De Gabriel Jesus a Vinicius Júnior, o futebol europeu tem pressa



Gabriel Jesus ainda nem era titular absoluto do Palmeiras quando surgiram os primeiros rumores vindos da Espanha. Assim que deixou a condição de promessa para se tornar uma referência no clube e na seleção brasileira (catapultado pelo ouro olímpico), observadores de diversos clubes europeus se revezavam nas arquibancadas do Allianz Parque para testemunhar se “era tudo aquilo mesmo”. Era. E bastou uma ligação de Pep Guardiola ao garoto para abreviar sua meteórica jornada no alviverde e partir rumo ao Manchester City. Por R$ 121 milhões (R$ 76,7 mi só para o Palmeiras), não havia outro desfecho possível.

O caso de Vinicius Júnior é ainda mais precoce. Em janeiro, o jovem buscava espaço entre os titulares do Flamengo… na Copinha. Quando entrou, deitou e rolou. E assim o fez no Sul-Americano Sub-17 deste ano, conquistado pela seleção brasileira de forma invicta. Vinicius deu até chapéu triplo em um adversário. Triplo no drible e na conquista: campeão, artilheiro e melhor jogador do torneio.

Segundo a imprensa espanhola, já existe uma proposta de 45 milhões de euros por Vinicius Júnior (Foto: Divulgação Flamengo)

Segundo a imprensa espanhola, já existe uma proposta de 45 milhões de euros por Vinicius Júnior (Foto: Divulgação Flamengo)

Aos 16 anos, ainda nem pisou no gramado pelo time principal. O treinador Zé Ricardo disse, após o titulo estadual, que passaria a relacionar o jovem para a disputa do Campeonato Brasileiro. Mas, ainda que a grande estreia pareça próxima, é bem provável que aconteça já como jogador de outro time. A imprensa da Espanha já fala numa proposta do Real Madrid de 45 milhões de euros (cerca de R$ 157 milhões). O Flamengo não confirma ainda o negócio, mas tem a faca e o queijo na mão: poderá manter o jogador atuando pelo rubro-negro até julho de 2018, já que a Fifa não permite a transferência internacional de atletas antes de completarem 18 anos. Depois disso, pode acertar a maior transação da história do clube.

Enquanto isso, Vinicius Júnior já é patrocinado pela Nike, participa de eventos e posa ao lado de Ronaldo, Ronaldinho e Neymar em campanhas publicitárias. É todo sorrisos, mesmo sem um minuto sequer no elenco profissional do Flamengo.

Chegando ao City no meio da temporada europeia, Jesus entregou até mais do que se imaginava. Ignorou o pedido de adaptação e chegou marcando gols e até roubando a titularidade de Agüero, um dos maiores ídolos e artilheiros da história do clube inglês. Uma lesão interrompeu seu início avassalador, mas já retornou ao seu posto de “xodó” de Guardiola.

Vinicius terá o próximo Brasileirão para seguir o mesmo caminho. Todos os movimentos exibidos nas categorias de baixo mostram que se trata de um jogador diferenciado. No time de cima, a régua sobe, assim como a caça e provocações dos adversários. Gabriel Jesus chegou a ser expulso infantilmente em sua primeira Libertadores e terminou 2016 com a média de 1 cartão amarelo a cada 2,87 jogos. Caberá ao staff do Flamengo cercar o jogador de todos os cuidados necessários a partir do momento que todos os holofotes estarão voltados em sua direção.

Enquanto isso, o futebol europeu tem pressa. Acumula transações milionárias, assumindo o risco de uma promessa que engatinha não vingar nas principais competições do mundo. A briga é entre gigantes. Ninguém se importa em jogar as moedas para o alto, desde que o rival não chegue antes. Entre a realidade e a projeção, os valores se tornam cada vez mais assustadores.