Atlético-MG corrige erro e mostra a beleza do futebol: a diversidade



Em fevereiro do ano passado, um desfile para apresentação do uniforme do Atlético-MG virou assunto importante nas redes sociais e também fora delas. O motivo: em parceria com a DryWorld, então fornecedora de material esportivo, o clube colocou na passarela modelos apenas com a camisa do clube e, na parte de baixo, biquíni. Corpos femininos expostos, enquanto os homens apareciam cobertos, de short. A ação desastrosa de marketing foi atacada por pessoas de bom senso, que foram xingadas e ameaçadas.

“Esperamos da instituição o reconhecimento do erro, um pedido de desculpas e um compromisso de que ações como a de hoje não serão repetidas”, dizia um texto assinado em conjunto por 21 atleticanas no blog “CAMikaze”.

Um ano e dois meses depois, aconteceu um novo desfile. Agora em parceria com a Topper, o Galo acertou. E fez bonito. A imagem mais marcante do evento com o novo uniforme foi a de uma modelo com a camisa nova e que da cintura para baixo estava enrolada na bandeira do clube. Em volta dela, modelos masculinos sem camisa. O contrário do que aconteceu ano passado. Pareceu, e talvez tenha sido mesmo, um pedido de desculpas pelo que aconteceu em 2016. Aparentemente, o clube entendeu a bola fora, entendeu que foi machista, que incentivou o uso do corpo feminino como objeto.

Desfile de apresentação de uniforme do Atlético-MG

O desfile teve ainda pessoas da terceira idade, crianças, homens e mulheres bonitos e de diversos tons de pele. Como é a torcida de qualquer clube de massa como o Atlético ou pequeno. Como é o futebol. Como deve ser a vida. De aceitação e respeito. E de cuidado principalmente com aqueles que são oprimidos no dia a dia. Para que isso não aconteça. O Galo, nesta semana, orgulhou não apenas seu torcedor, mas todos aqueles que sonham com um mundo melhor.

Desfile de apresentação de uniforme do Atlético-MG

Fotos: Bruno Cantini/Atlético-MG



MaisRecentes

De Giovinco a Dempsey, os 10 maiores destaques da MLS



Continue Lendo

Renato Portaluppi: deus ou dono do Grêmio?



Continue Lendo

A Ponte Preta tem uma nova chance de fazer o futebol sorrir



Continue Lendo