GP da China: Verstappen não é mais questão de ‘se’, mas de ‘quando’



Max Verstappen não demorou muito a apresentar suas credenciais quando estreou na Fórmula 1, em 2015. Aos 17 anos, pontuou em dez das 19 corridas pela Toro Rosso, incluindo dois quartos lugares, e fez 31 pontos a mais que o companheiro, o bom espanhol Carlos Sainz Jr. Na temporada passada, subiu para a Red Bull na quinta etapa e, na primeira vez em uma equipe grande, venceu. Nunca se duvidou de seu talento, mas o GP da China mudou a pergunta. Não é mais “se” o holandês será campeão, mas “quando”.

Max foi brilhante no GP da China. Ficou em 16° no grid depois de ter problemas no treino de classificação. Largou de forma soberba – “Passei uns nove carros, parecia que estava jogando videogame” – e terminou em terceiro lugar, depois de andar em segundo. Na entrevista feita com os pilotos ainda no pódio, foi elogiado pelo tricampeão Lewis Hamilton, vencedor da corrida. “Esse garoto faz parecer fácil ultrapassar com pista molhada. Vou precisar assistir aos vídeos para ver direito como ele faz”, afirmou. Não é uma atitude comum num meio egocêntrico como a Fórmula 1.

Max Verstappen celebra o terceiro lugar na China

Max Verstappen celebra o terceiro lugar na China (Foto: Johannes Eisele/AFP)

Vertappen é um futuro campeão mundial. Algo tem de dar muito errado para que encerre a carreira, que pode ter mais duas décadas, sem terminar uma temporada em primeiro lugar. É preciso que seja um azarado do nível de Fernando Alonso, o melhor piloto em atividade – sim, eu acho – e que desde que foi campeão pela segunda vez, em 2006, nunca mais conseguiu um carro em condição de ser campeão. Na verdade, quando isso aconteceu, nos anos da Ferrari, – e mesmo sem ter um carro maravilhoso – perdeu por detalhes que fugiram de seu controle.

Max ainda é um moleque e tem muito (muito mesmo) tempo de carreira. Apenas 19 anos e já tem 42 GPs de experiência. Quando começar a vencer com regularidade, os outros podem aplaudir. Por que não será apenas um título. Será uma sequência. O holandês está pronto para empilhar recordes. Inclusive aqueles que ainda parecem inalcançáveis.



MaisRecentes

De Giovinco a Dempsey, os 10 maiores destaques da MLS



Continue Lendo

Renato Portaluppi: deus ou dono do Grêmio?



Continue Lendo

A Ponte Preta tem uma nova chance de fazer o futebol sorrir



Continue Lendo