Lewis Hamilton e a maior geração da Fórmula 1 nos últimos 30 anos



Lewis Hamilton chegou neste domingo (29), no México, aonde apenas outros quatro pilotos chegaram. Quatro vezes campeão, como Alain Prost, Sebastian Vettel e atrás dos cinco de Juan Manuel Fangio e dos sete de Michael Schumacher. Campeão numa temporada impecável, que o reafirmou como o gigante das pistas que sempre mostrou ser desde seu brilhante ano de estreia, em 2007.

No México, Hamilton celebra o quarto título

No México, Hamilton celebra o quarto título (Foto: Clive Mason/AFP)

Agora, como sempre acontece depois de grandes marcas como esta, discussões sobre o tamanho do campeão vão acontecer. Hamilton é o britânico mais vencedor da história da Fórmula 1. Mas qual seu tamanho nestes 67 anos da categoria? Hoje, ao menos, prefiro falar coletivamente. Hamilton, Vettel e Fernando Alonso são hoje os três gigantes em atividade. Estão entre os maiores de todos os tempos. E Max Verstappen, vencedor da corrida mexicana, rapidamente se juntará a eles. Saudosistas possivelmente discordarão, mas estamos diante da maior geração dos últimos 30 anos.

Prost, Piquet, Senna e Mansell são idolatrados até hoje, aplaudidos merecidamente como um time de gênios que, para alguns, é inigualável. E uma foto dos quatro na mureta dos boxes no Estoril, em 1986, virou símbolo do talento daquele quarteto. Dos meus 41 anos, tive a sorte de ver os quatro correndo. E enxergo nos quatro de hoje o mesmo tamanho dos craques de três décadas atrás. Verstappen no mesmo papel (note: eu disse mesmo papel, o tempo vai mostrar onde chegará) de Senna. O jovem em ascensão, talento inquestionável e cujo primeiro título é questão de tempo. Alonso, o mais veterano, é o Prost da vez, talvez até com mais talento, embora com menos títulos. Vettel e Hamilton como Piquet e Mansell, embora o inglês só tenha conquistado um título no fim da carreira, em 1992.

Senna, Prost, Mansell e Piquet no Estoril, em 1986

Os quatro fantásticos em 1986: Senna, Prost, Mansell e Piquet (Foto: Reprodução)

Na minha lista dos maiores da Fórmula 1, Lewis Hamilton está entre os dez primeiros. Gosto mais do estilo de Alonso, mas Hamilton esteve no lugar certo na hora certa e conseguiu ser mais dominante e espetacular que o espanhol. Mas nestas linhas o que importa é exaltar um trio (ou quarteto, na verdade) que tem dez títulos mundiais. E que quando todos estiverem aposentados provavelmente o quarteto terá perto de 20. Hamilton, Vettel, Alonso e Verstappen são a maior geração que a Fórmula 1 viu desde Prost, Piquet, Mansell e Senna. Outros gênios correram neste hiato, e Michael Schumacher foi o maior. Mas nunca tantos pilotos tão bons estiveram juntos ao mesmo tempo.

Em vez de brigas ou rancores patrióticos para decidir quem é melhor ou pior, vamos aproveitar a rara oportunidade de ver um time deste tamanho correr ao mesmo tempo. Nunca se sabe quando acontecerá de novo.