Força da Tabela #1 – Campeonato Brasileiro de 2017



Por Rodrigo Salvador *

O Brasileirão começa nesse sábado. A fórmula de pontos corridos já está consolidada, e a tabela é simples de entender: cada time joga contra todos os outros, uma vez em casa e uma vez fora. O detalhe que passa batido é que isso basta pra dizer que a tabela não é a mesma pra todo mundo. Pra ser bem minimalista: todos os times vão enfrentar o atual campeão brasileiro, menos o Palmeiras, obviamente. O Avaí, recém promovido à Série A, tem 24 jogos contra times considerados grandes, enquanto estes têm 22.

Nas 5 primeiras rodadas, o Flamengo tem a tabela mais complicada (Foto: Divulgação Flamengo)

Nas 5 primeiras rodadas, o Flamengo tem a tabela mais complicada (Foto: Divulgação Flamengo)

Mas há algo ainda mais relevante: ainda no exemplo do Palmeiras, o Vasco será o time a enfrentar o atual campeão na primeira rodada, em São Paulo. Mas este cenário pode estar bastante diferente no fim do turno, quando será a vez do Atlético Paranaense encarar o time de Cuca (se é que Cuca ainda estará a frente do time). São tantas variáveis que prever um desempenho dos times antes da primeira rodada é um exercício quase inútil.

Baseado nisso, veio a proposta de analisar a tabela com um pouco mais de critério. Como o momento dos times é algo relevante para o futuro próximo, vamos avaliar o que os espera nas próximas 5 rodadas. Quem tem o caminho mais fácil? E o mais difícil?

A análise se dá da seguinte forma: vamos analisar o aproveitamento dos próximos 5 adversários de cada time, levando em conta o mando de campo. A força da tabela é dada pela média do aproveitamento dos 5. Quanto maior a força da tabela, mais difícil a sequência que aguarda o time.

Como hoje todos os times têm aproveitamento de 0%, até a sexta rodada, este exercício vai considerar o aproveitamento do ano passado. Os 4 times promovidos da Série B, por conveniência, terão o aproveitamento do Internacional (17º colocado no ano passado) como referência. A partir da sexta rodada, passamos a analisar o desempenho dentro do campeonato. Na segunda aba, o gráfico também calcula a força da tabela, mas sem considerar o local das partidas, isto é, considera o desempenho geral dos times.

A análise aponta o Flamengo como o time com a tabela inicial mais complicada. Nas 3 primeiras rodadas, o rubro-negro pega 3 dos 6 primeiros colocados em 2016: Botafogo, Atlético-MG e Atlético-PR. Este último confronto será na Arena da Baixada, onde o Furacão foi quase imbatível no ano passado (só perdeu para o Palmeiras). Os outros dois confrontos, contra Sport e Atlético-GO, também são fora de casa, fato que colabora para que o índice de força chegue a 1,685. Isso é mais que meio ponto acima da força da tabela do Bahia, que joga 3 vezes em casa, contra Cruzeiro, Atlético-GO e Atlético-PR (este, um dos piores visitantes de 2016, apesar do sexto lugar geral). O Tricolor de Aço só sai de Salvador pra pegar o Vasco (que herdou a campanha caseira do Inter nesta análise) e o Botafogo, sendo este o jogo mais difícil da sequência dos baianos.

Notem ainda que Atlético-MG e Fluminense têm a mesma força de tabela. Isso significa que temos uma boa base de comparação dos dois times após a quinta rodada do Brasileirão.

* Rodrigo Salvador é matemático industrial por formação e analista de sistemas por carreira. Escreve sobre o Coritiba no ESPN FC e tem interesse sobre como os números descrevem o futebol