Ao dar voz a Felipe Melo, Palmeiras envergonhou sua própria torcida



O que já se desenhava nas últimas semanas, confirmou-se nesta segunda-feira. Sem propostas oficiais, Felipe Melo foi reintegrado ao elenco do Palmeiras, após uma conversa “olho-no-olho” com o presidente Mauricio Galiotte.

Bandeira branca? Muito longe disso. Primeiro porque Cuca já havia sinalizado que não contaria mais com o jogador. Afinal, a relação, que nunca foi das melhores, ruiu após a eliminação na Copa do Brasil, quando vazou um áudio do jogador atribuindo o fracasso ao treinador e acusando-o de mau caráter.

Felipe Melo ganhou os microfones hoje, protagonizando uma cena insólita. Após insultar Cuca, o Palmeiras não só assinou seu retorno, como deu voz ao jogador em uma coletiva convocada às pressas. Felipe deixou claro que pediu desculpas ao Palmeiras, e não diretamente ao treinador, e foi irônico ao citar que o time não deslanchou em campo durante seu afastamento, refutando o rótulo de laranja podre.

Reintegrado: Felipe Melo ganha queda de braço com Cuca (Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras)

A volta de Felipe Melo traz alguns sinais. Ao passar por cima da vontade de Cuca, o Palmeiras indica que já não conta com ele para a próxima temporada. Isso se, antes, o treinador não pedir o boné de forma definitiva, o que já ensaiou nas últimas semanas após o fraco desempenho em campo e as eliminações na Copa do Brasil e Libertadores. Como ficará o ambiente após este perdão unilateral? Cuca nunca foi dos treinadores mais flexíveis e nada indica que voltará a escalar o volante em seu esquema tático. Se for novamente preterido, como reagirá Melo? Se o Palmeiras não voar em campo neste segundo turno do Brasileiro, existirá a cobrança para Cuca escalá-lo?

As dúvidas inevitáveis ao menos trazem uma certeza: o ambiente do Palmeiras está novamente minado, mesmo após a importante vitória no clássico contra o São Paulo. O fator Felipe Melo continuará assombrando os corredores da Turiassu, seja pela sua ausência em campo, ou pela possibilidade de uma nova polêmica plantada nas redes sociais e que logo foge do controle da diretoria.

Tudo leva a crer que a absolvição de Felipe Melo é uma medida mais jurídica do que esportiva, cravada por um presidente claramente de perfil mais conciliador do que seu antecessor. Cuca sai enfraquecido desta queda-de-braço, mas ninguém sai mais derrotado deste melancólico episódio do que o torcedor do Palmeiras, obrigado a ver ao vivo e a cores um jogador que desrespeitou o clube subir mais uma vez ao palanque.