Ferrari, Charles Leclerc precisa vestir macacão vermelho em 2019



Kimi Raikkonen é um piloto bom, campeão do mundo, e útil. Marca pontos com frequência, não dá trabalho dentro da equipe, não incomoda a estrela da companhia, Sebastian Vettel. Mas o finlandês completará 39 anos em outubro e, convenhamos, está na hora da Ferrari preparar alguém para o futuro, para quando Vettel, 30 anos, sair do time ou se aposentar. E parece cada vez mais claro que este cara é Charles Leclerc.

São apenas sete GPs no currículo, pela cada vez mais modesta Sauber. Pontuou três vezes, todas nas últimas quatro corridas, e jogou uma bomba ninja sobre Marcus Ericsson, o companheiro de equipe que já disputou 83 corridas, fez dois pontos nesta temporada e está desaparecendo na densa fumaça de talento criada por Leclerc.

O piloto monegasco tem 20 anos, foi campeão da Fórmula 2 no ano passado e está na Sauber graças à Ferrari, que o mantém sob contrato. Depois de um espetacular sexto lugar no Azerbaijão, Leclerc foi décimo na Espanha e no Canadá.

Charles Leclerc durante o GP do Canadá

Leclerc completou seis de seus sete GPs na Fórmula 1 (Foto: Mark Thompson/AFP)

Com Raikkonen no fim da linha e com seguidas (e surpreendentes) renovações de contrato, é hora de apostar em um jovem promissor, que erra pouco. De suas sete corridas, Leclerc só não teve chance de pontuar em Mônaco, porque uma falha nos freios lhe tirou da prova. Seus 10 pontos o colocam à frente de Stoffel Vandoorne, da McLaren, Romain Grosjean, da Haas, pilotos de equipes muito melhores que a Sauber.

É obviamente prematuro apostar em Leclerc como um futuro campeão ou sequer um piloto capaz de vencer corridas. Mas com apenas sete corridas é seguro afirmar que ele precisa de uma chance com um carro de ponta. E a Ferrari cometerá um erro se não colocá-lo para guiar já em 2019.