setores amarelo e vermelho para ter acesso ao que meu ingresso deveria me garantir. O funcionário do estádio, protegido pelas grades, não permite o acesso ao Setor Vermelho e não dá informações, nada além de “está lotado”. Oras, como está lotado se, teoricamente, ainda não ocupei meu assento de direito? Com o jogo em andamento, acabo por desistir de reclamações ali e sigo para um assento amarelo qualquer, a maioria deles ocupado, por sinal. Durante toda semana, elenco e diretoria do SPFC, além da imprensa, conclamaram a torcida a ir ao Morumbi prestigiar e apoiar o time nesta reta final. Sou freqüentador assíduo e estou descontente com o que se passou. O que dizer então de tantos outros que poderiam adquirir o hábito, de pais que convidam suas esposas e filhos e são obrigados a passar por tanto constrangimento, para não falar do risco, de se aventurarem num domingo chuvoso a condições tão inóspitas? O Estatuto do Torcedor e o Código de Defesa do Consumidor exprimem os deveres e as condições de execução de espetáculos esportivo-culturais. A diretoria São-paulina não estava ali presente, ou teve atuação discreta. A BWA, com seu nome impresso no ingresso, talvez responsável pela organização, não se manifestou. A PM não garantiu a segurança daquelas pessoas. Numa hora dessas, desrespeitados pelos organizadores do jogo e sem o amparo do Poder Público, a quem podemos recorrer?”



MaisRecentes

O início



Continue Lendo

Desconforto



Continue Lendo

Irmãos



Continue Lendo