Felipe Massa vai parar: ele é maior do que muita gente pensa



“Agora é de verdade”. Com um vídeo curto no Instagram, Felipe Massa anunciou que sua carreira na Fórmula 1 terá apenas mais duas corridas, em Interlagos e Abu Dhabi. Se alguém não se lembra, o brasileiro havia se aposentado no fim da temporada passada, mas a Williams pediu que corresse mais um ano no lugar de Valteri Bottas, que saiu inesperadamente para a Mercedes.

Um ano atrás, no dia 9 de novembro, publiquei um texto falando sobre as memórias que tenho de Massa. Um garoto tímido que vi surgir na Fórmula Chevrolet e fez uma grande carreira na Europa, incluindo estes 15 temporadas com piloto titular na Fórmula 1, oito deles pela Ferrari.

“Massa é o piloto que venceu 11 corridas, fez 16 poles e subiu no pódio 41 vezes. Quem no Brasil pode se orgulhar de um currículo semelhante a não ser os três campeões, Emerson, Piquet e Senna? Massa é o piloto que vestiu as cores de apenas três equipes, Sauber, Ferrari e Williams. Não ficou pingando em vários times, um sinal inequívoco de trabalho bem realizado.”, escrevi à época.

Lembremos, ainda, que foi vice-campeão em 2008 e perdeu o título nos metros finais da última prova, em um campeonato manchado pelo acidente proposital de Nelsinho Piquet em Cingapura. Desde a morte de Senna, Massa foi o único piloto brasileiro que disputou de fato um título mundial. Rubens Barrichello, em seus seis anos de Ferrari, nunca brigou de fato pelo título.

Felipe Massa dentro do carro da Williams

“Agora é de verdade”: Massa só corre mais dois GPs (Foto: Pedro Pardo/AFP)

Nos comentários em redes sociais, incluindo na postagem em que anunciou sua despedida, pipocam comentários do tipo “aleluia” ou “passou da hora”. Pessoas que acham que a carreira de um esportista só tem sentido enquanto ele briga por vitórias e títulos. Massa recebeu bela homenagem de todos no GP do Brasil ano passado, mas o inesperado o fez competir mais um ano. Ele mesmo certamente sabia que seria um ano para se divertir e ajudar a Williams e também o novato Lance Stroll. Não esperava vitórias. Cumpriu sua missão com dignidade como digna foi toda sua carreira.

Massa merece aplausos pelo que fez. Em toda a história da Fórmula 1 (que começou em 1950), foram apenas 29 pilotos que conseguiram pelo menos 11 vitórias. Dentre os que estão em atividade, apenas quatro: Hamilton, Vettel, Alonso e Raikkonen. Como disse ano passado, o esporte não é feito apenas de gênios. Os gênios são exceção. Mas Felipe pode se orgulhar de ter sido um dos bons. Dos muito bons. E agora vai atrás de novas conquistas em alguma outra categoria.

Que seja feliz. No fim, é o que importa.



  • Eddie

    Quem no Brasil pode se orgulhar de um currículo semelhante?
    Rubinho

    Rubens Barrichello, em seus seis anos de Ferrari, nunca brigou de fato pelo título
    Claro, mesma coisa dividir carro com o Raikkonen e com o Schumacher

    Massa só derrotou o companheiro de equipe duas vezez, não vi isso citado no texto. Villeneuve e Kimi, caso alguém tenha interesse. Nem do Stroll vai ganhar.

  • Egberto Casazza

    O cara era muito competitivo. Em 2008 perdeu o mundial nas trapalhadas da Ferrari, num motor explodido qdo liderava na Áustria a poucas voltas do fim e na mutreta do Nelsinho/Briatore. Em 2009, até o acidente, andou forte, por vezes até à frente do Alonso, mas qdo retornou nunca mais se encontrou. Passou temporadas sofríveis na Ferrari, só voltando a mostrar alguns lampejos do bom piloto que era na quase amadora Willians. Fica a impressão que poderia ter ido mais longe, ter sido menos sofrido, mas de qualquer forma fica o nosso agradecimento.