Grosjean recebe punição ridícula depois de quase provocar uma tragédia



A FIA pegou leve. Romain Grosjean foi punido pela Federação Internacional de Automobilismo com a perda de três posições no grid de largada para o GP de Mônaco. É quase passar a mão na cabeça de alguém que poderia ter provocado uma tragédia na largada do GP da Espanha, no domingo (13).

Se você não viu: atrapalhado pelo companheiro, Kevin Magnussen, Grosjean saiu da pista na curva 3 e, para evitar ir para a brita (onde provavelmente a corrida do francês terminaria), o piloto da Haas acelerou e voltou para a pista dando um zerinho entre os demais pilotos. Foi acertado por Nico Hulkenberg e por Pierre Gasly que entraram na cortina de fumaça provocada pela borracha queimada da manobra de Grosjean. Um abandono triplo e, quase milagrosamente, ninguém sequer ferido.

Os restos do carro acidentado de Grosjean

O carro de Grosjean dá ideia do que poderia ter acontecido (Foto: Divulgação/Haas)

“Tentei voltar à pista sem atrapalhar ninguém”, disse Grosjean instantes depois de abandonar. Sua imagem sentado em degraus ao lado da pista, ainda de capacete, mostra que sabia o tamanho da bobagem. O francês tem talento e não é um piloto sujo, mas vive um péssimo momento e não parece estar com a cabeça em ordem, talvez atrapalhada pelo bom momento de Magnussen. No Azerbaijão, encontrou o muro sozinho enquanto aquecia pneus durante entrada do safety car. O mesmo piloto que no GP do Brasil de 2016 bateu sozinho indo para a formação do grid.

Mas o que fez em Barcelona deveria ter sido punido com mais rigor pela FIA. Colocou em risco a vida de alguns de seus companheiros e a dele próprio. “Pra mim foi um incidente de largada”, disse Guenther Steiner, chefe da Haas, provavelmente tentando preservar seu piloto. “Neste momento, em que sua reputação não está em alta, ele é um alvo fácil.”

A reputação de um piloto é ele mesmo quem constrói, independentemente da qualidade de seu carro ou se é um vencedor ou não. Há na história da F-1 inúmeros casos de pilotos fracos tecnicamente, mas que não deixaram uma má reputação na pista. Apenas não tinham velocidade e talento suficientes para estar ali. Grosjean tem talento para ser piloto de F-1, mas no momento em que faz uma manobra como a do GP da Espanha, precisa algo diferente de uma afago ou apenas três posições a menos no grid.