Maratona em menos de 2 horas: agora sabemos que é possível



Por Thiago Arantes

Alguns dirão que foi artificial. Outros, que tudo não passou de uma peça publicitária disfarçada. Talvez tenham razão. Mas, neste caso – como em tantos outros –, ter razão importa pouco. O relógio dirá nos próximos anos, décadas e séculos que, neste 5 de maio de 2017, Eliud Kipchoge correu 42.195 metros em 2h00min25s.

A distância é a de uma maratona, o queniano é campeão olímpico da prova, mas a marca não valeu o recorde mundial. A explicação é simples: o desempenho mágico do africano fazia parte de um projeto da Nike para correr a distância em menos de 2 horas, talvez a mais fascinante barreira do atletismo.

Eliud Kipchoge em frente ao painel com a marca de 1 minuto e 59 segundos

Eliud Kipchoge em frente à marca dos sonhos: vai acontecer (Foto: Divulgação/Nike)

Por isso, tudo foi feito para ajudar Kipchoge e outros dois atletas de elite (Zersenay Tadese e Lelisa Desisa) durante o desafio. Desde o local escolhido (um trecho plano do circuito de Monza, na Itália), passando pelo horário (largada às 5h45), até a presença de coelhos, corredores de 5000 e 10000m que ditavam o ritmo e quebravam a resistência do ar durante todo o percurso. Além da polêmica composição do tênis usado por ele, ainda não aprovada pela Federação Internacional de Atletismo (Iaaf).

Mas, nessa história toda, o que menos importa é se a marca foi ou não homologada como recorde mundial. E também importa pouco o fato de o objetivo do evento – batizado de Breaking2 – não ter sido alcançado. Ler que o queniano “fracassou” diz muito sobre a visão de mundo de algumas pessoas e pouco sobre o que ele fez.

O feito de Kipchoge neste sábado é um dos mais importantes do esporte nos últimos tempos por outros motivos. Ele mexe com o imaginário de todos os corredores (de elite ou não) e fãs de todo o mundo. Mexe, também, com as estratégias das principais marcas – a Adidas planeja um contragolpe em breve.

Por isso, mesmo sem recorde mundial e com o argumento contrário de que tinha tudo a seu favor, o que se viu hoje é uma vitória. Uma conquista para o ser humano como espécie. Uma mensagem de que, sim, é possível correr uma maratona em menos de duas horas. A questão agora é apenas saber quando. E a torcida é para que seja o quanto antes.



  • Renato Rodrigues de Oliveira

    Isso sim é reportagem! Parabéns LANCE! Nada de derrotismo e muito menos chamadas apelativas 👏👏👏👏