Bahrein confirma que F-1 voltará a ter disputa de título entre equipes diferentes



O bom GP do Bahrein, neste domingo (16), confirmou aquilo que as duas primeiras etapas da temporada já haviam indicado: depois de cinco anos, o título da Fórmula 1 deve ser disputado por pilotos de equipes diferentes. Sebastian Vettel venceu pela segunda vez em três provas e Lewis Hamilton, com uma vitória, foi segundo colocado pela segunda vez. Serão os dois, e nenhum outro, a disputar o título em 2017.

É claro que pode parecer precipitado fazer a afirmação depois de apenas 15% do campeonato disputado (três dos 20 GPs) e sem ainda ter pisado em solo europeu, onde equipes costumam colocar na pista evoluções de seus carros e algumas mudanças na ordem de forças podem acontecer. Mas é difícil, ou impossível, imaginar que a disputa do título saia das mãos e dos pés do alemão da Ferrari e do inglês da Mercedes.

E quando se fala “apenas eles”, trata-se de excluir seus companheiros de equipe, que já demonstraram que nada farão contra o piloto número 1 de seus times. Valteri Bottas, o finlandês da Mercedes, está longe do nível de Nico Rosberg, que sempre incomodou Hamilton – a ponto de ficar com o título na temporada passada. Fez a pole no Bahrein e permitiu que nos perguntássemos se ele conseguiria virar uma pedra no caminho do inglês. Chegou em terceiro lugar apenas para confirmar seu posto de “segundinho”. Kimi Raikkonen, que foi bem na pré-temporada, segue desinteressado – e acima do peso.

Hamilton e Vettel no pódio do GP do Bahrein

Hamilton e Vettel no GP do Bahrein: um deles será o campeão (Foto: Andrej Isakovic/AFP)

A Fórmula 1 não via o título disputado entre pilotos de equipes diferentes desde 2012. Vettel, então na Red Bull, venceu seu terceiro campeonato com apenas três pontos de vantagem para Fernando Alonso, que ainda estava na Ferrari. Ainda assim, o alemão chegou à última corrida com vantagem de 13 pontos para o rival. E garantiu a conquista com um sexto lugar. No ano seguinte, Alonso foi novamente vice de Vettel, mas impossível dizer que houve disputa numa temporada em que o alemão terminou com 155 pontos de vantagem e vencendo as últimas nova corridas do ano. Em 2014 começou o domínio da Mercedes e a monótona conversa entre Hamilton e Rosberg.

Há razões para celebrar. Será bom ver dois gênios das pistas em carros diferentes disputando o título provavelmente ponto a ponto. Os carros estão lindos e as corridas menos enfadonhas do que se esperava, diante da dificuldade de ultrapassagem pela dependência aerodinâmica dos carros. Vai valer a pena acompanhar cada prova e esperar pra ver quem poderá incomodar, ainda que levemente, Vettel e Hamilton. Se sua aposta é Max Verstappen, é a minha também. Dia 30 tem mais, desta vez na Rússia.



  • “Se sua aposta é Max Verstappen, é a minha também” – Não se esqueça de Daniel Ricciardo.

MaisRecentes

De Giovinco a Dempsey, os 10 maiores destaques da MLS



Continue Lendo

Renato Portaluppi: deus ou dono do Grêmio?



Continue Lendo

A Ponte Preta tem uma nova chance de fazer o futebol sorrir



Continue Lendo