Messi: 600 gols e sem sinais de declínio



Não se trata aqui de fazer comparações sobre qualidade do futebol ou importância para o esporte, mas de falar sobre a beleza dos 600 gols de Messi, marca atingida contra o Atlético de Madrid que lembra, sim, outro gênio, Pelé. O argentino fez suas seis centenas de gols com apenas duas camisas, a do Barcelona e a da seleção. Como Pelé fez quase todos os seus 1.281 gols pelo Santos e pela seleção brasileira.

Messi é um gênio que surge raramente. Um jogador de talento gigante que tem um auge prolongado. Ronaldinho Gaúcho, para comparar com outro gênio do esporte, jogou no nível mais alto por poucos anos, até cansar da vida exaustiva do futebol. E muitos foram assim. Como Pouquíssimos, é bem possível que Messi encerre a carreira onde começou. Sem procurar atalhos para mais dinheiro, mais fama ou mais brilho (e isso seria preciso? Seria possivel?).

Messi comemora seu gol número 600

Messi comemora seu gol número 600: até onde ele vai? (Foto: Pau Barrena/AFP)

Messi não dá sinais de queda, não dá sinais de se cansar do futebol. E a cada temporada contraria aqueles que apostam em seu declínio. Fará 31 anos em junho e por quantos anos mais poderá mostrar sua genialidade? Quem há de duvidar que poderá ser parte importante da seleção argentina na Copa do Mundo de 2022, aos 35 anos? Não tem lesões importantes e joga com a mesma vontade de quando entrava em campo no Barcelona ao lado de caras como Puyol, Deco e o já citado Ronaldinho.

O maior jogador do Barcelona chegará perto dos mil gols. Em jogos oficiais, certamente será um dos maiores artilheiros de todos os tempos. Sorte nossa que seguimos tendo a chance de ver esse cara fazer sua arte todas as semanas.