CAIXA-POSTAL



Reentrada concluída com sucesso. Aos temas da primeira Caixa-Postal pós-Pequim: Marco Aurélio escreve: O assunto é uma declaração do Anderson, que jogou a Olimpíada no meio de campo do Brasil, e foi mal. Perguntado sobre como ele reagia às críticas da imprensa, ele simplesmente disse que “quem me critica deve ganhar em toda a vida o que eu ganho em um ano no Manchester”. Pergunto: o que uma coisa tem a ver com a outra? Que caráter é esse dos nossos jogadores de futebol que escancaram que só estão lá pela grana mesmo, e que se dane o torcedor (ou consumidor)? Que criação deslumbrada teve este garoto? Ele se acha acima do bem e do mal só porque joga bola e ganha bem? Qual contribuição efetiva para o mundo, ou para as pessoas, ele pode dar com esta resposta cretina e infantil? Resposta: Não cobri o futebol na Olimpíada, e não li esta declaração do Anderson. Se ele realmente disse isso (e uso aqui o se não porque duvido, mas apenas porque não vi com meus próprios olhos), é triste. Concordo com todas as indagações que você fez, ainda que esse tipo de “raciocínio” seja muito frequente no futebol. Jogadores constumam usar o valor do salário para humilhar colegas de profissão em campo, portanto não surpreende que pensem dessa forma sobre quem “ousa” criticá-los. Mesmo que, obviamente, uma coisa nada tenha a ver com outra. Para alguns, como parece ser o caso do Anderson, o mundo se resume a isso. É pouco, não? ****** Helio escreve: A “Era Bernardinho” poderá ser dividida em pré e pós-Ricardinho? Resposta: Acho que o mais correto seria dizer pré e pós-briga com Ricardinho. Mas a resposta só virá com o tempo. Como Bernardinho continuará comandando a Seleção (e não há nenhum motivo para que não seja assim), os resultados futuros mostrarão se a ausência do levantador fará tanta diferença. É importante lembrar que uma medalha de prata olímpica é uma conquista enorme (lembra da nossa “geração de prata” dos anos 80? Era um baita time), e que a derrota para os EUA na final poderia ter acontecido com Ricardinho no time. Só quem tem poderes paranormais pode afirmar que as coisas seriam diferentes com ele em Pequim. ****** Renato escreve: Os recordes mundiais quebrados na Olimpíada, principalmente no atletismo e na natação, não sugerem o uso de substâncias proibidas? Resposta: Essa é uma maneira de olhar para resultados tão expressivos, é uma pergunta que está sempre presente. Por outro lado, os Jogos de Pequim foram marcados por um rigoroso controle anti-doping, até com exames de sangue. Usain Bolt e Michael Phelps, os dois maiores nomes da Olimpíada, tiveram de conviver com esse tipo de questionamento. A resposta depende se você acredita que, no esporte de alto rendimento, todos são inocente até que se prove o contrário. Ou se você acredita no inverso. ****** Mauro escreve: Comeu muita coisa estranha na China? O que foi mais difícil de encarar? Resposta: A coisa mais estranha que comi foi uma pizza comprada num supermercado, dessas de descongelar. Felizmente, não tive de recorrer aos excessos da culinária local: escorpiões, gafanhotos, casulos de borboleta e similares. Almocei no Centro de Imprensa (comida internacional) na grande maioria dos dias, e jantei em restaurantes “não-chineses”, ou em casa. Nesse aspecto, foi muito mais tranquilo do que eu imaginava. Minha única incursão na gastronomia chinesa foi o famoso pato, que é imperdível. ****** A Caixa-Postal está de volta a seu ritmo normal. Muito obrigado pelas mensagens. (e-mails para a Caixa-Postal do blog: akfouri@lancenet.com.br, ou clique no link do lado direito da página)



  • Willian Ifanger

    Quase de volta ao ritmo normal, você quer dizer…..não teve o momento cinéfilo seu….hehehehe. Ou agora voltou com os pensamentos de Confuncio? Seja bem vindo de volta.

  • Marcel Souza

    É isso aí, de volta com a citações cinéfilas! Falando nisso, quantos e quais filmes vocês assistiu no vôos para/de Pequim? Bem vindo de volta! AK: Em vôos muito longos é assim: você começa com os filmes que iria ao cinema para ver (“A Good Year”, com Russel Crowe; “61”, de Billy Cristal, sobre o NY Yankees da década de 60; “The Flying Scotsman”, história real sobre o ciclista que quebrou um recorde mundial com uma bicicleta que ele mesmo construiu). E acaba vendo qualquer coisa (“Code Name: The Cleaner”, com Cedric the Entertainer) só para ganhar mais 1h30. Um abraço.

  • Paulo Sanchotene, RS

    Há matéria do Terra Esportes – “Ânderson se irrita com críticas no Brasil” – sobre o assunto. Sem querer defendê-lo, em qualquer caso a declaração é infeliz, mas me parece que ele se referia a outros boleiros; não há qualquer um que ganha menos do que ele, como insinuou o Marco Aurélio. Um abraço.

  • Diego

    O Anderson pra mim é igual o Dunga. Quando eles abrem a boca, eu coloco a TV no mudo ou troco de canal. Dois sujeitos insuportáveis. P.S. Tá feia a coisa pro Yankees esse ano, hein? Acho que eles vão assisitir a pós-temporada em casa. Que fase! AK: Também acho que a temporada dos Yankees já era. Um abraço.

  • Vagner Luis

    Benvindo de volta!! E, parabéns pelo seu trabalho, provou que, de fato, é um dos melhores repórteres esportivos do Brasil!!

  • Fábio

    Olá. Bom retorno. Concordo com vc quando diz que somente com poderes paranormais, saberíamos se o vôlei masculino ganharia com Ricardinho em quadra. Particularmente, e sem querer bancar o profeta, acredito que nossas chances aumentaria, pois considero ricardinho o melhor levantador que já apareceu, em razão da sua velocidade, demonstrada no último mundial, e pelo seu estilo. Não gosto do estilo “dar moral para o cortador que foi bloqueado e levantar novamente para ele”, que parece ser o caso do Marcelinho e que também fez lembrar do também extraordinário William. A minha dúvida é o seguinte? Mesmo se não houvesse a briga com o Ricardinho, ele teria condições físicas de ter disputado esta Olimpíada? A última notícia que eu havia lido era a de que ele havia sofrido uma contusão e não teria condições de disputar a competição, nem pelo Brasil, quanto menos pela Itália. Abraços.

  • Anderson

    Esse tal de Anderson já era assim desde que jogava no Grêmio. Numa Taça São Paulo, humilhou os jogadores do Vila Nova dizendo que o time inteiro não ganhava o que ele já ganhava na época. E falou isso só porque perdia de 3 e queria sair por cima ainda. Esse moleque não tem caráter nenhum, só fala besteira (pra não dizer outra coisa)

  • Davi Kikuchi

    Quer dizer que, mesmo não sendo o Milan, você pagou o pato? (tá, essa foi péssima…).

  • Lucas Winckler

    Mais uma percepção infelizdos teus contribuintes André. Desafio a buscar em impressos ou na própria Internet essas declarações do Anderson! O potencial para escrever asneiras desse portal é infinito. Tratam o que não for RIO-SP com algo estrangeiro. Vocês são ridículos. É ou não um portal nacional? Sem moral. AK: O que o portal tem a ver com o tema em questão?

MaisRecentes

Gracias



Continue Lendo

Abraçados



Continue Lendo

A diferença aumentou



Continue Lendo