BOM DIA, VASCO!



Tocou o despertador mais esperado da história do Club de Regatas Vasco da Gama. Na forma da vitória de Roberto Dinamite, por 141 votos a 104, na eleição para presidente do clube, que entrou pela madrugada de hoje. Acabou o tenebroso pesadelo de longos anos, chamado Eurico Miranda. Assim como Mustafá Contursi, no Palmeiras; e Alberto Dualib, no Corinthians, Miranda está condenado a viver no passado. Seu reinado acabou com uma eleição limpa, e um bate-boca histórico. Estrebuchando, o cartolão perguntou a Dinamite: “Quem é você para falar do Vasco?” Roberto é, apenas, o maior artilheiro da história do Vasco da Gama, com 708 gols. Eurico é, apenas, um ex-presidente que não deixará saudades. Para ilustrar este post, o blog agradece e publica o e-mail que chegou às 02h58 deste sábado, certamente acompanhado de forte dose de emoção. Ele foi enviado por um cara que é mais do que um frequentador deste espaço. Como não pude pedir sua autorização para publicá-lo, o chamarei apenas de “Vascaíno”: “Ah, meu caro André, como pulsa a Cruz de Malta que carrego no peito!!!!! Como pulsa, como vibra, como balança. Na madrugada fria de São Paulo, em silêncio para não acordar a pequena, minha vontade é de colocar o Hino para tocar em altíssimo e bom som. Vontade de mostrar ao mundo como é bom poder voltar a ter orgulho do meu time. Poder, definitivamente, sepultar o aposto que fui obrigado a falar durante anos quando me perguntavam meu time: “Sou Vasco, mas sou contra o Eurico”. A partir de hoje, posso dizer pura e simplesmente que sou Vasco. Como é bom voltar a ter orgulho das minhas camisas. Como é bom saber que nunca mais vou ter conflito na hora de torcer pelo meu time. Como é bom saber que vou poder ensinar minha filha a ser Vasco, pelo simples fato de que ser Vasco é bom. Não vou ter que explicar para ela que o pseudo presidente do clube não representa a família vascaína. Gostaria somente de render uma homenagem. Aos fundadores do MUV, que em 12 anos tornou esta vitória possível. Alguns homens comuns, os “regular joes”, como falam os americanos. Sem dinheiro, sem contatos na imprensa, sem nada. Só unidos pela justiça, pela moral, democracia e amor a este clube tão maltratado. Este movimento que hoje destrona a ditadura nasceu nas sociais de São Januário, sem dinheiro, sem apoio, sem nada. Somente com coragem. Dentre eles, meu velho pai, neste momento pegando uma carona para ir até em casa, saindo na madrugada da Lagoa até a Barra, sozinho, com frio, sem jantar, a voz cansada e embargada ao telefone. Obrigado, pai, por tudo. Obrigado por ter me feito honesto, por ter me feito digno. Obrigado por ter me feito vascaíno.” Bom dia, vascaínos.



MaisRecentes

Pertencimento



Continue Lendo

Vitória com bônus



Continue Lendo

Anormal



Continue Lendo